26.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiPlantio de cebola de inverno: Mais barato e maior durabilidade pós-colheita

Plantio de cebola de inverno: Mais barato e maior durabilidade pós-colheita

Novas variedades  possibilitam o plantio de cebola de inverno com menor risco na colheita - Crédito Shutterstock
Novas variedades possibilitam o plantio de cebola de inverno com menor risco na colheita – Crédito Shutterstock

Hoje temos disponível no mercado uma imensa lista de híbridos que podem ser plantados no inverno. As principais empresas que comercializam sementes recomendam que os híbridos sejam plantados nessa época para que se aproveite o melhor potencial de cada material.

“Na verdade, praticamente todos os híbridos disponíveis no mercado podem ser plantados nessa época chamada de ‘plantio de inverno’, mas que na verdade é a colheita, que é realizada no inverno, enquanto o plantio é feito nos meses de março, abril, maio e até meados de junho. Quando o plantio é feito nessa época, teremos a colheita no período seco; portanto, a probabilidade é boa de ter um excelente produto final com uma pele ótima e um longo período pós-colheita, sendo que também a produtividade é alta nesse período“, considera Edson Zuquetto, consultor técnico e produtor de cebolas.

A partir dessa época, os produtores passam a correr o risco de coincidir a colheita com o início do período chuvoso e, consequentemente, o produto final tende a perder qualidade. Porém, nessa época considerada ideal para a produção de cebola, existe um risco muito grande de o mercado consumidor estar com oferta excessiva, refletindo diretamente no preço ou na não comercialização da produção, de acordo com a oferta e demanda.

O que esperar

A região onde será implantada a cultura é importante para o sucesso da atividade - Crédito Shuttertock
A região onde será implantada a cultura é importante para o sucesso da atividade – Crédito Shuttertock

As características que se espera desses híbridos são:

  • Resistência ao adensamento, o que irá proporcionar mais plantas por metro de canteiro e maior produtividade;
  • Uniformidade na bulbificação, pois, desse modo, o produtor terá uma boa produtividade e uma classificação melhor do seu produto final, refletindo diretamente na remuneração da produção;
  • Resistência ou tolerância a doenças foliares, o que reduzirá os gastos com fungicidas e bactericidas. Essa resistência está relacionada com a serosidade das folhas e com a estrutura das folhas. Plantas com porte mais ereto normalmente são mais resistentes, enquanto as plantas de porte menos ereto tendem a ser mais suscetíveis a doenças;
  • Resistência ou tolerância a doenças do sistema radicular, que pode estar relacionada à quantidade de raízes ou ao melhoramento genético, que propicia essa resistência em algumas regiões, principalmente no estado de São Paulo. Esse é um fator determinante, tendo em vista a alta incidência de raiz rosada;
  • Resistência a herbicidas, visto que alguns híbridos têm menor resistência aos herbicidas, sofrendo fitotoxidez elevada, o que pode provocar diminuição no potencial produtivo, enquanto outros híbridos são bem tolerantes;
  • Com relação ao formato do bulbo, o mercado consumidor exige que ele tenha forma arredondada. Já os bulbos alongados ou bicudos têm menor valor comercial;
  • Pele é outro fator determinante, uma vez que o mercado consumidor exige bulbos com boa coloração e pele bem lisa, firme e seca. Alguns híbridos têm a característica de formar várias camadas de pele e outros, quando perdem a primeira pele, ficam brancos, pelados ou com uma pele escura, que não se solta. Outros ficam esverdeados, os quais têm valor comercial bem menor do que aqueles que possuem a pele íntegra;
  • Precocidade também pode ser uma característica desejada, levando em conta que, quanto mais longo o ciclo, maiores serão as quantidades de irrigações e de pulverizações. É bem verdade que os híbridos de ciclo mais longo tendem a ter bulbos mais firmes e uniformes, obtendo melhor produtividade e maior durabilidade pós-colheita.

 
Essa matéria completa você encontra na edição de Julho da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Clique aqui para fazer a sua assinatura.

ARTIGOS RELACIONADOS

Do amor à terra vem o sucesso

Sérgio Ricardo Donófrio é agricultor e proprietário da Calusne Farms, empresa agrícola localizada em Campinas (SP) que cultiva alfaces especiais, ervas finas, brotos, mini folhas, flores comestíveis e outras especialidades para a fina culinária brasileira. Entre as delícias que nascem por lá estão as alfaces frillice verde e roxa, chicória frisée, lollo rossa roxa e verde, mini romana e radicchio, todas elas comercializadas já higienizadas.

Produtividade – Como construir um ambiente promissor?

Se existir uma palavra mágica para a construção de um ambiente de alta produtividade, esta seria “diagnóstico”. Somente conheceremos nosso ambiente de produção e iremos obter assertividade e eficiência no manejo das lavouras a partir do momento que realizarmos um correto diagnóstico do sistema produtivo, abrangendo cada fator que impacta positivamente e/ou negativamente na produtividade.

Expocitros chega à 41ª edição com sucesso

  A 41ª Expocitros, 46º Dia do Citricultor e 37ª Semana da Citricultura ocorrerão de 25 a 28 de maio, no Centro de Citricultura Sylvio...

Tratamento de sementes do milho safrinha

Atualmente, em termos de inseticidas registrados para uso na cultura do milho, são mais de 250 opções. Para Paulo Afonso Viana, pesquisador da área...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!