23.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesPlantio em estufa

Plantio em estufa

Vanessa Alves GomesEngenheira agrônoma, mestre em Fitopatologia, doutoranda em Proteção de Plantas – UNESP/Botucatu e professora – CESGvavvgomes@gmail.com

Carolina Alves GomesEngenheira agrônoma – Universidade Federal de Viçosa (UFV/CRP)carol.agomes11@gmail.com

Estufa – Foto: Shutterstock

Com o passar dos anos as mudanças climáticas são cada vez maiores. Do ponto de vista da agricultura, estas alterações trazem prejuízos econômicos para os produtores. As plantas estão sofrendo com a incidência solar e apresentando sintomas de queimaduras, além de sintomas de perda de água, gerando desidratação. Deste modo, a melhor saída para proteger as plantas mais sensíveis das intempéries climáticas é o cultivo em estufas.

O plantio em estufa representa um exemplo de cultivo em ambiente protegido, oferecendo um microclima adequado para o desenvolvimento da cultura. Muitas culturas apresentam resultados superiores, quando produzidas em estufas, principalmente hortaliças, legumes e frutos.

Isto ocorre, principalmente, pelo fato de as estufas proporcionarem condições climáticas controladas, isolando as intempéries climáticas que podem vir a surgir.

Opções

O cultivo nas estufas pode ser em vasos, em sistemas de hidroponia, bem como pode-se realizar o plantio diretamente no solo. Deste modo, pode ser um sistema simples ou pode-se fazer uso de mais tecnologias.

[rml_read_more]

As estufas podem ser pequenas, cobrindo apenas pequenos espaços ou bancadas, ou ainda podem cobrir grandes áreas. Podem ser construídas fazendo uso de madeiras, cloreto de polivinil flexível (PVC), aço galvanizado, plásticos transparentes, sombrite, dentre outros materiais.

As estruturas laterais podem ser movidas, como cortinas, a depender das condições climáticas, controlando as condições internas, bem como telas de sombrite podem ser utilizadas para controlar a luminosidade que chega às plantas.

Quanto à estrutura, as estufas podem ser do tipo capela, sendo a estrutura semelhante à de um galpão ou aviário, apresentando duas abas de cobertura inclinadas, com altura mínima de dois metros e espaço interno arejado.

Neste exemplo, há uma baixa resistência em casos de ventos fortes, no entanto, é uma estufa simples, menos onerosa e de fácil implantação. As estufas podem ainda ser do tipo arco, mais elaborada, com teto abaulado, possibilitando um maior aproveitamento da luz. Neste exemplo, o custo de implantação é maior, mas em contrapartida traz maiores ganhos de produtividade, sendo assim, mais utilizadas.

Orientação

No geral, as estufas são construídas na orientação leste-oeste, para serem beneficiadas com a radiação solar. Assim, há menos problemas com sombreamento das vigas da estrutura. São construídas levando em consideração o sentido da direção dos ventos predominantes, nunca na direção perpendicular dos mesmos. No seu interior, sempre que possível, as plantas também devem ser organizadas na orientação leste-oeste.

O cultivo protegido não envolve apenas a proteção das plantas contra os fatores do meio ambiente. Neste sistema há uma alteração em todo o mecanismo das plantas. É importante controlar as condições ambientais, mas permitir a entrada de sol e vento de maneira indireta.

As plantas não podem sofrer alterações na sua fotossíntese por redução de luminosidade. Garantir um desempenho satisfatório na fotossíntese implica em ganhos diretos na produtividade. Além disso, a falta de ventilação pode acarretar em problemas fitossanitários.

No interior das estufas a temperatura é controlada por termômetros. Em casos de temperaturas elevadas, em que há excesso de calor, pode-se realizar o controle por meio de telas de sombreamento, abertura das cortinas laterais, bem como podem ser acionados ventiladores.

Já nos dias mais frios e com pouca luminosidade, o problema pode ser solucionado fazendo uso de iluminação artificial e aquecedores. Em relação ao controle da umidade do ar, está diretamente relacionado com a prática de irrigação das plantas.

