23.3 C
São Paulo
segunda-feira, julho 4, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Polímero em semente: o filme que protege seu negócio

Polímero em semente: o filme que protege seu negócio

 

Crédito Ana Maria Diniz
Crédito Ana Maria Diniz

A semente é o principal insumo na agricultura moderna e necessita de proteção. O tratamento de sementes é a ferramenta com melhor relação custo-benefício no uso de tecnologias para proteção de plantas contra pragas e doenças. Nas novas tecnologia utiliza-se de polímeros como revestimento que consiste em uma camada cobrindo a semente juntamente alguma substância com finalidade fitossanitária ou nutricional. Neste aspecto, o polímero é um facilitador das condições para os produtos fitossanitários atuarem.

Suas propriedades possibilitam melhor aderência dos produtos à semente, e garantem que ela sofra menos ações das condições ambientais quanto à degradação do produto. Márcio Fernandes Peixoto, entomologista e professor do Instituto Federal Goiano de Rio Verde, explica que os resultados são a melhoria da liberação do ativo em termos de uniformidade no solo e ao longo do tempo, melhorando as condições de absorção do sistema radicular para otimizar o efeito do produto, maximizando o potencial dos ingredientes ativos.

Como funciona

O polímero já vem incluso no tratamento de semente e age como um adesivo. Esse adesivo proporciona uma cobertura durável permeável a água, de liberação gradual e, quando utilizado adequadamente, praticamente não interfere nas características fisiológicas da semente.

Márcio Fernandes Peixoto, entomologista e professor do Instituto Federal Goiano de Rio Verde - Crédito Luize Hess
Márcio Fernandes Peixoto, entomologista e professor do Instituto Federal Goiano de Rio Verde – Crédito Luize Hess

Segundo Márcio Peixoto, a tendência atual de uso dos polímeros é no tratamento industrial de sementes (TIS), que inclui todo o pacote de produtos cobrindo a semente. “A boa tecnologia, hoje, não permite mais a realização do tratamento de sementes na propriedade, geralmente desuniforme. Assim, é mais correto e adequado adquirir a semente com o tratamento industrial“, pontua o profissional. Acrescenta, ainda, que na propriedade rural há o risco de injúrias de embebição, primeiro processo de germinação.

Vantagens do tratamento

O tratamento industrial de sementes evita problemas ambientais, intoxicação dos operadores, e como os polímeros são distribuídos uniformemente na semente por mecanismo industrial, a cobertura da semente fica bem melhor do que nos tratamentos realizados nas propriedades rurais, sendo precisa a quantidade de produtos aderidos à superfície da semente. Durante o tratamento de sementes na propriedade é comum ocorrer intoxicação dos operadores ao manipular os agrotóxicos ou equipamentos e ao utilizar TIS evita-se a produção de poeira e aspiração de gazes tóxicos, normalmente observado nessas operações.

Além disso, acrescenta Márcio Peixoto, no tratamento com o uso de polímeros, a maioria dos produtos fitossanitários podem ser adicionados (fungicidas, inseticidas e nutrientes) às sementes.

O que você ainda não sabe

O polímero é inerte em termos de fitossanidade. O especialista informa que suas propriedades físico/químicas melhoraram a ação e o período de atuação dos produtos fitossanitários na semente e no solo.

A dica que Márcio Peixoto dá para melhorar a eficiência do tratamento de industrial de semente é o produtor não mexer na semente – apenas semeá-la. “Como a distribuição foi uniforme, se o produtor misturar algo a mais nessa semente, ele corre o risco de perder a qualidade do tratamento. Caso queira acrescentar alguma substância que não veio no tratamento de sementes, a opção que o produtor tem é adicionar na pulverização em sulco“, ensina. Enfatiza que algumas pragas de solo carecem de manejo complementar ao TIS em razão do comportamento no solo e baixa eficiência dos produtos aderidos à semente.

 Crédito Fábio Alberto
Crédito Fábio Alberto

Opções

Há, no Brasil, várias unidades e centros de tratamentos de sementes que atendem as necessidades peculiares de cada produtor (região), principalmente para as culturas da soja, milho e algodão.

Quanto às hortaliças, as sementes de alta qualidade já vêm peletizadas, tecnologia que também tem os citados polímeros. Há, também, quem faça o tratamento de sementes sem o uso de polímeros. Nesse caso, o risco de perder a eficiência do tratamento fitossanitário é maior“, pontua Márcio Peixoto.

Custo-benefício

Segundo o profissional, diante dos benefícios garantidos pelos polímeros, seu custo é irrisório, além de eliminar riscos que o produtor correria com a semente “nua“. “Quanto à nutrição, por ser otimizada com os polímeros, a planta pode até produzir mais. E em relação às pragas e doenças, a planta terá melhores condições para seu desenvolvimento e por estar bem protegida e preservar o estande. A garantia do estande pode resultar em até cinco a dez sacas a mais na produtividade, e rendimento de 10 a 20%“, calcula. A proteção das plântulas garante o estabelecimento do sistema radicular, fundamental para a planta, principalmente em condições de estresse, condição muito comum atualmente quando se semeia no início do período chuvoso, mas de chuvas esparsas.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de dezembro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui para adquirir já a sua.

 

Inicio Revistas Grãos Polímero em semente: o filme que protege seu negócio