Preparo do solo

0
70

Anne Carolline Maia LinharesLicenciada em Ciência Agrárias e doutoranda em Ciência do Solo – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)anemaia-16@hotmail.com

Maria Idaline Pessoa Cavalcanti Engenheira agrônoma e doutoranda em Ciência do Solo – UFPB idalinepessoa@hotmail.com

Solo – Crédito: Tiago Tamiozzo

A agricultura depende diretamente dos fatores climáticos, como temperatura, precipitação pluviométrica, radiação solar, umidade relativa, umidade do solo, etc. A ocorrência de mudanças na variabilidade do clima, na ocorrência de eventos extremos (secas mais prolongadas, chuvas torrenciais ou ainda o aumento na frequência de ondas de calor) gera consequências econômicas, sociais e ambientais nas diversas regiões do País.

As alterações na produção agrícola, tanto pelo aumento da produção devido ao efeito fertilizador de carbono por meio de maiores concentrações de CO2 atmosférico como por alterações no ciclo produtivo, devido à mudança no número de graus-dia, ou pela ocorrência e severidade de pragas e doenças, poderão afetar a economia interna, gerando uma nova geografia da produção (Deconto et al., 2008; Jesus Junior et al., 2008).

Com isso, alguns fatores podem afetar diretamente todo o ciclo produtivo das culturas. A temperatura é um dos principais fatores climáticos que influencia o crescimento e o desenvolvimento das plantas, visto que afeta todas as reações bioquímicas da fotossíntese.

Desta maneira, os aumentos na temperatura de até 5,8ºC poderão afetar a duração do ciclo de cultivo, a retenção final de vagens, a qualidade dos frutos por meio do acúmulo de açúcares e a coloração, além de provocar o abortamento de flores, entre outros (Angeotti, 2011).

A precipitação pluviométrica, segundo dados do IPCC (2007), possui os maiores graus de incerteza sobre a variação para os cenários futuros. O aumento da concentração de dióxido de carbono também afetará o aparato fotossintético das plantas em geral, podendo ser benéfico na produção de biomassa (Angeotti, 2011).

Assim, percebe-se que o setor agropecuário se destaca como um setor particularmente sensível aos efeitos das mudanças climáticas. Em vista da heterogeneidade espacial das mudanças climáticas e seus efeitos sobre a rentabilidade das atividades agrícolas, é de se esperar importantes variações regionais nas estratégias de adaptação dos produtores rurais.

Manejo do solo

Quando bem manejado, o solo garante aos diferentes cultivos um suporte melhor às adversidades climáticas. Assim, deve-se considerar que os solos não são renováveis na escala de tempo humana e que o manejo inadequado resulta em erosão acelerada, com perdas de solo, nutrientes, água e matéria orgânica, que prejudicam a capacidade produtiva dos solos (Morgan & Nearing, 2011)

É necessário, então, implementar sistemas agrícolas que possam melhorar a pecuária e alimentar a população de forma sustentável.

Na identificação desses sistemas, é crucial saber que as atividades de manejo do solo que aumentam a produção agrícola são benéficas ou, pelo menos, não afetam negativamente a qualidade do solo e do meio ambiente em áreas agrícolas e/ou de pastagem.

Além disso, esses sistemas também têm um papel vital no sequestro de CO2 atmosférico, retenção de água no solo, e, portanto, podem promover a mitigação das mudanças climáticas, uma vez que, geralmente, em sistemas agropecuários sustentáveis, o solo atua como um sumidouro para emissões de gases de efeito estufa (Tammeorg et al., 2017)

Conservação do solo

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.