23.3 C
São Paulo
terça-feira, julho 5, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Produção de mudas de café em tubete

Produção de mudas de café em tubete

 

Maurício Dominguez Nasser

Pesquisador científico – APTA Regional Alta Paulista ” Adamantina/SP

mdnasser@apta.sp.gov.br

Produção de mudas de café em tubete - Crédito Maurício Nasser
Produção de mudas de café em tubete – Crédito Maurício Nasser

As principais formas de produzir mudas de café conhecidas por todas as áreas brasileiras de produção são duas: as mudas produzidas em sacolas plásticas ou saquinhos, e as mudas produzidas em tubetes.

Comparando com as mudas de saquinho preto e flexível, os tubetes são recipientes de plástico rígido e preto que suportam as mudas de café que serão usadas no plantio.

O tubete pode ser utilizado várias vezes para produção de mudas, sendo que a quantidade de substrato utilizada é menor, assim como o espaço ocupado pelas mudas no transporte e no viveiro, especialmente em relação àquelas produzidas em saquinhos plásticos.

As vantagens são a diminuição de custos para os viveiristas (produtor das mudas) e para o comprador das mudas, que vai carregar mais mudas de café para o campo, no mesmo espaço de antes.

Produzidas em tubetes, as mudas ficam suspensas no viveiro, o que facilita os tratos culturais diários. As raízes que se desenvolvem nos tubetes são direcionadas para baixo do recipiente, e ao encostarem no fundo aberto do tubete, as raízes são “podadas naturalmente“, evitando a mão de obra para essa operação. Já as mudas de saquinho acabam tendo suas raízes em contato com o solo.

Além disso, como os tubetes são mais leves, eles podem facilmente ser transportados no momento do plantio, sendo que uma pessoa pode carregar mais mudas para posicioná-las na cova de plantio. E assim, ao fim de um dia de plantio, o plantador pode apresentar um rendimento superior a 30%, ou seja, se no saquinho ele planta 200 a 250 mudas por dia, no tubete pode ultrapassar 325 mudas.

Ainda, a cova feita no solo é menor, sendo que rapidamente o operador acomoda a muda. E, caso o produtor tenha a plantadora de mudas, o tubete estará perfeitamente adaptado a esta tecnologia.

Manejo das mudas em tubete

O mais importante no manejo das mudas em tubete é que elas estejam em sintonia com o campo. Em síntese, devemos pensar que quando o solo estiver preparado para o plantio, as mudas também devem estar prontas, e para isso as mudas devem estar com quatro pares de folhas formadas.

Se passarem deste estádio de desenvolvimento, as mudas que estão no viveiro começarão a sentir a falta de água com mais frequência, o que pode refletir num maior custo de replantio das mudas no campo, aumentando os custos.

Lembrando que os tubetes mais recomendados para mudas de café devem ter capacidade de volume de substrato de, no mínimo, 120 mL.

Custo

O custo depende da situação atual de cada produtor, e de quanto ele quer plantar. O custo para produzir mudas em tubetes é maior em relação às mudas de saquinho, pois envolve, no mínimo, um viveiro com instalação de estruturas de suporte para as mudas, o que não é obrigatório no sistema de produção em mudas de saquinho. E, após o plantio no campo, os tubetes devem ser devolvidos ao produtor desta muda.

O investimento será pago em função do próprio mercado que o café se encontra. Isso quer dizer que quando o preço da saca de café está bom, o retorno é mais rápido. Provavelmente, na primeira ou segunda colheita do café, os custos de formação da lavoura com as mudas estará pago.

Essa matéria você encontra na edição de fevereiro da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira a sua.

 

Inicio Revistas Grãos Produção de mudas de café em tubete