30.2 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosProdução de cana pode diminuir até 60%

Produção de cana pode diminuir até 60%

Cana – Créditos: shurtterstock

A história brasileira passa pela cana-de-açúcar. A primeira muda da planta chegou ao “mundo novo” pelas mãos portuguesas há 489 anos e começou a ser cultivada na capitania de São Vicente, hoje parte do Estado de São Paulo. Mas foi na região Nordeste que as plantações se espalharam. Sinônimo de riqueza naquela época, o açúcar feito com a cana até hoje tem importância fundamental para a economia brasileira, movimentando cerca de R$ 55 bilhões.

“Atualmente, a cana é plantada em uma área equivalente a 10,1 milhões de estádios de futebol. São mais de 750 milhões de toneladas colhidas anualmente, quase sete vezes mais do que o registrado em levantamentos feitos na década de 1970”, destaca o presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), Julio Borges, com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esses números, que tendem a se superar a cada ano, rendem ao Brasil o título de maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, com 40% da colheita global, à frente de potências como a Índia e a China. O apontamento é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês). E esse produto agrícola não serve apenas para alimentação ou para a produção de bebidas, mas também para produção de combustível de alta qualidade.

“Nesse cenário, porém, nem tudo são boas notícias. Afinal, pragas, doenças e plantas daninhas tiram o sossego dos produtores rurais. Especialmente em épocas mais secas, as daninhas são um perigo iminente, pois causam competição por água e nutrientes. Sem tratamento, a braquiária, o capim-colchão, o capim-colonião e a corda-de-viola podem reduzir até 60% da produção, um prejuízo potencial de R$ 32,8 bilhões”, afirma a diretora executiva do Sindiveg, Eliane Kay.

E não são apenas as ervas daninhas que colocam em risco a garapa, acompanhante inseparável dos pastéis de feira. São igualmente preocupantes doenças fúngicas como a podridão-abacaxi (Thielaviopsis paradoxa), a ferrugem alaranjada (Puccinia kuehnii) e marrom (Puccinia melanocephala), assim como insetos – broca da cana-de-açúcar e as cigarrinhas das raízes e das folhas. Todos esses problemas estão presentes nas lavouras de todo o país.

“A solução para essas ameaças altamente impactantes para a economia e a sociedade brasileira é proteger os canaviais. A indústria, por meio da ciência e da tecnologia, está empenhada em auxiliar os agricultores a vencer mais esses desafios. Temos recursos modernos para controlar pragas, doenças e daninhas, que se espalham facilmente devido ao clima tropical e, rapidamente, podem criar resistência”, salienta Eliane Kay.

Eliane aponta que defensivos, usados de forma correta e segura, protegem a cana sem causar prejuízo à qualidade do cultivo e à segurança dos derivados oferecidos à população. “Antes de serem comercializadas, as soluções são testadas e submetidas a um longo e rigoroso processo de avaliação, que leva em média 5 anos até a liberação para uso. Essa é a garantia de que esses insumos são benéficos para agricultores, comerciantes e consumidores”, finaliza.

Produção regional

Cerca de 57% da produção nacional de cana-de-açúcar está concentrada no Estado de São Paulo, que produz 425,6 toneladas ao ano, segundo o IBGE. Em seguida, o ranking tem Goiás (10% da colheita total), Minas Gerais (9,7%), Mato Grosso do Sul (6,9%), Paraná (5,5%), Mato Grosso (3,1%), Alagoas (2,5%), Pernambuco (1,6%), Paraíba (0,72%) e Bahia (0,69%). Todas os demais Estados, além do Distrito Federal, também têm canaviais.

Informações de qualidade

O Sindiveg disponibilizou de forma gratuita uma plataforma de ensino à distância (com certificado) para os interessados em conhecer melhor o universo dos defensivos agrícolas, tão essenciais para garantir alimentos na mesa da população e o sucesso da economia. O portal também conta com curso sobre a relação entre agricultura e apicultura, uma ação do programa Colmeia Viva. Basta se inscrever no site treinamentos.sindiveg.org.br.

Sobre o Sindiveg

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) representa a indústria de produtos para defesa vegetal no Brasil há 80 anos. Reúne 27 associadas, distribuídas pelos diversos Estados do País, o que representa aproximadamente 40% do setor. Com o objetivo de defender, proteger e fomentar o setor, o Sindiveg atua junto aos órgãos governamentais e entidades de classe da indústria e do agronegócio pelo benefício da cadeia nacional de produção de alimentos e matérias-primas. Entre suas principais atribuições estão as relações institucionais, com foco em um marco regulatório previsível, transparente e baseado em ciência, e a representação legitima do setor com base em dados econômicos e informações estatísticas. A entidade também atua fortemente para promover o uso correto e seguro, levando conhecimento e educação aos produtores e respeitando meio ambiente, leis e normas. Para mais informações, acesse www.sindiveg.org.br.

ARTIGOS RELACIONADOS

Com safra praticamente encerrada, Centro-Sul segue com moagem defasada e venda de hidratado aquecida

A quantidade de cana-de-açúcar processada pelas usinas e destilarias do Centro-Sul atingiu 2,56 milhões de toneladas na segunda quinzena de dezembro de 2017. No acumulado...

Mercado de defensivo biológico cresce 20% ao ano

Pedro Faria Jr. Presidente da ABCBio   O controle biológico não deixa resíduos nos alimentos e os produtos com ativos microbiológicos são de baixa toxicidade ao aplicador...

Produção de algodão deve crescer 20,3%

A área plantada brasileira de algodão deverá alcançar 1,53 milhão de hectares na safra 21/22, um aumento de 12,6% com relação ao ciclo anterior, que totalizou...

VII Simpósio de Cana do GAPE/ESALQ

VII Simpósio de Cana do GAPE/ESALQ discute o mercado e as novas tecnologias do setor sucroenergético no País   “O que esperar do mercado de açúcar...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!