30.2 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesPreparo do solo

Preparo do solo

Anne Carolline Maia LinharesLicenciada em Ciência Agrárias e doutoranda em Ciência do Solo – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)anemaia-16@hotmail.com

Maria Idaline Pessoa Cavalcanti Engenheira agrônoma e doutoranda em Ciência do Solo – UFPB idalinepessoa@hotmail.com

Solo – Crédito: Tiago Tamiozzo

A agricultura depende diretamente dos fatores climáticos, como temperatura, precipitação pluviométrica, radiação solar, umidade relativa, umidade do solo, etc. A ocorrência de mudanças na variabilidade do clima, na ocorrência de eventos extremos (secas mais prolongadas, chuvas torrenciais ou ainda o aumento na frequência de ondas de calor) gera consequências econômicas, sociais e ambientais nas diversas regiões do País.

As alterações na produção agrícola, tanto pelo aumento da produção devido ao efeito fertilizador de carbono por meio de maiores concentrações de CO2 atmosférico como por alterações no ciclo produtivo, devido à mudança no número de graus-dia, ou pela ocorrência e severidade de pragas e doenças, poderão afetar a economia interna, gerando uma nova geografia da produção (Deconto et al., 2008; Jesus Junior et al., 2008).

Com isso, alguns fatores podem afetar diretamente todo o ciclo produtivo das culturas. A temperatura é um dos principais fatores climáticos que influencia o crescimento e o desenvolvimento das plantas, visto que afeta todas as reações bioquímicas da fotossíntese.

Desta maneira, os aumentos na temperatura de até 5,8ºC poderão afetar a duração do ciclo de cultivo, a retenção final de vagens, a qualidade dos frutos por meio do acúmulo de açúcares e a coloração, além de provocar o abortamento de flores, entre outros (Angeotti, 2011).

A precipitação pluviométrica, segundo dados do IPCC (2007), possui os maiores graus de incerteza sobre a variação para os cenários futuros. O aumento da concentração de dióxido de carbono também afetará o aparato fotossintético das plantas em geral, podendo ser benéfico na produção de biomassa (Angeotti, 2011).

Assim, percebe-se que o setor agropecuário se destaca como um setor particularmente sensível aos efeitos das mudanças climáticas. Em vista da heterogeneidade espacial das mudanças climáticas e seus efeitos sobre a rentabilidade das atividades agrícolas, é de se esperar importantes variações regionais nas estratégias de adaptação dos produtores rurais.

Manejo do solo

Quando bem manejado, o solo garante aos diferentes cultivos um suporte melhor às adversidades climáticas. Assim, deve-se considerar que os solos não são renováveis na escala de tempo humana e que o manejo inadequado resulta em erosão acelerada, com perdas de solo, nutrientes, água e matéria orgânica, que prejudicam a capacidade produtiva dos solos (Morgan & Nearing, 2011)

É necessário, então, implementar sistemas agrícolas que possam melhorar a pecuária e alimentar a população de forma sustentável.

Na identificação desses sistemas, é crucial saber que as atividades de manejo do solo que aumentam a produção agrícola são benéficas ou, pelo menos, não afetam negativamente a qualidade do solo e do meio ambiente em áreas agrícolas e/ou de pastagem.

Além disso, esses sistemas também têm um papel vital no sequestro de CO2 atmosférico, retenção de água no solo, e, portanto, podem promover a mitigação das mudanças climáticas, uma vez que, geralmente, em sistemas agropecuários sustentáveis, o solo atua como um sumidouro para emissões de gases de efeito estufa (Tammeorg et al., 2017)

Conservação do solo

[rml_read_more]

Para conservar o solo é preciso compreender que não existe uma forma única para isso, pois cada um tem suas próprias características. Portanto, deve-se conhecer as particularidades da área a ser conservada, da vegetação presente, assim como algumas características da região para entender qual é a melhor técnica a ser aplicar.

Assim, de acordo com o CATI (2014), dentre as principais estratégias utilizadas para conservação do solo, pode-se considerar as práticas conservacionistas. De acordo com a Embrapa (2019), esse sistema de conservação reúne um complexo de tecnologias de caráter sistêmico para preservar e restaurar ou recuperar os recursos naturais com o manejo integrado do solo, da água e da biodiversidade compatibilizados com o uso de insumos externos.

Práticas conservacionistas

Entre as principais práticas conservacionistas, podemos destacar: 

ð Plantio direto na palha (PDP): é um sistema de produção em que se evita a perturbação do solo, mantendo sua superfície sempre recoberta por resíduos (palha) e/ou vegetação. Considerando as suas premissas básicas, pode-se afirmar que o PDP é, hoje, a melhor tecnologia agrícola disponível, aplicável a praticamente todas as culturas comerciais, inclusive a cana-de-açúcar e culturas perenes.

É, também, a que mais se aproxima das condições em que a natureza opera. Traz em sua essência a busca pelo equilíbrio do ecossistema, possibilitando para a agricultura a autossustentação em termos econômicos, sociais e ambientais. Propicia a melhoria da infiltração e retenção de água, a oxigenação, a redução da amplitude térmica, a manutenção da umidade, a reciclagem de nutrientes e a riqueza biológica.

Remete, ainda, à redução dos custos de mecanização e mão de obra, ao menor consumo de combustíveis fósseis e à maior eficiência no uso da água e dos insumos CATI (2014).

ð Sistema de Integração entre agricultura, pecuária e floresta (ILP, ILPS e SAF): são sistemas de cultivos que integram a produção de grãos, fibras, madeiras, carnes, leite e/ou agroenergia em uma mesma área. Nesses sistemas, o cultivo de grãos, a exploração de pastagens e a produção de arbóreas é realizado em consórcio, em rotação ou em sucessão, de forma planejada, para benefício das interações ecológicas e econômicas resultantes da diversidade de espécies.

Além da conservação do solo, incluindo o controle da erosão e a melhoria de suas propriedades, esses sistemas objetivam promover a sustentabilidade da produção agropecuária, a diversificação de atividades e o bem-estar animal CATI (2014).

Aos seguir esses preceitos e medidas preconizados pela agricultura conservacionista, o produtor rural contribui para a estabilidade da atividade, para a economia do País e o bem-estar das gerações futuras, pois esses princípios visam à sustentabilidade da atividade agrícola, conservando o solo, a água, o ar e a biota dos agroecossistemas, além de prevenir a poluição, a contaminação e a degradação dos ecossistemas e demais sistemas do entorno, reduzir o uso de combustíveis fósseis e contribuir para amenizar a emissão de gases de efeito estufa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mudanças climáticas afetam contratos internacionais de milho

Produtores estão tendo que realizar 'washouts' em acordos de vendas firmados no mercado ...

Manejo de plantio de cebola

Cebola: a cultura, as inovações genéticas e as principais doenças e pragas

Cenário atual da cultura da batata e os principais desafios

A batata é um dos alimentos mais consumidos do planeta e o tubérculo é plantado em mais de 130 países, cobrindo cerca de 20 milhões de hectares, que resultam na produção de mais de 400 milhões de toneladas de batatas por ano.

Cogumelo Shimeji: como plantar e conduzir

Atualmente, o mercado de fungos movimenta cerca de US$ 35 bilhões no mundo ao ano e a expectativa é de que este ramo deva crescer até 9% em 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!