27.3 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiPodas em ameixeiras - Por onde começar?

Podas em ameixeiras – Por onde começar?

Camila Queiroz da Silva Sanfim de Sant’Anna

Doutoranda em Produção Vegetal – Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

agro.camilaqs@gmail.com

 Crédito Marco Lucini
Crédito Marco Lucini

“Não faço podas nos meus pomares de ameixeira, mas tenho colhido frutos“. Essa é uma afirmativa que não se aplica aos produtores de cultivo comercial de ameixas, pois embora sem o uso de podas e devidos cuidados a planta possa frutificar, esses frutos serão de menor qualidade (tamanho e sabor), além de frequente escassez de produção, alternando anos de frutos com outros de ausência de frutificação.

O manejo das podas interfere no balanço energético da planta durante seu desenvolvimento e produção, afetando do início de um novo ciclo de crescimento até a instalação de um novo período de endodormência (dormência de inverno).

A técnica tem por objetivo proporcionar a modificação do vigor da planta, além do porte e conformação conveniente para realização do manuseio dos frutos (desbastes, por exemplo), evitar sobrecarga, melhorar a produção, qualidade e regularidade da frutificação, também, manter a copa arejada, facilitando a entrada de sol, evitando a proliferação de doenças e, ainda, eliminar ramos doentes, mortos e inconvenientes.

Hábito de frutificação da ameixeira japonesa

O conhecimento a respeito do hábito de frutificação da ameixeira é importante no manejo da poda. A ameixeira japonesa frutifica sobre esporões curtos (órgãos especializados de frutificação), tendendo à aglomeração de gemas frutíferas, ocasionando florescimento em cacho; e ramos mistos (apresentam gemas frutíferas e gemas vegetativas uma ao lado da outra), diferentemente da ameixeira europeia que frutifica exclusivamente sobre esporões.

Devido ao seu hábito de frutificação, as ameixeiras japonesas possuem condução semelhante à dos pessegueiros, no sistema de condução em taça aberta e submetida a podas anuais, ocasionando a renovação periódica e o aparecimento de ramos mistos todos os anos.

Época de realização das podas

A melhor época para a realização das podas dependerá de alguns fatores, como o clima da região (inverno mais ou menos rigoroso, por exemplo), localização geográfica do terreno e tamanho do pomar. No entanto, para a ameixeira podemos dividir em basicamente duas épocas principais de realização de podas: podas de verão e podas de inverno.

A poda de verão (ou poda verde) é realizada durante o período de vegetação, florescimento, frutificação e maturação dos frutos. Seu objetivo é arejar a copa, melhorar a insolação e qualidade dos frutos, além de minimizar a intensidade dos cortes na poda de inverno.

Inclui as operações de desponte (retirada de ramos compridos a fim de propiciar o desenvolvimento de ramos inferiores), desbrota (supressão de brotos laterais improdutivos), desfolha (eliminação de folhas com a finalidade de arejamento, iluminação, focos de pragas e doenças), esladroamento (ramos “ladrões“ que prejudicam o desenvolvimento da planta), desbaste ou raleio dos frutos (supressão de quantidade de frutos antes da maturação fisiológica a fim de promover melhora na qualidade dos frutos, evitar quebra de ramos, além de uma colheita uniforme).

Já a poda de inverno (ou frutificação), realizada de junho-agosto, período de dormência da planta em regiões de inverno mais brando inicia-se em junho, enquanto que em regiões de muito frio, com ocorrência de geadas tardias, a poda pode ser realizada até meado de setembro.

Deve-se atentar que a poda feita antes do período de dormência estimulará o consumo de parte das reservas de carboidratos e comprometerá a produtividade futura. Por outro lado, se executada após as brotações, reduzirá o vigor da planta. Sua prática deve ser, preferencialmente, no terceiro ano, a fim de que a planta acumule reserva no tronco e raízes, promovendo boa frutificação.

No florescimento se faz a poda de verão - Crédito Pixabay
No florescimento se faz a poda de verão – Crédito Pixabay

Tipos de podas

Os tipos de podas consistem em: poda de formação, frutificação, limpeza e rejuvenescimento.

A poda de formação é realizada após o estabelecimento da fruteira no campo, nos primeiros anos de vida da cultura, conforme a condução desejada para a planta. Na ameixeira japonesa a conformação é no sistema de taça ou vaso (conduz a planta com três ou quatro pernadas, desbrotadas até a planta atingir um metro de altura, permitindo daí em diante as brotações das gemas laterais).

A finalidade dessa poda proporciona à planta uma altura de tronco (do solo às primeiras ramificações da copa) e uma estrutura de ramos adequada à exploração frutícola, além de uma copa arejada e com iluminação adequada, simetria e distribuição equilibrada da frutificação.

A poda de produção fornece condições para a planta produzir melhor. É iniciada após a copa encontrar-se formada, em geral 30 dias antes da florada. A poda de limpeza consiste na retirada de eventuais ramos doentes, quebrados, secos, praguejados, mal localizados ou inconvenientes. É executada em todo o ciclo vegetativo da planta.

Já a poda de rejuvenescimento tem a finalidade de renovação da planta. É uma poda mais radical, em alguns casos utilizada em pomares abandonados com plantas velhas ou com a intenção de eliminação de ataque intenso de pragas ou parasitas. Consiste no corte das pernadas principais a 40 cm do solo e, com isso, estimula a brotação de novos e mais vigorosos ramos.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de abril 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Irrigação evita replantio de mudas

Luana Keslley Nascimento Casais Graduanda em Agronomia pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) luana.casais@gmail.com Luciana da Silva Borges Doutora, professora na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)...

Propagação e preparo das mudas de acerola

Quando queremos produzir mudas de acerola, desejamos que a muda tenha a mesma produção de frutos, a mesma quantidade de vitamina C, polpa e sabor iguais à da planta mãe. E se usarmos as sementes dos frutos da acerola para fazer a muda, nem sempre esta poderá ter as mesmas características citadas anteriormente.

Bambu conquista o mercado

  Produção de móveis e fabricação de varas de pesca estão entre as opções   Ainda pouco explorado no Brasil, o bambu tem aos poucos conquistado os...

Alface – Não deixe pendoar

Fábio Akiyoshi Suinaga Pesquisador da área de Melhoramento de Plantas da Embrapa Hortaliças O pendoamento na alface é a expressão da fase reprodutiva dessa espécie. O...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!