18.1 C
São Paulo
quinta-feira, agosto 11, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Hortifrúti Pimenta-do-reino atrai produtores de todo o Brasil

Pimenta-do-reino atrai produtores de todo o Brasil

Na última safra, o Brasil produziu 40 mil toneladas de pimenta-do-reinoe aproximadamente 90% destina-se ao mercado externo, sendo que a produção é exportada, principalmente, para os Estados Unidos, Alemanha, Países Baixos e Argentina. O principal uso da pimenta-do-reino é no preparo de alimentos industrializados, na indústria farmacêutica, de cosméticos e perfumaria e como inseticida natural.

 

Elisamara Caldeira do Nascimento

Mestre em Fitotecnia pela UFRRJ

Talita de Santana Matos

Mestre em Fitotecnia pela UFRRJ

Everaldo Zonta

Doutor em Agronomia – UFRRJ

Glaucio da Cruz Genuncio

Doutor em Agronomia ” UFRRJ

glauciogenuncio@gmail.com

 Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

A pimenta-do-reino, também conhecida como pimenta-da-índia, é uma planta trepadeira, originária da Índia, sendo a mais comum e mais importante das especiarias. Durante os séculos XV e XVI ela motivou viagens entre a Europa e a Ásia para sua importação pelos europeus. Em Roma, chegou a ser empregada em certas ocasiões como dinheiro (moeda).

Atualmente, seu cultivo está bem difundido em regiões de clima tropical, em latitudes de até 20°N e 20°S e altitudes de até 2.400 m. Na Ásia, é cultivada na Índia, Indochina, Sri-Lanka, Indonésia e Malásia; na África, em Camarões, Nigéria, República Centro-Africana e Congo; nas Américas, em Porto Rico, Jamaica, Brasil e Bolívia, além de outros.

Panorama mundial

Atualmente, estima-se que no Brasil cerca de 20 mil hectares estejam plantados com pimenta-do-reino, dos quais mais de 80% são cultivados por pequenos produtores. A cultura gera 30 mil empregos diretos durante o ano, mas na época da colheita pode chegar a empregar mais de 80 mil pessoas.

O Brasil oscila entre o terceiro e o quarto lugar entre os países produtores de pimenta-do-reino, contribuindo com cerca de 15% do volume comercializado no mercado internacional. A Comunidade Internacional da Pimenta coordena as políticas de produção, exportação, controle de qualidade e usos do produto, e estimula a pesquisa e o intercâmbio de informações e estatísticas entre os países membros: Brasil, Indonésia, Vietnã, Sri Lanka, Índia e Malásia.

O Estado do Pará, atualmente, representa 80% da área plantada no País, sendo o maior produtor nacional, seguido do Espírito Santo, Bahia, Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, porém, a média brasileira de produtividade é inferior a 2,5 quilos de pimenta preta por planta, sendo considerada baixa em comparação aos demais países produtores.

Entretanto, pesquisas desenvolvidas principalmente pela Embrapa Amazônia Ocidental demonstram a existência de tecnologias disponíveis que permitem a obtenção de produções superiores a 3,5 quilos de pimenta preta por planta.

O Brasil cultiva cerca de 20 mil hectares com pimenta-do-reino - Crédito Gilberto Fraife
O Brasil cultiva cerca de 20 mil hectares com pimenta-do-reino – Crédito Gilberto Fraife

Qualidade

Quanto à qualidade, a adoção de boas práticas na colheita e pós-colheita (processamento/debulha, secagem, armazenamento e comercialização) é recomendada, pois evita a depreciação do produto por contaminações físicas, químicas e biológicas, tornando a pimenta-do-reino mais competitiva e livre de barreiras comerciais perante o mercado internacional.

Como mencionado, o Espírito Santo é o segundo Estado com maior área plantada de pimenta-do-reino, cerca de 10% do total. São Mateus, município da região norte do Estado, tem a maior produção do Brasil e exporta o produto para diversos países.

A pimenta no ano de 2015 foi bastante valorizada, com preço do quilo atingindo os R$ 30,00 nos últimos meses deste ano. Estes ganhos estão em função de investimentos de produtores localizados em São Mateus desde a década de 1960, que a partir de sucessivos ganhos tecnológicos geraram as condições favoráveis para que a cultura se espalhasse pela região de forma qualitativa.

Estágios-da-pimenta-do-reino-Crédito-Internet
Estágios-da-pimenta-do-reino-Crédito-Internet

Produtividade

Segundo a Secretaria Estadual de Agricultura, 80% da plantação capixaba é irrigada, o que aumenta a produtividade, que chega a sete mil toneladas por ano. Nos oito primeiros meses de 2015 mais de sete mil toneladas de pimenta-do-reino capixaba já foram exportadas, um crescimento de 15% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Este alto valor de mercado fez com que muitos produtores investissem na cultura em diversas regiões. O perigo é que, ao seguir a moda dominante, sempre se corre o risco de todos os produtores serem prejudicados.

A cultura da pimenta sofreu essa consequência durante as décadas de 1980 e 1990. Por ser um produto inelástico, como o sal de cozinha, não se consegue aumentar seu consumo reduzindo os preços, ao contrário, obtém-se maiores lucros mantendo-se seus preços elevados e produzindo em quantidade reduzida.

 

Para obter pimentas do tipo branca, os frutos são colhidos avermelhados
Para obter pimentas do tipo branca, os frutos são colhidos avermelhados

A Embrapa recomenda o uso de suportes para amparar seu crescimento
A Embrapa recomenda o uso de suportes para amparar seu crescimento

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Hortifrúti, edição de fevereiro 2016. Adquira a sua para leitura completa.

Inicio Revistas Hortifrúti Pimenta-do-reino atrai produtores de todo o Brasil