24.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiPodridão negra das brássicas - Doença mais que destrutiva

Podridão negra das brássicas – Doença mais que destrutiva

 

Jucilayne Fernandes Vieira

Vanessa Nogueira Soares

Pós-doutorados – Universidade Federal de Pelotas

Antonio Carlos Souza Albuquerque Barros

Doutor e professor da Universidade Federal de Pelotas

 

Créditos: Jucilayne Fernandes Vieira
Créditos: Jucilayne Fernandes Vieira

A podridão negra é uma das doenças mais importantes nos cultivos de brássicas no Brasil e no mundo. É responsável por perdas de produção e qualidade em culturas como repolho, couve- flor, brócolis e couve-manteiga, canola, nabo, mostarda, crambe, entre outras, sendo esse problema ainda maior em regiões com umidade e temperatura elevadas.

A doença é causada pela bactéria conhecida como Xanthomonascampestrispv. campestris (Xcc), que sobrevive em sementes, tanto na superfície quanto no interior das sementes. Além disso, a bactéria sobrevive em restos culturais de plantas doentes, em plantas daninhas e em plantas hospedeiras.

Disseminação

Sementes ou mudas contaminadas são responsáveis pela disseminação dessa bactéria a longas distâncias, porém, a curtas distâncias ela é transmitida de uma planta para outra, e dentro da lavoura, por respingos de água de chuva ou de irrigação, pelo vento, insetos e também por ferramentas e equipamentos contaminados durante os tratos culturais.

Epidemias da podridão negra são favorecidas por umidade e temperatura elevadas, entre 28 e 30°C, sendo o risco de infecção maior em períodos de dias quentes e noites com temperaturas mais brandas. Além disso, é necessário a presença de água na folha, que favorece a penetração da bactéria na planta.

A penetração ocorre através de aberturas naturais (estômatos e hidatódios) ou por ferimentos na parte aérea. A doença pode se manifestar em qualquer época durante o desenvolvimento das plantas.

Sintomas da podridão negra em couve-flor - CréditosJucilayne Fernandes Vieira
Sintomas da podridão negra em couve-flor – CréditosJucilayne Fernandes Vieira

Sintomas e perdas

Os sintomas são comuns a todas as espécies hospedeiras, e podem ser observados em todos os estádios de desenvolvimento. Quando a infecção ocorre nas plântulas, os cotilédones apresentam os bordos escurecidos, ocorrendo queda prematura.

Nas folhas de plantas infectadas é possível observar a formação de lesões de coloração amarela e em forma de “V“ que progridem em direção à nervura central, podendo causar a necrose da mesma.

Subdesenvolvimento, murcha, queda prematura das folhas e apodrecimento das plantas infectadas são sintomas que estão associados a casos mais severos dessa podridão, que exala cheiro forte.As perdas causadas pela podridão negra das brássicas podem ultrapassar 50% da produção.

Manejo da Podridão Negra

O controle da doença é difícil, porém, pode ser alcançado com uso de sementes e mudas livres da doença, variedades resistentes e práticas culturais que reduzem a disseminação do patógeno na lavoura, como a eliminação de plantas daninhas e a rotação de culturas.

Tratamento de sementes

O tratamento térmico das sementes em água quente entre 50-52ºC por 20-30 minutos pode ser usado, embora, em alguns casos, possa afetar a germinação e vigor das sementes. A termoterapia via calor seco, a 75ºC por 5-7 dias é igualmente eficiente e sem nenhum efeito adverso na germinação.

O uso de antibióticos como tratamento preventivo é outra possibilidade de controle, bem como a aplicação de fungicidas cúpricos, tais como a calda bordalesa, que pode ser eficiente para proteção no campo.

O tratamento de sementes com hipoclorito de cálcio, na concentração de 0,5% por 15 minutos, apresenta resultados satisfatórios.

Trabalhos de pesquisa recentes apontam outras possibilidades de tratamento, como o tratamento seco por 16 horas com hipoclorito de cálcio na proporção de 10 a 20g do princípio ativo por quilo de sementes e o uso de desinfetante à base de ácido lático e hipoclorito de sódio por 30 a 60 minutos.

Manejo na produção e no campo:

ðUtilização de sementes certificadas;

ðO uso de variedades de brássicas resistentes ou tolerantes é importantíssimo;

ð Os viveiros e novas plantações devem ser estabelecidos longe (≥400m) dos campos com culturas mais velhas e em locais sem incidência da doença;

ðOs viveiros devem apresentar uma pequena elevação em relação ao nível normal do solo e ter boa drenagem;

Ã°É aconselhável estabelecer vários canteiros pequenos em detrimento a um canteiro grande, especialmente quando são usadas diversas variedades ou sementes provenientes de lotes diferentes;

Essa matéria completa você encontra na edição de setembro da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Tratamento de sementes de soja no manejo integrado de fitonematoides

  Daniel Cassetari Neto Doutor e professor da UFMT/FAMEV/DFF, Cuiabá " MT cassetari@ufmt.br Andréia Quixabeira Machado Engenheira agrônoma, MSc. e fiscal estadual de Defesa Agropecuária e Florestal - INDEA/MT machadoaq@terra.com.br   Entre...

Irrigação em cenários de escassez hídrica

  Edmar José Scaloppi Doutor em Engenharia de Irrigação e professor da UNESP edmar@fca.unesp.br   A água para irrigação representa a maior proporção entre tantos outros usos competitivos....

Aminoácidos melhoram o enraizamento das mudas de café

Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo, Msc. e doutorando em Agronomia na Universidade Federal de Uberlândia (UFU) ferbacilieri@zipmail.com.br Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma e doutora em...

Algas melhoram o teor de ºBrix do limão

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!