23.7 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiPimentas mexicanas - Cultivo atrai produtores

Pimentas mexicanas – Cultivo atrai produtores

Autora

Raíra Andrade Pelvine
Engenheira agrônoma e mestranda em Agronomia-Horticultura, Unesp-FCA, Botucatu-SP.
raira_andeplvine@hotmail.com

A crescente demanda do mercado, estimado em R$ 80 milhões ao ano, tem impulsionado o aumento da área cultivada e o estabelecimento de agroindústrias, tornando o agronegócio de pimentas (doces e picantes) um dos mais importantes do País. Além do mercado interno, parte da produção brasileira de pimentas é exportada em diferentes formas, como páprica, pasta, desidratada e conservas ornamentais (Embrapa, 2007).

Atualmente, as diversas variedades de pimenta dominam o comércio de especiarias picantes. As principais pimentas mexicanas são Jalapeño, Caiena, Chilli, Habanero e Poblano, porém, o destino é variado, mas podem ser consumidas in natura ou em conservas, molhos, secas ou em pó.

No Brasil, a área anual cultivada é de aproximadamente 2.000 ha, sendo os Estados de Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Ceará e Rio Grande do Sul os principais produtores. A produtividade média depende do material que se está cultivando, mas, pode variar de 10 a 30 t/ha.

Manejo

Atualmente, se utiliza a recomendação de adubação indicada para o pimentão, ambos do gênero Capsicum. As pimenteiras não toleram baixas temperaturas, então devem ser cultivadas em meses do ano com temperatura alta (em média 21-30°C), e para a região sudeste o cultivo ocorre na primavera e verão.

 Existem vários métodos para cultivá-las, porém, depende do material utilizado, já que algumas cultivares podem não ter alto valor comercial, inviabilizando o investimento em uma alta tecnologia.

Atualmente, o cultivo é realizado em solo, em campo aberto, mas alguns produtores utilizam a pimenteira por até dois anos, então encontraram uma maneira de aumentar a qualidade fitossanitária da planta, sendo então cultivada em estufa.

Mercado

O mercado para as pimentas é dividido em dois grandes grupos: o consumo in natura, geralmente em pequenas porções, e as formas processadas, que incluem molhos, conservas, flocos desidratados e pó como ingrediente de alimentos processados (Embrapa, 2007).

Pode-se dizer que este mercado ainda está em expansão no Brasil, pois é influenciado de acordo com o hábito alimentar. Mas, está havendo uma exploração de novos tipos de pimentas e o desenvolvimento de novos produtos para o mercado, com grande valor agregado, por exemplo, as conservas ornamentais e geleias especiais.

Alguns produtores relatam que levam o ciclo da pimenteira em até dois anos, sendo a partir do segundo ano a visualização inicial do retorno econômico. Porém, muitas vezes, quando processadas ocorre uma supervalorização do produto, podendo obter lucro de até 100% no custo produção da pimenta, a exemplo das conservas.

No caso do custo, varia de acordo com material e o a tecnologia utilizada, porém, em cultivo menos tecnificado pode chegar a uma média de R$ 20 mil a R$ 25 mil/ha, sendo a mão de obra o item mais caro de toda a cadeia produtiva da cultura.

O aumento no cultivo se deve ao maior consumo, inclusive de molhos, e muitas vezes a realização de blends, para atingir determinado sabor e ardência, que faz com que ocorra uma procura maior por determinadas variedades.

ARTIGOS RELACIONADOS

Vantagens do gotejamento para o café

  Em tempos de escassez de água, a tecnologia empregada à irrigação tem se mostrado uma das alternativas mais eficientes   A irregularidade na distribuição das chuvas...

Mercados consumidores e finalidades do açafrão-da-terra

  Elisamara Caldeira do Nascimento Mestre em Fitotecnia pela UFRRJ Talita de Santana Matos Mestre em Fitotecnia pela UFRRJ Glaucio da Cruz Genuncio Doutor em Nutrição Mineral de Plantas pela...

Cultivo de eucalipto com aplicação de biossólido é alternativa lucrativa e sustentável

Aline Azevedo Nazário Engenheira agrônoma e doutoranda em Engenharia Agrícola (UNICAMP/FEAGRI) aline.a.n@hotmail.com Ivo Zution Gonçalves Doutor em Engenharia Agrícola (UNICAMP / FEAGRI) e pesquisador associado da...

Couve-manteiga é sabor e saúde no prato garantida

AutoresMaria Eduarda Facioli Otoboni Darllan Junior Luiz Santos Ferreira de Oliveira Engenheiros agrônomos e mestrandos - Unesp/campus de Ilha Solteira Pablo Forlan Vargas Doutor...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!