Produtores apostam no cultivo de feijão para a alimentação escolar

0
294
Divulgação

A comercialização da safra, muitas vezes, é o maior desafio do produtor rural. Em Jequitibá, município que fica a 100 quilômetros de Belo Horizonte, muitos produtores viram nas vendas para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) uma oportunidade certa de comercialização da produção a preço justo. Em 2022, 18 agricultores familiares do município vão fornecer 50 toneladas de feijão carioca (tipo 1) para a alimentação escolar de alunos da rede pública.

O PNAE é um programa do governo federal, que garante que 30% dos recursos para a merenda escolar sejam destinados à compra de gêneros alimentícios produzidos pela agricultura familiar. Em Jequitibá, o trabalho conta com o apoio da Emater-MG e se dá por meio da Cooperativa dos Agricultores Familiares de Jequitibá e Região (Cooperaje), que atualmente tem 68 cooperados, que cultivam alimentos variados.

Força da união

“Antes a gente não tinha incentivo para plantar feijão, pois os preços recebidos eram baixos. Mas com a ajuda da Emater-MG, os produtores se uniram e formaram a cooperativa. Agora com as vendas para o PNAE, temos um preço fixo e rentável, o que motiva os agricultores a plantarem”, comenta o presidente da Cooperaje, Ricardo Falcão. De acordo com a extensionista local da Emater-MG, Marilene Figueiredo, os profissionais da empresa exercem importante papel na assistência técnica à cooperativa, desde a sua criação em agosto de 2013.

O incentivo ao cooperativismo tem como proposta o fortalecimento da agricultura familiar em relação às condições do mercado. Juntos, os pequenos produtores ganham mais poder de barganha nas vendas e na compra de insumos. “Há uns tempos atrás, a gente não tinha para quem vender o feijão, porque nos mercados precisa ter uma grande quantidade de grãos. Com o surgimento da cooperativa e as vendas para o PNAE, melhorou muito para a gente. Podemos plantar sossegados, pois já sabemos para onde irá a produção. E ainda os nossos filhos vão comer na escola um alimento de boa qualidade”, argumenta o agricultor Matuzalém Soares.

Feijão ao gosto do consumidor

O coordenador técnico regional de Culturas da Emater-MG, Walfrido Albernaz, comenta que, no início, os agricultores locais precisaram de informações sobre qual a melhor variedade para conquistar os consumidores e como ter uma lavoura de baixo custo de produção. “Fizemos então uma parceria com a Embrapa para buscar cultivares que eram adequadas ao consumidor da região. Realizamos ainda dias de campo com orientações sobre o cultivo das variedades recomendadas”, lembra Walfrido.

A cooperativa faz a compra das sementes indicadas e repassa aos produtores por um preço inferior ao de mercado. Este ano, a estimativa de produção do grupo (18 agricultores) é de 80 toneladas de feijão. Até o início de junho, a Cooperaje já tinha contrato assinado de venda de 50 toneladas para as prefeituras de Jequitibá, Matozinhos e Sete Lagoas, além de escolas da rede estadual em Jequitibá, Sete Lagoas, Santana de Pirapama e Matozinhos.

Segundo a extensionista da Emater-MG, a cooperativa recebe o feijão dos produtores e é responsável pelo beneficiamento do grão (seleção, limpeza, empacotamento e classificação do produto). “O feijão passa por todo esse processo e vai rotulado para as escolas em atendimento à legislação vigente no país. Então é um alimento plantado em pequenas áreas e por pequenos produtores. Eles se juntam e a cooperativa com sua força consegue colocar no mercado um produto de alta qualidade”, salienta Marilene.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!