18.6 C
Uberlândia
segunda-feira, maio 27, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioTecnologiaPor que a economia digital está transformando o Agro

Por que a economia digital está transformando o Agro

Tecnologia Digital _ Crédito: Shutterstock

Ao longo da pandemia, o Agronegócio precisou se curvar para a transformação digital para chegar até o consumidor final. Mais do que uma evolução natural, este movimento significou uma necessidade diante do distanciamento físico imposto pela covid-19. Foi neste período que o setor experimentou a adoção de novas tecnologias como alternativa para enfrentar as dificuldades.

E a pandemia não é único desafio que vem motivando a modernização do Agro. Cada vez mais, os produtores são exigidos para produzir volumes maiores, com mais qualidade – já que o Brasil é o quarto maior exportador mundial do setor, atrás somente da União Europeia, Estados Unidos e China. Desta forma, a introdução de tecnologias no campo é fundamental para elevar a produtividade. E, neste cenário, as chamadas agtechs têm ocupado um importante papel.

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups), denoninada Mapeamento Agtech 2021, identificou 299 agtechs ativas no Brasil, a maioria (72,6%) desenvolvendo tecnologias voltadas a auxiliar a produção e a gestão agrícola. O levantamento mostrou que os investimentos nestas startups atingiram US$ 26,1 bilhões em todo o mundo, em 2020 – um aumento de 15,5% na comparação com o ano anterior. 

O desenvolvimento de novas tecnologias e a gradual transformação digital no Agro têm melhorado muito as condições de plantio e comercialização. As perdas no setor diminuíram significativamente graças à utilização de softwares, drones, sensores e afins, além, é claro, do aumento de produtividade amplamente observado.

Muitos aplicativos foram lançados com a finalidade de auxiliar o agricultor, bem como soluções que verificam a época mais favorável para plantio e colheita, que mostram e auxiliam no reconhecimento de pragas, entre outras vantagens. Ao conectar máquinas para tratar diferentes tipos de informações, é possível obter dados mais completos que se tornam importantes tanto para o pequeno quanto para o grande produtor.

O aumento de produtividade com o apoio da tecnologia se faz necessário principalmente por conta da estimativa de crescimento da população mundial, que é de 9,6 bilhões de pessoas em 2050, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Para alimentar esse contingente, a produção atual de alimentos precisa aumentar 70%.

Tendo em mente a adoção de inovações no campo, os números do Brasil são bem animadores com relação a essa questão. As Projeções do Agronegócio – Brasil 2018/2019 a 2028/2029, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, estimam que em dez anos a produção brasileira de grãos deve atingir 300 milhões de toneladas, sinalizando um crescimento de 26,8% em relação à safra atual. E o aumento será justamente por conta dos índices de produtividade, uma vez que, no mesmo período, a área plantada crescerá apenas 15,3%, com 72 milhões de hectares.

O mesmo relatório indica que, ao final desta década, serão produzidos 33 milhões de toneladas de carne de frango, bovina e suína, variação que representa um aumento de 27,3%. Segundo as projeções, há forte tendência de redução de área de pastagem nos próximos anos e também da mão de obra ocupada no campo.

Apesar das boas perspectivas, sabemos da imensa diversidade do nosso país, com todas as suas dificuldades e desigualdades regionais que levam muitos produtores rurais a ter receio de abandonar suas práticas tradicionais. O acesso à internet é ainda precário em certas localidades, por isso há falta de suporte técnico. Mas, aos poucos a agricultura familiar vai se transformando e resistindo, envolvendo-se na transformação digital tanto quanto os grandes produtores..

Além da necessidade de manter valores competitivos, baixar custos de produção, eles já perceberam que necessitam se adaptar para conseguir vender seus produtos. O período mais difícil da pandemia permitiu que os agricultores que ainda não tinham modernizado suas produções e vendas conseguissem se atualizar e testar as novas possibilidades que o online fornece.

A expectativa é que, depois da pandemia, o uso de tecnologias inovadoras no campo aumente ainda mais. Esse será um legado que permanecerá para o futuro, apoiando a subsistência de novas gerações.

*Bianca Ticiana é cofundadora da Culte.

ARTIGOS RELACIONADOS

BASF premia 17 sojicultores do Brasil por alta produtividade

Na safra 2020/21, o Brasil deve manter o título de maior produtor de soja do mundo, com a estimativa de 135 milhões de toneladas. Na safra passada, foram mais de 133 milhões de toneladas de soja produzidas no país de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

4ª edição do Mosaico do Agronegócio debaterá sustentabilidade e inovações no setor

Por Nestor Tipa Júnior/AgroEffective Entre os dias 8 e 10 de junho deste ano a SIA, Serviço de Inteligência em Agronegócios, e o Senar-RS,...

Uso de tecnologia de ponta

O agronegócio brasileiro é um dos poucos setores que não sofreu com a pandemia do novo coronavírus

Startup leva solução de assinatura digital para o agro

O Grupo Siagri, que desenvolve tecnologia para agronegócio, lançará até o fim do primeiro semestre deste ano a startup Assinei. O novo empreendimento do grupo fornecerá...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!