23.3 C
São Paulo
terça-feira, julho 5, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Hortifrúti Por que investir na amontoa da batata?

Por que investir na amontoa da batata?

 

 

Carlos Ragassi

Pesquisador da Embrapa Hortaliças

Crédito Tiago Costa
Crédito Tiago Costa

A amontoa é o processo em que o solo é movimentado e direcionado para a base das plantas de batata em ambos os lados da fileira de plantas, formando um camalhão com cerca de 30 cm de altura.

A finalidade é estimular o desenvolvimento das raízes e de um maior número de hastes e estolões, além de proteger os tubérculos contra o sol para evitar o esverdeamento, que os tornam impróprios para o consumo. Além disso, a operação da amontoa é extremamente importante para o controle do mato durante o ciclo da cultura. É, também, uma operação que ‘afrouxa’ ou alivia a resistência do solo, proporcionando um melhor desenvolvimento do sistema radicular e dos tubérculos, que necessitam se expandir.

Erros comuns

Os erros mais comuns no processo de amontoa são:

ÃœChegamento de volume de solo insuficiente para cobrir a planta e acomodar o desenvolvimento completo dos tubérculos, condição em que o número de hastes pode se tornar baixo (uma ou duas hastes por planta) e os tubérculos acabam ficando expostos ao sol, o que causa seu esverdeamento;

Ãœ Excessivo dano às plantas, que ocorre quando elas são atingidas pelo equipamento utilizado na amontoa ou por torrões muito grandes de solo, que são sinal de um manejo de solo inadequado, com consequente redução do seu teor de matéria orgânica e degradação de suas propriedades físicas;

Ãœ Realização tardia da amontoa, que causa grande prejuízo ao desenvolvimento da planta (que já está muito grande) e baixo número de novas hastes produzidas, visto que o tubérculo-semente já se encontra esgotado, com poucas reservas e incapaz de sustentar o desenvolvimento de um grande número de hastes.

Além disso, o processo da amontoa, quando não realizado adequadamente, pode provocar ferimentos nas raízes e na parte aérea das plantas, abrindo as portas para uma série de patógenos, como os que causam a rizoctoniose, murcha-bacteriana, podridão-seca e podridão-mole.

Manejo correto

A amontoa deve ser realizada de forma que uma leira de terra de 30 a 35 cm de altura, com um formato de trapézio (base mais larga que o topo) seja alocada de forma centralizada sobre a linha de plantio, permitindo alojar adequadamente a planta e os tubérculos após seu completo desenvolvimento.

No momento da amontoa é, também, realizada a adubação de cobertura, rica em nitrogênio e potássio. A operação de amontoa proporciona uma excelente incorporação do adubo ao solo, melhor aproveitamento pela planta e evita efeitos prejudiciais da salinidade do próprio adubo pelo efeito de diluição no volume de solo revolvido.

A amontoa estimula o desenvolvimento das raízes - Crédito Ana Maria Diniz
A amontoa estimula o desenvolvimento das raízes – Crédito Ana Maria Diniz

Quando começar

A amontoa tradicional é realizada aproximadamente aos 25-30 dias após o plantio, quando as hastes das plantas apresentam de 25 a 30 cm de altura. Dependendo da intensidade das chuvas e do estado vegetativo da cultura, pode ser feita uma segunda amontoa aos 60 dias de plantio para evitar que os tubérculos sejam expostos à luz e fiquem esverdeados, tornando-os inadequados ao consumo.

Também é comum e muito interessante a antecipação da amontoa, realizando-se o primeiro processo logo após a emergência dos primeiros brotos, com vantagens em relação à diminuição nos danos causados às plantas, visto que elas estão menores.

A realização da amontoa logo após a germinação abre menos portas para a entrada de patógenos, se comparada à realização com a planta já grande. Para proteger a parte do caule que será coberta durante esta operação mecanizada, é comum realizar a pulverização das plantas com fungicidas cúpricos imediatamente antes da amontoa.

A operação de amontoa é feita mecanicamente em áreas comerciais, tipicamente superiores a 10 ha. Para essa operação mecanizada podem ser utilizados sulcadores, que cavam o solo entre as linhas empurrando-o em direção às linhas, fresadoras ou equipamentos rotativos que revolvem o solo da entrelinha, amontoando-o sobre a linha de plantio.

Para áreas relativamente pequenas, tais como as de produção visando à venda direta ao consumidor em feiras ou cestas de hortaliças, é comum observar a realização de amontoa manualmente, com uso de enxadas. No entanto, trata-se de uma operação manual altamente desgastante e dificilmente a altura de terra necessária é atingida.

Diferenciais

A produção de batata sem a realização de amontoa é muito rara, já que a produtividade pode ser reduzida e o número de tubérculos esverdeados pode aumentar muito quando essa operação deixa de ser realizada.

Isso acontece porque o número de tubérculos produzidos é altamente dependente do número de hastes da planta. Por sua vez, o número de hastes, embora seja influenciado principalmente pelo tamanho e condições do tubérculo-semente utilizado, é também altamente influenciado pela operação de amontoa.

Ocorre que quando o processo de brotação dos tubérculos-semente se inicia, diversos brotos começam a surgir na sua superfície e a própria natureza fisiológica desse processo faz com que o broto mais forte predomine sobre os demais. O crescimento do broto mais forte passa a ser estimulado, enquanto o crescimento dos demais brotos passa a ser inibido.

Essa matéria completa você encontra na edição de julho de 2018 da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Ou assine

Inicio Revistas Hortifrúti Por que investir na amontoa da batata?