19 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesPotencial da palmeira macaúba

Potencial da palmeira macaúba

Ageu da Silva Monteiro FreireEngenheiro florestal, mestre em Ciências Florestais e doutorando em Engenharia Florestal – Universidade Federal do Paraná (UFPR)ageufreire@hotmail.com

Amanda Brito da Silvaamandab_silva12@hotmail.com

Joaquim Custódio Coutinhojoaquimcustodiocoutinho@gmail.com

Engenheiros florestais e mestres em Ciências Florestais – UFPR

Macaúba – Crédito: Daniela Collares

Nas últimas décadas, a pressão por políticas ambientais impulsionou a busca pela substituição de combustíveis fósseis, como o petróleo, carvão mineral e gás natural. Esses tipos de combustíveis têm sua formação em milhões de anos, sendo ainda vantajoso por existirem em abundância, entretanto, são uma fonte esgotável.

Além disso, a utilização acarreta em prejuízos para o meio ambiente e a saúde humana, principalmente por causa da poluição do ar, da água e do solo. Com isso, os biocombustíveis veem sendo uma das principais alternativas para substituir os combustíveis fósseis, sendo renováveis e menos prejudiciais ao meio ambiente e à saúde humana, por reduzirem significativamente a emissão de gases poluentes.

Produzidos por meio de óleos de origem vegetal ou animal, as pesquisas cresceram nos últimos anos, buscando sempre aquelas com maior potencial. O Brasil apresenta uma grande diversidade de espécies na sua flora, muitas das quais possuem escassez de informações sobre seus aspectos químicos, biológicos e ecológicos. Entre essa biodiversidade, podemos descrever a palmeira macaúba como promissora, analisando as pesquisas sobre a espécie nos últimos anos.

Biocombustíveis no Brasil

[rml_read_more]

Os combustíveis renováveis são pesquisados desde o início do século XX no Brasil. A Petrobras, no ano de 2020, informou que está trabalhando com o aumento da porcentagem de biocombustíveis no diesel. Hoje, a porcentagem de conteúdo renovável é de 12% e até 2023 pretende-se aumentar a porcentagem para 15%.

De acordo com a estatal brasileira, esse tipo de combustível traz mais qualidade, competição e sustentabilidade para o segmento de combustíveis no país. Mas, o que é o diesel renovável? Nada mais é do que um biocombustível avançado, que reduz a emissão de poluentes e melhora o desenvolvimento dos motores.

Apesar de ser um produto inovador no Brasil, ele já é bastante consumido na Europa e nos Estados Unidos, representando uma média de 15% da produção total. Esse novo produto apresenta mais estabilidade térmica e oxidativa, como também reduz cerca de 15% das emissões de gases de efeito estufa, quando comparada ao biodiesel éster.

Em outras palavras, aumenta-se a vida útil de veículos e reduz-se, por consequência, o custo com transportes. E, por ser compatível com novos veículos, o lançamento de contaminantes metálicos é ausente e há redução de emissão de poluentes.

Para breve

A nova fase da legislação brasileira de emissões, a fase P8 do Proconve (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores), será introduzida no Brasil em 2022/23 e exigirá os mesmos limites de emissões usados nos Estados Unidos e Europa.

Em função dos contaminantes metálicos, há um limite máximo para o biodiesel éster no óleo diesel rodoviário na Europa (7%) e nos Estados Unidos (5%), como também para o óleo diesel comercializado para transportes.

Encontram-se muitas vantagens no uso dos biocombustíveis, podendo-se elencá-la como uma tecnologia que mais se desenvolve no mundo, sendo uma das áreas com grande expectativa de geração de empregos.

Os biocombustíveis reduzem ainda a nossa necessidade no uso de combustíveis fósseis, um dos principais elementos usados para o aumento da concentração de gases poluentes do efeito estufa na atmosfera, como também, pode estender a vida útil das máquinas, já que aumenta o tempo de troca do filtro do motor, e outras peças relacionadas à combustão.

Origem

Existem várias espécies vegetais aqui no Brasil das quais se pode produzir biocombustíveis, sendo as principais a cana-de-açúcar (Saccharum officinarum), a mamona (Ricinus communis), o dendê (Elaeis guineenses), o girassol (Helianthus annuus), o babaçu (Orbignya phalerata), o amendoim (Arachis hypogaea), o pinhão manso (Jatropha curcas) e a soja (Glycine max).

Além disso, a Embrapa indica a macaúba como potencial alternativa na produção de biocombustível, podendo ser melhor até do que a soja e o dendê.

Macaúba e seus benefícios

A família Arecaceae representa a família das palmeiras, principalmente no Brasil, sendo conhecidas pelo seu valor econômico no uso das diferentes partes das plantas. Entre essas palmeiras, está a macaúba, que pode ser conhecida por outros nomes populares, principalmente por estar localizada em vários Estados brasileiros e em países vizinhos.

