Produção de etanol combustível é a saída para o milhocultor no MT

0
143

Rentabilidade cresce quando destinado para este novo consumo

Crédito Fernando Gomes
Crédito Fernando Gomes

A colheita do milho no Estado do Mato Grosso segue em ritmo acelerado e a previsão é colher 19,872 milhões de toneladas, ante as 16,835 milhões de toneladas registradas em 2014. Este número indica, mais uma vez, o MT como o principal produtor do cereal no Brasil.Mas, enquanto a produção aumenta, o preço é achatado, gerando desânimo, pois, a remuneração não está de acordo com os gastos dos produtores rurais.E para somar, os custos com logística para levar o milho ao mercado consumidor, acabam não compensando. Diante deste quadro é natural que o agricultor busque alguma solução para agregar valor à sua propriedade e dar sentido aos seus investimentos na produção do cereal.

  A produção de etanol a partir do milho é uma opção de empreendimento viável e rentável para o produtor deste estado brasileiro. Isto porque, vaiaumentar a valorização do milho, proporcionando uma nova utilização para o cereal, pois além do combustível, produz outras matérias primas utilizadas em vários segmentos. Vislumbrando este mercado potencial a USI ” Usinas Sociais Inteligentes S/A, empresa que se dedica à pesquisa, produção e comercialização de etanol criou soluções industriais para a obtenção deste combustível a partir do milho.Tendo como parceiros a CHS e a Novozymes, a USI formatou um arranjo comercial com foco no Produtor Rural. Este arranjo oferece a possibilidade de instalação de usinas com capacidade de produção diária de até 100 mil litrosde etanol combustível (utilizandoaproximadamente 4.350sacos/dia ou 1,5 milhão de sacos/ano), utilizando como matéria prima o milho para o Centro-Oeste do País.

  Diferenciais – Com este arranjo a USI quer proporcionar um aumento da renda líquida e sustentável ao produtor, consorciando a produção rural com o resultado da biorefinaria. Ao mesmo tempo, a empresa oferece a garantia de 100% da comercialização do etanol, através da cooperativa americana, CHS, uma das maiores trandings do mundo, com o recolhimento do combustível diretamente da propriedade.A USI também faz a atualização tecnológica permanente nos processos de produção através da Novozymes. E para melhorar ainda o pacote tecnológico e comercial, a empresa ofereceo assessoramento em todas as etapas necessárias para o licenciamento da biorefinaria junto à Agência Nacional do Petróleo ” ANP e completo acompanhamento para a obtenção de financiamento junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Social ” BNDES, através do fornecimento de todo o plano de viabilidade financeira.

      Conforme o presidente da USI, Francisco Mallmann, a proposta é agregar valor ao saco de milho produzido no MT. Ele explica que uma saca de milho gera 23 litros de etanol e 16 quilos de DDGs(para ração animal). Fazendo a conta, 1lt de etanol = R$ 1,50, que resultará em = R$ 34,50 (1sc x 23lt x R$ 1,50). Já 1kg de DDGs = R$ 0,45, que resultará em = R$ 7,20 (1sc x 16kg x R$ 0,45). Ao final, o produtor vai receber bruto por saca de milho, cerca de R$ 41,70. “Em outras palavras, o projeto da USI propõe oferecer, através das usinas, a produtores, cooperativas, associações e/ou empresas, uma solução para o aumento da renda com a produção de etanol (combustível renovável), alimentação animal e biofertilizantes, buscando uma atividade sustentável e com preservação do meio ambiente“, finaliza Mallmann.