25.9 C
Uberlândia
terça-feira, julho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasPotencial da silvicultura para o Brasil

Potencial da silvicultura para o Brasil

O Brasil possui 5.102.030 de hectares plantados com eucalipto para energia e siderurgia (18%), celulose e papel (71%), madeira industrializada (7%) e usos diversos (4%). As espécies de pinus ocupam 1.562.782 ha, destinados para celulose e papel (61%), madeira industrializada (21%) e usos diversos (18%), segundo dados da Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas (ABRAF, 2013).

De acordo com o mesmo estudo, a área ocupada por plantios florestais de espécies não convencionais, como acácia, araucária, pópulus, teca, seringueira e paricá, entre outras, foi de 521.131 ha, representando 7,2% da área total de plantios florestais no Brasil.

Entretanto, a associação que faz esse estudo anualmente não consegue computar os pequenos produtores que estão investindo nas espécies tropicais não convencionais, como mognos africanos, cedro australiano, entre outras; portanto, é muito provável que a área plantada com essas espécies seja, no mínimo, o dobro.

Madeira nobre

Das espécies listadas pela Abraf, apenas a teca é considerada nobre. Além desta, o doutor em Agronomia e professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Lísias Coelho, inclui as espécies brasileiras mogno, cedro, guanandi, entre outras, e as exóticas cedro australiano e mognos africanos, que estão em voga. “Outras espécies têm sido testadas em pequena escala, mas ainda não ganharam a mesma notoriedade“, acrescenta.

Demanda de plantio

Segundo Arthur Netto, consultor da InvestAgro Reflorestamento, as espécies que mais têm chamado a atenção do produtor de florestas, atualmente, apresentam alto valor de mercado, resistência a pragas e manejo de baixo custo, tais como guanandi, mogno africano, teca etc. “É importante ressaltar que são plantios de longo prazo e o produtor precisa realizar um planejamento financeiro para evitar dificuldades até o momento do corte. A exemplo, alguns produtores fazem o plantio misto utilizando o eucalipto para sustentar seu fluxo de caixa“, esclarece.

 

Mitos sobre o eucalipto

  • O eucalipto, comparado a outras culturas, apresenta eficiência no aproveitamento da água: normalmente, suas raízes não ultrapassam 2,5 metros de profundidade e não conseguem chegar aos lençóis freáticos, quase sempre localizados em profundidades bem maiores. Portanto, a água que o eucalipto dispõe para seu desenvolvimento é retirada da camada superficial do solo.
  • O eucalipto empobrece o solo: pesquisas independentes já mostraram os efeitos benéficos do eucalipto sobre diversas propriedades do solo, como estrutura, capacidade de armazenamento de água, drenagem e aeração, entre outras.
  • Quase tudo o que o eucalipto tira do solo, ele devolve: após a colheita, cascas, folhas e galhos, que possuem 70% dos nutrientes da árvore, permanecem no local e se incorporam ao solo como matéria orgânica. Além de contribuir para a reposição (ciclagem) de nutrientes, a espessa camada de resíduo florestal auxilia no controle da erosão.
ARTIGOS RELACIONADOS

Potássio melhora a frutificação do mamoeiro

  Aureliano Nogueira da Costa Engenheiro agrônomo, doutor em Solos e Nutrição de Plantas e pesquisador do Incaper aureliano@incaper.es.gov.br A fertilidade do solo e a nutrição de plantas...

Agro Comercial Wiser – Tecnologia e qualidade em primeira mão

A Agro Comercial Wiser Ltda tem como finalidade oferecer produtos de alta tecnologia e qualidade, que atendam às necessidades e desejos de seus clientes...

Análises de solo e de folha – O sucesso para uma nutrição equilibrada e sustentável

Dentre os diversos fatores que influenciam o crescimento e desenvolvimento das culturas, a disponibilidade de nutrientes é decisiva para obtenção de altas produtividades. Produção abaixo da esperada, muitas vezes está associada à utilização de solos de baixa fertilidade, ao suprimento e fornecimento inadequado de nutrientes durante o ciclo da cultura.

O estande uniforme de batatas – Como alcançar?

Douglas José Marques Professor de Olericultura, Genética e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano (Unifenas) douglas.marques@unifenas.br Hudson Carvalho Bianchini Professor de Fertilidade do Solo daUnifenas No...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!