18.1 C
São Paulo
quinta-feira, agosto 11, 2022
-Publicidade-
Inicio Destaques Produção de mudas de seringueira em substrato

Produção de mudas de seringueira em substrato

 Fernanda Aparecida Nazário de CarvalhoGraduanda em Engenharia Florestal – Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG)fernandacarvalhonaz@gmail.com

Gildriano Soares de OliveiraEngenheiro agrônomo e professor de Engenharia Florestal – IFMGgilsoaresoliveira@yahoo.com.br

Gabriela Mayrinck Fontes CupertinoEngenheira florestal e mestranda em Ciências Florestais – Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)gabriela.mayrinck01@gmail.com

Ananias Francisco Dias JúniorEngenheiro florestal, doutor em Ciências e professor do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira – UFESananias.dias@ufes.br

Mudas de Seringueiras – Créditos Shutterstock

A seringueira é uma espécie nativa da Amazônia (no Brasil, Peru, Bolívia e Venezuela), sendo conhecida mundialmente por ser a maior fonte de borracha natural, utilizada para fabricar diversos produtos. É por meio do látex, que é transformado em borracha, que se pode fabricar vários produtos com essa base, como o pneu, as luvas cirúrgicas e uma ampla gama de utilizações industriais e bélicas.

Ocupando cerca de 14 milhões de hectares de floresta plantada mundialmente, a seringueira (Hevea brasiliensis) é uma das espécies arbóreas nativas mais plantadas mundialmente. Essa grande extensão é justificada pela grande importância da espécie para os processos, tanto de produção quanto os ecológicos, como o reflorestamento permanente e o sequestro de carbono.

Critérios

Com uma série de benefícios econômicos e ambientais, a preocupação com o sucesso no plantio da espécie se faz necessária. Para que a cultura de seringueira tenha um bom desempenho em sua implantação, produção e utilização, devemos considerar algumas qualidades importantes, como: a rastreabilidade das sementes, de mudas e borbulha, qualidade genética; sanidade superior, sistema radicular com alto vigor e um pegamento mais eficiente quando as mudas são levadas a campo.

Sendo o substrato um dos condicionantes mais importantes para a obtenção dessas características, ele condiciona características físicas e químicas rentáveis, favorecendo o desempenho satisfatório das mudas.

Vale ressaltar a importância deste substrato ser abundante na região do plantio, fazendo com que, assim, seja economicamente viável ao produtor. Além disso, aproveitar os resíduos das atividades agropecuárias e agroindustriais para a composição de substratos tem sido uma solução viável para a muda e para a redução dos impactos ambientais, contribuindo economicamente com o produtor.

Cuidados com a instalação do viveiro

O ambiente ideal para a produção de mudas é o viveiro. E para que essas mudas tenham qualidade, é importante se atentar a alguns fatores. O viveiro poderá ser um ambiente semiprotegido (com sombrite), a pleno sol ou protegido por uma estufa, que é a situação mais indicada para regiões frias.

É importante, para que não ocorra nenhum dano físico ou fisiológico à planta, a bancada suspensa, tendo como altura mínima 40 cm acima do solo. Quando as mudas são produzidas e colocadas em contato direto com o solo, existem grandes riscos de que ocorra um atrito radicular, de modo a “arrebentar” a raiz, devido à possibilidade de sua aderência ao solo, entre outras situações, como o contato com as pragas existentes ali.

Tipos de propagação

A propagação da cultura da seringueira pode acontecer de maneira sexuada ou assexuada, sendo respectivamente via seminal e enxertia. Quando se trabalha com sementes, é de grande valia se atentar a todos os processos, que vão desde a coleta das sementes até o seu plantio.

As sementes de seringueira são recalcitrantes, ou seja, não toleram armazenamento, sem perder parte de seu percentual germinativo. Se coletadas de maneira adequada e colocadas para germinar no tempo imediato, apresentarão taxas de germinação superiores a 80%. As sementes coletadas e armazenadas no tempo de 30 dias podem perder até 50% de seu teor germinativo.

O método de enxertia é realizado comumente utilizando a técnica da borbulhia por placa, nomeado de acordo com a utilização das placas que são retiradas de hastes clonais, tendo casca de cor verde ou marrom.

Na enxertia verde ocorre o aproveitamento dos porta-enxertos mais juvenis, enquanto na enxertia marrom, que é a convencional, retiram-se as placas com gemas dormentes e de hastes maduras.

