22.9 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiPimenta - Tipos e ardências que fazem toda a diferença

Pimenta – Tipos e ardências que fazem toda a diferença

Glaucio da Cruz Genuncio

Doutor em Nutrição Mineral de Plantas – UFRRJ

glauciogenuncio@gmail.com

Everaldo Zonta

Doutor em Fertilidade do Solo – UFRRJ

Elisamara Caldeira do Nascimento

M.Sc. em Fitotecnia ” UFRRJ

 

Foto 01 - No Brasil, a produção de pimentas se dá com variedades distintas -  Créditos Shutterstock
Créditos Shutterstock

No Brasil, cultiva-se pimentas em praticamente todo o território, entretanto, os principais produtores são os Estados de Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Ceará e Rio Grande do Sul, com notório crescimento tanto em termos de produção e produtividade para a região Nordeste.

A estimativa de produção de pimentas no Brasil é inexata, uma vez que parte significativa do cultivo é dada pela agricultura familiar em diversas regiões brasileiras, com áreas de, no máximo, 3,0 ha. Porém, uma estimativa aponta área cultivada anualmente entre 5.000 e 6.500 ha.

Aqui e ali

No Brasil, a produção de pimentas está em função do uso de variedades botânicas, com características de frutos bem distintas. Assim, podem-se distinguir grupos varietais como: Capsicum frutescens (malagueta e tabasco); C. chinense (pimenta de cheiro, pimenta bode, cumari do pará, biquinho, murupi e habanero); C. annuum var. annuum (pimenta doce, jalapeño, cayenne, serano e cereja); C. baccatum var. pendulum (dedo de moça e cambuci) e, C. baccatum var. praetermissum (Cumari).

É importante ressaltar que, dentre as solanáceas, a pimenta ocupa o quinto lugar em relação ao consumo in natura.

Estima-se uma produção nacional em torno de 22.000 t/ano. Já a produtividade da pimenta varia de 10 a 45 t/ha (com média mundial de 15,8 t/ha). Tal variação está em função da espécie, assim como manejo e tratos culturais, clima e nível de tecnologia adotado.

De forma distinta e tomando-se alguns exemplos, a produtividade da pimenta malagueta é de 10 t/ha. Já a produtividade para a pimenta biquinho e bode situa-se em 20 t/ha.  Para a pimenta dedo-de-moça a produtividade estimada é de 20 t/ha e 45 t/ha é a produtividade da pimenta jalapeño, sendo a malagueta a pimenta mais cultivada no Brasil.

No Brasil, a produção de pimentas se dá com variedades distintas -  Créditos Shutterstock
No Brasil, a produção de pimentas se dá com variedades distintas – Créditos Shutterstock

Condições para o plantio

O cultivo de pimenta é diversificado, e setorizado nas regiões do Brasil. Em SP, MG e GO são produzidas a Jalapeño, Cayene e Cumari. As pimentas denominadas de cheiro (C. chinense) são cultivadas predominantemente no Norte.

A região centro-oeste destaca-se na produção da Murupi. MG, BA e CE destacam-se na produção de tabasco, geralmente visando o mercado externo (principalmente EUA, maior consumidor deste tipo de pimenta). Já a malagueta é cultivada em todo o território nacional.

Assim, como é de se supor, os efeitos climáticos, principalmente temperaturas, têm forte influência na produção de pimenta. Destaca-se que a faixa ideal de temperatura compreende 21 a 35ºC (faixa ótima entre 23 e 27ºC), sendo que valores abaixo de 15ºC causam redução no crescimento da planta, assim como acima de 35ºC causam abortamento (sintomas típicos de solanáceas).

Quanto à irradiância, valores entre 480 a 860 µmol fótons m-2s-1 são ideais. A UR% deve ser entre 65 a 75%. Atualmente, parte significativa da produção é realizada em ambiente protegido, com o uso de tecnologia como telas termorrefletivas e plásticos aditivados, como o Suncover AV Blue.

