Inicio Revistas Hortifrúti Poda orienta forma das plantas de manga

Poda orienta forma das plantas de manga

0
797

Glaucio da Cruz Genuncio

Doutor em Agronomia e professor de Fruticultura da UFMT

glauciogenuncio@gmail.com

Elisamara Caldeira do Nascimento

Talita de Santana Matos

Doutoras em Agronomia ” UFRRJ

Crédito Léa Cunha
Crédito Léa Cunha

A poda, em sua essência, visa orientar a forma das plantas em função do meio, espécie, vigor da variedade e do porta-enxerto; manter um crescimento vegetativo equilibrado nas diferentes partes da planta; conservar o equilíbrio entre raízes e a parte aérea para regular o vigor e a produção das plantas e facilitar a aeração e iluminação da copa.

Resumidamente, a poda consiste na eliminação de parte dos ramos vegetativos e reprodutivos de uma planta, visando uma forma e produção adequadas à finalidade desejada. Dentre os benefícios que a poda proporciona, destaca-se a uniformização do grau de maturação dos ramos, sendo este um fator de suma importância na indução floral.

Ao se podar uma mangueira, alguns objetivos são considerados, tais como: aumentar a qualidade de frutos, com menor número deles, porém, com maior conteúdo de sólidos solúveis totais (ºBrix); orientação da copa (poda de formação) em função da variedade, microclima, clima, vigor vegetativo e produção, e da relação raízes/parte aérea, além de melhorar aspectos fisiológicos como eficiência no uso da radiação (EUR), eficiência no uso da água (EUA) e melhoria da relação fonte-dreno.

Vale ressaltar a existência de uma correlação direta entre poda, indução floral e estresse hídrico para a regularização da fase reprodutiva da mangueira, que quando bem ajustada eleva a produtividade e qualidade de frutos desta espécie em sistema comercial de cultivo.

 A poda facilitaa aeração e iluminação da copa - Crédito Shutterstock
A poda facilita a aeração e iluminação da copa – Crédito Shutterstock

Tipos de podas

A importância de se podar a mangueira está em função de alguns requisitos, tais como: a poda é importante para o aumento de ramos que possuam gemas floríferas.Em função da “severidade“,pode-se obter ramos mais vigorosos, e uma poda drástica fará que a mangueira reduza a produção de frutos em um espaço de tempo superior à poda de manutenção, além de ocasionar um desequilíbrio entre parte aérea e sistema radicular, com consequente desequilíbrio na circulação de fotoassimilados na planta.

Porém, a mesma torna-se necessária quando existe a necessidade de renovação e rejuvenescimento do mangueiral.Com isso, pode-se definir os tipos como: podas de formação, utilizadas para a formação do cálice e das pernadas (ramos produtivos). Ressalta-se que a poda de formação pode perdurar até três anos após o plantio da muda.

Outra poda a ser programada pelo produtor é a de produção, que consiste no trato cultural na fase reprodutiva do mangueiral. Ela subdivide-se em podas de limpeza, levantamento de copa, poda lateral, poda de topo (rebaixamento de copa) e poda de equilíbrio. Cada uma tem sua função, mas todas têm um objetivo principal, que é a garantia de excelentes produtividades no próximo ano produtivo.

A partir disto, as finalidades das podas podem ser distintas e explicadas a seguir:

A poda aumenta o brix da manga - Crédito Luize Hess
A poda aumenta o brix da manga – Crédito Luize Hess

Finalidades

üDesponte de ramos ou poda de pós-colheita: propicia a obtenção de material melhor para a safra seguinte, como gemas mais homogêneas e férteis, plantas de menor porte, facilitando operações de raleio, colheita, dentre outras; além de plantas mais arejadas, com melhor arquitetura, facilitando as pulverizações com produtos químicos no controle de insetos-praga e doenças e, ainda, promovendo melhor qualidade de frutos.

üPodas de formação: objetivamà redução do porte das plantas, permitindo o adensamento do pomar, consequentemente aperfeiçoando a realização de tratos culturais, controle fitossanitário e a colheita. Assim sendo, este tipo de poda consiste em várias etapas até que a mangueira esteja com toda sua estrutura arquitetônica definida, com um número preestabelecido de ramos laterais.

Primeiramente, realiza-se a poda efetuando-se o desponte da muda a uma altura de 60 a 80 cm. Após essa operação, uma intensa brotação ocorrerá e deverá ser retirada, selecionando-se três brotos (formação do cálice), que deverão ficar equidistantes e em alturas diferentes, para dar maior resistência aos futuros ramos da mangueira, que são popularmente chamados de primeiras pernadas. As demais pernadas possuem a característica de serem múltiplas de três, chegando a até 27 pernadas finais (ramos produtivos), como destacamos a seguir.

As pernadas também terão uma brotação intensa, e serão podadas selecionando-se apenas três brotos em cada uma. Esses novos ramos são chamados de braços. Por sua vez, esses braços também brotarão e formarão vários ramos que deverão ser escolhidos, deixando-se apenas três ramos em cada braço.

Em todas as fases, a escolha dos brotos deverá ser sempre no sentido de permanecerem apenas aqueles voltados para fora da planta. Ressalta-se que esse tempo é denominado de período de formação, que pode demorar de 2,5 a três anos. Após cada operação de poda, os cortes deverão ser protegidos com uma pasta cúprica.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de setembro 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

SEM COMENTÁRIO