Conforme as informações do programa Reflora, a espécie tem utilização em construções rurais e as folhas podem ser usadas para confecção de redes, linhas de pesca e cestos.

A palmeira pode atingir mais de 15 m de altura, podendo se adaptar a diferentes climas e solos. Além disso, os frutos apresentam alto teor de óleo, com potencial na indústria de biocombustíveis, de alimentos, farmacêutica e de cosméticos.

O potencial econômico da macaúba é advindo dos seus produtos, que são diversos. O principal produto que tem sido introduzido no mercado financeiro é o seu óleo para a produção de biocombustíveis, pois possui uma produção de 24 toneladas de frutos/ha, correspondendo ao número expressivo de 4,8 toneladas de óleo/ha.

Também pode ser usado nos setores medicinal, cosmético e alimentício (Cetec, 1983). Não menos importante, o tegumento dessa palmeira também é utilizado para a produção do carvão ativado (Silva et al., 1986).

Esta palmeira apresenta uma produtividade média geral de 114,1 kg/planta/ano, com 45,6 toneladas/hectare de cachos para uma densidade de cultivo de 400 plantas/hectare, isso para as regiões avaliadas.

O rendimento médio do óleo pode atingir 4,0 toneladas de óleo/hectare/ano da polpa e 0,8 tonelada de óleo/hectare/ano da amêndoa. Esses valores são superiores ao rendimento das oleaginosas mais utilizadas para extração de óleos, como a soja, a mamona, o girassol, o algodão e o amendoim, que apresentam produtividade média de 1,0 tonelada óleo/hectare/ano.

Nesse contexto, a macaúba se torna uma alternativa de grande potencial para produção sustentável de biocombustíveis (Pousa et al., 2007).

Importância socioeconômica

Outro fator muito importante da cultura da macaúba é sua importância socioeconômica, uma vez que faz parte do extrativismo familiar. Esse sistema de extrativismo rende baixa produtividade no cultivo dessa palmeira ou pelo cultivo de populações heterogêneas, o que causa dificuldades de manejo e colheita (Manfio et al., 2012; Motta et al., 2002; Wandeck e Justo, 1998).

Contudo, esses pequenos agricultores podem ser beneficiados com projetos para inclusão social e desenvolvimento da região por meio da geração de emprego e renda. Estes são os princípios básicos das ações direcionadas do biodiesel, a criação de rotas de tecnológicas e matérias-primas utilizadas para produção e consumo.

A macaúba é uma palmeira com grande potencial de uso, sendo empregada em diversos segmentos, como alimentares, cosméticos e energéticos, e não deixa resíduos inaproveitáveis (Lobato, 2014). Em contrapartida, por não possuir uma cadeia produtiva bem estruturada, como por exemplo a sazonalidade e maturação irregular dos frutos no cacho, isso resulta na baixa qualidade do óleo.

Outro fator importante a ser considerado é a exploração por extrativismo, o que gera uma irregularidade tanto na colheita quanto no armazenamento dos frutos. Tudo isso tem amplificado sua reduzida participação no mercado brasileiro de biodiesel (Nobre et al., 2014).

O Brasil é um dos principais países capaz de alcançar alternativas para substituir os combustíveis fósseis e a macaúba é uma espécie com potencial significativo na produção de biocombustíveis.

Viabilidade do cultivo

Algumas alternativas para viabilizar esse cultivo são:

• Criação de políticas governamentais para solidificar a produção comercial, ajudando a estabelecer seu uso de fins energéticos;

• Planejamento dos plantios de macaúbas, podendo ser associados a outras espécies;

• Investimento em mais pesquisas para esclarecer não só a importância dessa cultura, como também os mecanismos que envolvem sua produção e extração de óleo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Melancia: Brasil é o quarto maior produtor

A melancia (Citrullus lanatus), pertencente à família Cucurbitaceae e ...

O que o Brasil ganha com a nova lei dos pesticidas?

A nova lei dos pesticidas traz avanços significativos para o Brasil, garantindo maior segurança alimentar, proteção da saúde pública e preservação do meio ambiente.

Características das cultivares brasileiras de maçã

  Marcus Vinícius Kvistschal Frederico Denardi Maraisa Crestani Hawerroth Pesquisadores da Epagri O Brasil conseguiu desenvolver, e apresenta ao consumidor brasileiro e internacional maçãs com características que agradam aos...

MANN-FILTER anuncia novos produtos para maquinário agrícola, construção e compressores

Novos itens do portfólio atendem às exigências dos motores mais modernos A MANN-FILTER, fabricante mundial de filtros , atualizou sua linha de produtos para maquinários...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!