21.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasProdutores do Oeste baiano vão recuperar nascentes de rios

Produtores do Oeste baiano vão recuperar nascentes de rios

Produtores do Oeste baiano vão recuperar nascentes de rios
Produtores do Oeste baiano vão recuperar nascentes de rios

Produtores do Oeste baiano se uniram para recuperar as nascentes dos rios existentes na região. O primeiro município beneficiado é São Desidério, que vai receber recursos da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) para recuperação de nascentes em 11 comunidades.

“O Oeste Baiano é uma prova de que é possível produzir em grande escala, atendendo a legislação ambiental e investindo na recuperação e preservação das nossas riquezas naturais“, ressaltou o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, ao assinar, juntamente com o presidente da Aiba, Celestino Zanella, o acordo de cooperação técnica com o prefeito José Carlos de Carvalho.

Produtores do Oeste baiano vão recuperar nascentes de rios
Produtores do Oeste baiano vão recuperar nascentes de rios

Pela parceria firmada, os produtores rurais garantem o aporte financeiro. Em contrapartida, a Prefeitura se responsabiliza pelo projeto e a mão de obra. Ainda este ano, além de São Desidério, os produtores do Oeste vão investir na recuperação das nascentes de rios em Barreiras, Luís Eduardo Magalhães e Correntina. Mas, segundo o presidente da Aiba, não está descartada a inclusão de outros municípios:

“Já trabalhamos em parceria com prefeituras da nossa região recuperando e pavimentando estradas, num trabalho que tem beneficiado, sobretudo, as comunidades rurais. Vamos utilizar essa mesma estrutura para recuperar as nascentes dos nossos rios“.

Em São Desidério, a parceria dos produtores com a prefeitura prevê a recuperação de nascentes em áreas de preservação permanente (APP’s), que somam mais de 80 hectares, localizadas nas comunidades de Alegre da Pontezinha, Cabeceira do Salto, Alegre, Conceição de Baixo, Marias, Boqueirão do Palmeiral, Estiva, Canabravão, João Rodrigues, Baixa Bonita e Pindaíba. (Ascom Aiba/Abapa/Sindicato Produtores Rurais de Barreiras e Luís Eduardo Magalhães).

ARTIGOS RELACIONADOS

IHARA anuncia tecnologia poderosa contra o bicudo do algodoeiro

Considerado a principal praga dos algodoeiros nas Américas, o bicudo pode reduzir em até 70% da produtividade da pluma.

Nematoide – A praga que contamina os diferentes solos brasileiros

Bruno Flávio Figueiredo Barbosa Engenheiro agrônomo, doutor e nematologista bruno.ff.barbosa@gmail.com   No atual cenário da agricultura brasileira, diversas pragas causam prejuízos imensos às lavouras de todas as culturas...

BASF reforça o compromisso de longo prazo com os cotonicultores brasileiros

A marca líder no mercado de sementes de algodão da BASF no Brasil completa 20 anos e ganha nova campanha que reforça o compromisso com aqueles que dedicam a vida ao cultivo.

As vantagens do espaçamento adensado do algodão

O espaçamento ideal para o algodoeiro dependerá de vários fatores, como a cultivar utilizada, fertilidade do solo, manejo empregado, sistema de cultivo e tipo de colheita. Em sistemas predominantemente mecanizados o espaçamento dependerá do espaçamento da “boca da colheitadeira”, com média de 08 a 12 plantas por metro linear.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!