Qual tipo de substrato utilizar?

Para a produção dessas mudas e porta-enxerto, podem ser utilizados vários tipos de substratos, de diferentes texturas, que podem ser escolhidos considerando o manejo aderido ao viveiro. Mas, qual o melhor tipo de substrato que garante o melhor desempenho das mudas de seringueira?

Pesquisas afirmam que é recomendada a utilização de substratos que sejam à base de casca de pinus na mistura de 40% de textura grossa com 60% de textura fina ou um substrato de textura média, tanto para enchimento do tubete quanto para sacolas plásticas, estando sempre atento se o substrato não manifesta a presença de pragas e microrganismos do solo.

Em resumo, o substrato deve ser obtido de uma empresa registrada no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Mas, existem substratos que podem causar efeito contrário nas mudas. Esse é o caso dos substratos compostos por fibra de coco. Esse tipo de substrato, normalmente, causa desequilíbrio nutricional na muda, devido a sua forte tendência de fixar cálcio e magnésio e liberar potássio.

Isso leva a planta a sinalizar com algumas respostas bioquímicas e fisiológicas, que podem ser observadas visualmente, como por exemplo, folhas finas, com pequenos buracos, marco típico da excludência de potássio.

Manejo

A implantação é mais simples do que se imagina. De modo geral, a semente deve ser enterrada, de maneira que fique apenas uma camada suscinta de substrato sobre a mesma.

Existem três maneiras mais eficientes de semeadura que podem ser adotadas. A primeira envolve colocar uma semente por tubete, aguardando 15 dias após sua germinação, para assim transplantar os porta-enxertos mais vigorosos para outro recipiente – as sacolas plásticas.

A segunda técnica requer a colocação de sementes no germinador, tipo cocho de bancada, com substrato. Aguardar 15 dias para realizar a seleção dos porta-enxertos de maior qualidade e vigor, e transferir para as sacolas plásticas.

Na terceira técnica colocam-se cerca de três sementes (considerando as taxas de germinação das mesmas), de modo direto nas sacolas plásticas. Após 40 dias de germinação, realizar o desbaste, utilizando o mesmo critério em que os porta-enxertos, com maior vigor, deverão estar nas sacolas plásticas.

Irrigação

Seu manejo requer bastante atenção quanto à irrigação. Os métodos mais comuns são a microaspersão e o chuveirinho, podendo também aderir ao gotejamento. É necessário que ocorra a irrigação todos os dias no verão, irrigando cerca de uma ou duas vezes.

Já no inverno é interessante que ocorra essa irrigação a cada dois dias. Um erro comum, que pode prejudicar a sua produção, é a utilização de água de represa, ou até mesmo de córrego, sem que a mesma seja tratada.

Recomenda-se que esse tratamento seja realizado com cloro 5 ppm, evitando assim a incidência de pragas de solo, sendo importante adicionar cerca de 300 mL de água por sacola plástica. Também é de grande importância realizar pulverizações com fungicida, quinzenalmente, como uma maneira de prevenção.

Em situações em que ocorrem pragas, é preciso aderir ao uso de inseticidas. Após 60 dias, para obter uma produção vigorosa, deve torna-se rotineiro aderir ao uso de fertirrigações, com intervalos de três dias, sendo as adubações foliares realizadas a cada quinzena.

É preciso atentar-se quando as plantas estiverem com cerca de 12 mm de diâmetro em sua casca. Esse momento também é propício para realização da enxertia, atendo-se à época recomendada, novembro. É válido ressaltar que, no tempo certo de levar a muda a campo, é importante ater-se ao preparo do solo, permitindo que haja um desenvolvimento ideal do sistema radicular e, posteriormente, a antecipação à produção do látex.

Custo-benefício

Os investimentos para uma produção de mudas de seringueira de qualidade não são baixos. O custo operacional efetivo fica em cerca de R$ 10.555,64; sendo que cerca de 67,2% destes custos são destinados à mão de obra. 

Já o custo de produção da seringueira, somado aos preços dos fatores de produção variáveis, teve seu custo operacional total equivalente a R$ 12.457,18/ha e R$ 4,55/kg de coágulo produzido. De forma mais prática, terão que ser produzidos cerca de 2.737,84 kg de coágulo, para suprir os custos totais de produção.

Inicio Destaques Produção de mudas de seringueira em substrato