Foto 03 - No Brasil, a produção de pimentas se dá com variedades distintas -  Créditos Shutterstock
Créditos Shutterstock

Importância econômica

Dada a característica de agricultura familiar, com geração de emprego, renda e aporte socioeconômico, o mercado da pimenta é bastante promissor. Possui taxa de crescimento de 8% ao ano para a pimenta in natura, entretanto é um mercado ainda pouco explorado, principalmente no produto industrializado (conservas e molhos).

Se considerarmos o valor de venda de R$ 7,00 nas Ceasas, e tomarmos como exemplo somente o volume comercializado na CEAGESP, com volume médio mensal comercializado de 330.000 kg (entre os anos de 1998 a 2005), pode-se chegar a um montante de, aproximadamente, R$ 28 milhões/ano de pimenta in natura para SP.

Este valor será muito superior se considerarmos a comercialização direta entre produtor e agroindústria de processamento de conservas e molhos, cuja taxa de crescimento é de 11,5% ao ano e vendas constatadas de 3650 toneladas de molhos em 2011, somente para o Estado de Minas Gerais.

Ressalta-se que o mercado de molhos de pimenta no Brasil alcançou valores comercializados de R$ 811 milhões em 2011 (Informe Agropecuário, 2012).

Evolução do mercado

Existe uma tendência à industrialização, gerando linhas gourmet, a partir da fabricação de molhos, condimentos (pápricas), uso na indústria de embutidos, corante e geleias. O uso de pimentas diferenciadas, como a bhut jolokia, habanero, red sanvina habanero, scotch bonnet e, até mesmo a trinidad scorpion, que possuem altíssimas concentrações de capsaicina, de acordo com a escala de Scoville, vem aumentando no Brasil, principalmente nos segmentos molhos e conservas.

Demanda

Devido à característica de ser um produto perecível, parte da produção tem se voltado para a agroindústria, medida esta que serve como redução das perdas pós-colheita, que podem ultrapassar 30%.

O processamento da pimenta visando a obtenção de molhos e conservas, assim como condimentos e geleias, é o mais utilizado. Atualmente, existem empresas especializadas em industrialização de grande variedade de pimentas produzidas no Brasil.

Por outro lado, uma parte significativa da produção é comprada diretamente do produtor, a partir de venda direta e/ou contratos de parceria, assim como as agroindústrias vêm gradativamente investindo em produção própria, uma vez que existe a necessidade da garantia de continuidade de produção e qualidade de produto.

Vale ressaltar que um dos fatores que restringem o crescimento do setor é a dependência de mão de obra, tanto para os tratos culturais quanto para a colheita, que pode demandar um quantitativo elevado de pessoas, caso este seja referenciado pela colheita da malagueta.

No cenário Mercosul, o Brasil ocupa o segundo lugar no comércio de molhos da América Latina, atrás somente do México. Além do mais, o Brasil produz páprica (chili) e páprica doce, e a sua produção é voltada para o mercado europeu, assim como a pasta de tabasco para o mercado norte-americano.

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Hortifrúti, edição de fevereiro. Adquira já a sua para leitura completa!

ARTIGOS RELACIONADOS

Silício x requeima da batata – A hora da verdade

A batata é a terceira cultura alimentar mais importante do mundo, sendo amplamente cultivada e fazendo parte da dieta alimentar em diversos países. Entre os fatores limitantes da produção e de boa qualidade de batata, podemos destacar a doença denominada mela ou requeima.

Gestão Organizacional no Agronegócio – Mais segurança para o agricultor, revendas e indústrias

A gestão organizacional no agronegócio possibilita utilizar ferramentas que auxiliam na administração profissional de acordo com as boas práticas de gestão de negócios, envolvendo...

Câmeras termográficas e drones, previnem incêndio florestais?

Os grandes incêndios que atingiram a Amazônia em agosto devastaram mais de 900.000 hectares no Brasil, Bolívia, Equador, Peru e Paraguai, de acordo com o Instituto Nacional...

Mudas de tomate germinam melhor com os ácidos húmicos

  Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!