24.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiProdução de feijão-vagem no Brasil

Produção de feijão-vagem no Brasil

Produzido principalmente por pequenos produtores, o Brasil produz 57 mil toneladas de feijão-vagem

Vagem - Crédito Embrapa
Vagem – Crédito Embrapa

Vagem - Crédito Embrapa (11)

Vagem - Crédito Embrapa
Vagem – Crédito Embrapa
Vagem - Crédito Embrapa
Vagem – Crédito Embrapa
Vagem - Crédito Embrapa
Vagem – Crédito Embrapa
Vagem - Crédito Embrapa
Vagem – Crédito Embrapa
Vagem - Crédito Embrapa
Vagem – Crédito Embrapa
Vagem - Crédito Embrapa
Vagem – Crédito Embrapa
Vagem - Crédito Embrapa
Vagem – Crédito Embrapa
Vagem - Crédito USP
Vagem – Crédito USP

O feijão-vagem, feijão-de-vagem ou simplesmente vagem, como é conhecido, é um alimento consumido em diversos países. Estima-se que a produção mundial esteja em torno de 6,5 milhões de t/ano (FAO, 2010), sendo a China o principal produtor, seguida por Indonésia e Turquia.

No Brasil, ocupa a sexta posição em volume produzido, com produção de 56 mil t/ano e consumo de 0,7 kg/pessoa/ano (SIDRA, 2006; CEASA, 2010). O feijão-vagem pertence à mesma família e espécie botânica do feijão comum (Phaseolus vulgaris L.) e é uma hortaliça da qual são consumidas as vagens ainda imaturas.

A região Sudeste do Brasil produz cerca de 37 mil t/ano de feijão-vagem, sendo o estado do Rio de Janeiro responsável por 21% dessa produção. No Rio de Janeiro, a média de comercialização de feijão-vagem, somando-se todas as unidades de revenda da Central de Abastecimento (CEASA) é de, aproximadamente, 600 t/mês (CEASA, 2010).

Portanto, a demanda é maior que a oferta. Isso indica que o cultivo de feijão-vagem é uma opção rentável para os pequenos produtores do norte e nordeste fluminense.

De fato, o feijão-vagem é uma boa alternativa para ser usada no período de entressafra de outras olerícolas, tanto em ambientes protegidos como não protegidos, pois, além de aproveitar as estruturas de tutoramento e a adubação residual, serve para quebrar o ciclo de algumas doenças, constituindo uma boa oportunidade para diversificar a produção.

Produtividade

A maior produtividade dessa hortaliça é favorecida por temperaturas do ar na faixa de 18 a 30 °C durante o ciclo de desenvolvimento, não tolerando temperaturas elevadas, nem geadas. No período entre a diferenciação dos botões florais e o enchimento dos grãos nas vagens, as altas temperaturas reduzem o número de vagens por planta, devido à esterilização do grão de pólen com consequente queda das flores.

Embora algumas pesquisas estejam sendo desenvolvidas no Brasil, refletindo em melhorias no manejo e na produtividade dessa cultura, o melhoramento de características de interesse agronômico e de qualidade do grão tem sido praticado, de certo modo, empiricamente.

Características próprias

O feijão-vagem é planta originária do México e da Guatemala. Para alguns, a Ásia tropical também é aceita como local de origem dessa espécie. O que diferencia o feijão-vagem dos outros feijões é o fato de o grão ser colhido ainda verde e ser consumido juntamente com a vagem.

É uma leguminosa da família das Fabaceae, assim como o feijão-fradinho, a ervilha, a soja, o feijão-preto e a fava italiana. A exploração comercial consiste no aproveitamento direto das vagens ainda tenras que são consumidas in natura ou industrializadas.

O uso mais comum da vagem inteira ou picada, após ligeiro cozimento, é a salada temperada com óleo, sal e vinagre. Mas pode ser usada também em saladas mais elaboradas, juntamente com folhas verdes ou, ainda, numa salada de maionese, bem como em tortas, sopas, refogados, cozidos e omeletes.

As vagens, além de serem fontes de vitaminas A, B1, B2 e C, são ricas em fósforo, potássio e fibras. Por se adaptarem a clima seco e quente, preferindo temperaturas entre 15 e 30 °C, os preços mais elevados do produto ocorrem, normalmente, de junho a setembro.

Fontes: Novo Manual de Olericultura ” Fernando Antônio Reis Filgueira/Centrais de Abastecimento (CEASA)/Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF)

Essa matéria completa você encontra na edição de Junho da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Faça sua assinatura agora.Capa HF Junho

ARTIGOS RELACIONADOS

VitalForce – A força que faltava na sua lavoura

  Pelo segundo ano a VitalForce se fez presente na Femagri. “Temos uma parceria com a Cooxupé, com a qual trabalhamos alguns produtos diretamente no...

Algas antiestressantes para o feijoeiro

Podemos considerar os extratos de algas também como agentes antiestressantes. E com ação no feijão. Confira.

Corteva Agriscience lança Zorvec®

Zorvec® Entido® e Zorvec® Encantia® possuem um modo de ação inovador, oferecendo consistência e controle mesmo em condições climáticas desafiadoras.

Silício – Arma poderosa contra nematoides de solo

Carla Verônica Corrêa Doutoranda em Agronomia/Fisiologia Vegetal e Metabolismo Mineral " UNESP cvcorrea1509@gmail.com Luís Paulo Benetti Mantoan Doutorando em Ciências Biológicas/Fisiologia Vegetal - UNESP   São diversos os gêneros...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!