A água consegue equilibrar a sensação térmica, e ao mesmo tempo mantém as plantas hidratadas. Além disso, podem ser utilizados ventiladores que liberam partículas de água para refrescar o ambiente e aumentar a umidade relativa.

Sob controle

O controle das condições climáticas precisa ser realizado de maneira correta, mantendo a temperatura e umidade adequada para as plantas. É fundamental que o ambiente interior das estufas seja arejado e com uma boa circulação de ar para evitar problemas fitossanitários.

Outro ponto importante é realizar a irrigação da forma correta, evitando molhamento foliar, para não criar um microclima adequado para os patógenos de plantas. A maioria das doenças é beneficiada em situações de umidade e temperatura elevada, onde há o abafamento das plantas. Nestes casos, o espaçamento entre plantas e entrelinhas é outro ponto fundamental.

Vantagens

As estufas apresentam também como vantagem a contenção da entrada de animais, pássaros, insetos-pragas e insetos vetores de doenças. A barreira física é um bom aliado, impedindo a entrada de organismos que vão causar prejuízos às plantas. As barreiras podem ainda atuar contendo esporos que são levados pelos ventos. Com isso, há uma redução da necessidade de aplicação de produtos fitossanitários.

Em casos onde há infestação de doenças na parte aérea, recomenda-se realizar o descarte da parte aérea logo após o cultivo e desinfestar o local antes da instalação do próximo cultivo. Quando os problemas são com doenças no sistema radicular, ou pragas de solo, é recomendado o descarte do sistema radicular.

Assim, há uma redução do inóculo inicial ou da praga e possibilita um melhor tratamento do solo antes de instalar a próxima cultura. Em relação às plantas daninhas, em cultivos protegidos os problemas são menores. O controle é efetuado logo que se constata o problema, gerando um banco de sementes menor, além do fato de que as sementes não são trazidas por ventos e animais.

Custo

O custo de implantação de uma estufa é elevado, mas a boa produtividade e a qualidade do produto final fazem com que o valor seja recuperado em um curto período de tempo. Outra vantagem é que nos cultivos protegidos é necessário menor número de aplicações de produtos, sejam eles químicos ou biológicos, para o controle de pragas, doenças e plantas daninhas.

É um sistema que possibilita também a produção de mudas, adoção de manejos mais sustentáveis, ou até mesmo cultivos orgânicos.

O plantio em estufa permite uma produção o ano todo de produtos antes ditos como sazonais. Com o controle das condições climáticas, o manejo fica mais fácil e acessível, além de possibilitar a produção de plantas em regiões extremas, ou muito quentes ou muito frias, com boas produtividades.

Artigo anterior
Próximo artigo
ARTIGOS RELACIONADOS

Ciclo fenológico define plantio da cebola híbrida

Daniel Lucas Magalhães Machado Engenheiro agrônomo edoutorando em Produção Vegetal, ICIAG - Universidade Federal de Uberlândia (UFU) danielmagalhaes_agro@yahoo.com.br Ernane Miranda Lemes ernanelemes@yahoo.com.br Roberta Camargos de Oliveira robertacamargoss@gmail.com Engenheiros agrônomos edoutores em...

Aplicação de fósforo a lanço aumenta a eficiência do plantio de feijão

Nilton Gomes Jaime Engenheiro agrônomo, mestre e consultor-proprietário da Cerrado Consultoria Agronômica ngjconsultor@yahoo.com.br O Brasil é o maior produtor mundial de feijão (Phaeseolusvulgaris L.), com produção média...

O minipepino ainda é pouco explorado

Autor André Rocha Duarte Engenheiro agrônomo e Mestrado em Fitopatologia - Universidade Federal de Viçosa (UFV) agronomia@finom.edu.br O minipepino (Melothria pendula L.) é uma planta,...

Controle de pulgão no milho

Nos últimos anos, algumas pragas que eram consideradas secundárias na cultura do milho ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!