18.1 C
São Paulo
quinta-feira, agosto 11, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Hortifrúti Produção orgânica do pepino

Produção orgânica do pepino

Carlo Corabi

Engenheiro agrônomo, doutor e consultor técnico da AgroProjetos Consultoria & Projetos

carlo.corabi@agroprojetos.com

 Crédito Miriam Lins
Crédito Miriam Lins

Dentro do grupo dos legumes orgânicos mais comercializados, o pepino(Cucumissativus L., Cucurbitaceae) vem se destacando fortemente no consumo varejista. Isso se deve principalmente às suas características nutricionais e ao seu baixíssimo teor calórico, levando-o a ser cada vez mais valorizado com a crescente preocupação da população pela busca de uma alimentação mais saudável, equilibrada e isenta de produtos químicos potencialmente prejudiciais ao organismo.

Rico em potássio, fibras e com reconhecida propriedade diurética, tem sido indicado como importante componente nas dietas balanceadas e em grande número de saladas. Além disso, com a atual difusão dos sucos “detox“, seu consumo tem aumentado bastante por se tratar de um componente que combina e complementa-se adequadamente com várias outras hortaliças, atribuindo ao mesmo tempo um gosto suave e refrescante na bebida.

A cultura rasteira permite um menor custo e a condução da planta sem poda - Crédito Shutterstock
A cultura rasteira permite um menor custo e a condução da planta sem poda – Crédito Shutterstock

Produção orgânica

Sua produção na forma de manejo orgânico não é tão simples como outras hortaliças, como por exemplo, as folhosas, de maneira geral, exigindo cuidados técnicos e uma condução bastante criteriosa por parte do agricultor.

Embora ainda em fase de disseminação no País, a adoção da cultura orgânica certificada representa um grande avanço na direção de uma alimentação mais saudável, isenta de agroquímicose comprometida com o meio ambiente e com a saúde do agricultor e do consumidor.

Dificuldades

Dentre as principais dificuldades do cultivo, podemos apontar as condições climáticas e edafobiológicas locais, bem como a incidência de pragas e doenças, as quais, em seu somatório, podem até mesmo inviabilizar a produção, caso não sejam amenizadas mediante técnicas adequadas e sustentáveis.

Além disso, como decorrência de manejo inadequado, fatores que afetam o aspecto visual do fruto, como a ocorrência de deformações de ordem nutricional (frutos tortos ou com cintura) e a ocorrência do sintoma da “barriga branca“, que é a falta de pigmentação em determinada região do fruto, podem contribuir substancialmente para a depreciação de seu valor de mercado.

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Condições ideais

O pepino é uma planta basicamente de clima tropical, portanto, adaptada a condições de alta temperatura (20-30ºC), mas adapta-se também a regiões mais amenas e com altitudes mais elevadas, ao redor de 800-1.000m, desde que não sujeitas a frio intenso ou geadas.

O período chuvoso, desde que em condições de drenagem adequadas, favorece uma alta produtividade. Em regiões de baixada os plantios ocorrem principalmente de março a agosto, enquanto que em regiões mais elevadas vão de agosto a abril, dependendo das variações locais e disponibilidade de condições à época.

A incidência de pragas e doenças está entre as principais dificuldades do cultivo - Crédito Claudinei Kappes
A incidência de pragas e doenças está entre as principais dificuldades do cultivo – Crédito Claudinei Kappes

Manejo

Dentro do aspecto botânico, é uma herbácea anual, com hábito de crescimento volúvel, e sendo uma liana (trepadeira) pode ser cultivada na forma rasteira ou conduzida por tutores.

Seu hábito de florescimento é predominantemente monoico, apresentando flores unissexuadas masculinas e femininas, mas esta característica pode variar bastante em variedades melhoradas geneticamente, havendo cultivares no mercado que são basicamente ginoicas, o que otimiza o fluxo metabólico e, consequentemente, gera um substantivo aumento na produção de frutos.

Além deste fator, deve ser considerado o teor de nitrogênio, que além de favorecer o número de flores femininas também reduz o abortamento e auxilia na melhor conformação do fruto. A ocorrência de fertilização por polinizadores (abelhas), embora fundamental para algumas variedades, nem sempre é desejada. Certas variedades, em ambiente aberto, produzem frutos de má conformação e, nestes casos, é indicado o uso de cultivares partenocárpicas, as quais geram frutos sem sementes e com um padrão comercial mais estável.

O pepino pode ser cultivado pelo sistema rasteiro ou tutorado - Crédito Miriam Lins
O pepino pode ser cultivado pelo sistema rasteiro ou tutorado – Crédito Miriam Lins

Variedades

No mercado brasileiro são comercializados basicamente variedades de quatro grupos de pepinos. A preferência de consumo pelos diferentes tipos apresenta variação de acordo com a região e exigências gastronômicas, além da facilidade de produção nas condições climáticas locais. Nas regiões sudeste e sul, os grupos mais cultivados são Aodai, Caipira e Japonês.

Essa matéria completa você encontra na edição de Agosto 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

Inicio Revistas Hortifrúti Produção orgânica do pepino