26.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosProdução de energia com resíduos da agropecuária

Produção de energia com resíduos da agropecuária

Produção de energia com resíduos da agropecuária Crédito Embrapa Agroenergia
Produção de energia com resíduos da agropecuária Crédito Embrapa Agroenergia

No Brasil, a biomassa é a principal fonte de energia renovável. Ela gera calor, energia elétrica e pode ser transformada em biocombustível sólido como briquetes, resultante da compactação de resíduos vegetais, por exemplo. Como somos um dos maiores produtores agrícolas e florestais do mundo, a quantidade gerada de biomassa residual pode e deve ser melhor aproveitada, especialmente na forma de briquetes e péletes.

“Os briquetes podem ser produzidos a partir de qualquer resíduo vegetal“, explicaJosé Dilcio Rocha, pesquisador da Embrapa Agroenergia.Dentre os materiais utilizados para produzir os briquetes o pesquisador cita a serragem e restos de serraria, casca de arroz, sabugo e palha de milho, palha e bagaço de cana-de-açúcar, casca de algodão, casca de café, soqueira de algodão, feno ou excesso de biomassa de gramíneas forrageiras, cascas de frutas, cascas e caroços de palmáceas, folhas e troncos das podas de árvores nas cidades.

Os briquetes possuem diâmetro superior a 50 mm e substituem a lenha em muitas aplicações, inclusive em residências (lareiras e churrasqueiras), hotéis (geração de vapor), em indústrias (uso em caldeiras) e estabelecimentos comerciais como olarias, cerâmicas, padarias, pizzarias, lacticínios, fábricas de alimentos, indústrias químicas, têxteis e de cimento.

Do ponto de vista econômico, o pesquisador alerta para a realização de um plano de negócio. Já do ponto de vista ambiental, ele afirma que a tendência é se tornar um bom ou excelente investimento.

Produção de peso

No Brasil são produzidos cerca de 1,2 milhão de toneladas de briquetes por ano. Destes, 930 mil toneladas são de madeira e 272 mil toneladas de resíduos agrícolas. A taxa de crescimento da demanda de briquete é de 4,4% ao ano, o que demonstra a importância potencial no mercado de energia renovável, segundo atesta o pesquisador.

Fábrica de briquetes

Durante a Dinapec 2015, a oficina sobre briquetes incluiu a visita a uma empresa de Campo Grande (MS), que produz briquetes, a Eco Esfera Indústria e Comércio de Artefatos de Madeiras. No local os visitantes tiveram a oportunidade de acompanhar a linha de produção, ver o funcionamento das máquinas, etapas da fabricação e tirar dúvidas com o proprietário Glauco Silva, um adepto da preservação do ambiente.

“O briquete tem alto poder calorífico e produz pouca fumaça“, diz Glauco. “É um produto 100% reciclado, feito de madeira com baixo teor de umidade. Produzimos o industrial feito em forma de bolachas e o em forma de tarugos de 5 a 10 centímetros de diâmetro e 40 centímetros de comprimento, para utilização em fornos de padarias e pizzarias e também para uso doméstico. É um combustível ecologicamente correto, substituindo a lenha“.

Segundo ele, o poder de calor do briquete é de 5.000 Kcal/kg e o da lenha 750 kcal/kg, sendo que uma tonelada de briquete corresponde a três árvores altas preservadas ou sete metros cúbicos de madeira.

O pesquisador da Embrapa Agroenergia, José Dilcio, que ministrou a oficina de briquetes pela primeira vez na Dinapec 2015, gostou da receptividade do público. Disse que a Dinapec é aconchegante e uma feira tecnológica interessante e que a Embrapa tem tudo para dar um salto ainda maior neste tipo de ação.

Essa matéria você encontra na edição de maio da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira a sua!

ARTIGOS RELACIONADOS

Nova variedade de Melancia com sabor e cor mais intensos é apresentada pela Seminis

Os produtores agora contam com a Red heaven, um híbrido precoce, com frutos grandes e cobertura foliar ainda maior do que outras variedades do...

A renovação de cafeeiros em áreas contaminadas

Autores Jade Cristynne Franco Bezerra Engenheira florestal e mestranda em Agronomia/Produção Vegetal – Universidade Federal do Paraná (UFPR) jadefranco9@gmail.com Claudia Maia Andrade  ...

Governo reduz taxas de juros nos financiamentos do Funcafé

A partir de 1° de julho deste ano, as taxas de juros dos financiamentos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) serão reduzidas.

IAC apresenta três novas variedades de cana

O Instituto Agronômico (IAC) apresentou três novas variedades de cana-de-açúcar ao setor ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!