23.1 C
São Paulo
terça-feira, janeiro 18, 2022
- Publicidade -
- Publicidade -
Inicio Notícias Produtores investem no cultivo da pera no Vale do Taquari

Produtores investem no cultivo da pera no Vale do Taquari

Crédito: Shutterstock

O agronegócio é um dos propulsores da economia do Vale do Taquari. A região tem o segundo maior nível de produtividade rural do Rio Grande do Sul. O setor desenvolve-se através da agricultura familiar, com diversidade de culturas (milho, feijão, uva, fumo, erva-mate, trigo, flores, arroz, dentre outras) e criações (gado leiteiro, de corte, suínos e frangos).

O leite é uma das três cadeias produtivas mais importantes do agronegócio do Vale do Taquari, mas de uns anos pra cá a região está observando investimentos na fruticultura.

Cultivar pera no Vale do Taquari, no Rio Grande do Sul, não é uma tarefa fácil para os produtores da região que abrange 36 municípios do estado.

A pera é uma cultura que exige mais de 700 horas de frio abaixo de 7ºC, para que haja bom desenvolvimento do fruto. Não é por acaso que muitas das variedades são importadas no Brasil. Mas no município de Pouso Novo alguns produtores resolveram encaram o desafio com o apoio da Emater/RS-Ascar.

No município de Forqueta Alta, o jovem agricultor Artur Brock Girardi, buscou uma alternativa para aumentar a renda da família e possui hoje um pomar de peras, um hectare, que conta com 500 pés plantados.

“Cerca de dez anos atrás surgiu a ideia de montar um grupo local para a produção de frutas variadas como cáqui, pêssego, kiwi e goiaba, além da própria pera”, recorda o produtor.

Após uma visita ao município de Nova Pádua, alguns agricultores implantaram pomares. “Houve muita desistência, especialmente pelas dificuldades impostas pelo Clima”, salienta o extensionista da Emater/RS-Ascar, Roberto Gottardi.

Mas quem permaneceu teve de ter persistência e hoje, além de Arthur Girardi, apenas outros dois agricultores de Pouso Novo investem no cultivo. “Eu inicialmente trabalhava na cidade, primeiro numa oficina mecânica, depois em um restaurante”, lembra o agricultor.

Já faz quatro anos que Arthur retornou para a propriedade para assumir o pomar que até aquele momento estava “abandonado”, sem um manejo adequado ou sem os cuidados que pudessem trazer um resultado efetivo em termos de produtividade.

O recomeço foi marcado por bastante trabalho. O agricultor buscou realizar a análise e posterior correção do solo, execução das podas de forma correta, aplicação de produtos para controles de pragas e doenças e implantação de coberturas verdes, entre outras medidas.

A dedicação e o trabalho surtiram efeito. Na safra de 2019 foram colhidas uma média de 2,5 toneladas da fruta. A maioria da variedade Keiffer, que é mais resistente, sendo adequada tanto para doces quanto para o consumo in natura.

“Nesta safra espero colher de seis a sete toneladas”, comemora Girardi, que tem mercado garantido não apenas em Pouso Novo, mas em outros municípios da região, inclusive Lajeado.

O bom preço pago ao agricultor – cerca de R﹩ 4 por quilo – motiva a prosseguir, tanto que a família já implantou pomares com outras frutas, caso do pêssego. “A gente acaba aprendendo enquanto faz e isso é muito satisfatório”, salienta Girardi.

Para o agricultor, as visitas constantes a outros produtores aliado à busca por conhecimento em cursos, capacitações e vídeos na internet têm ampliado os saberes no manejo da fruta.

“É claro que, se o clima ajudar, fica ainda melhor”, sorri o jovem, que não esconde a torcida pelo frio.

Produtores interessados em saber mais sobre o cultivo de pereiras pode procurar o escritório da Emater/RS-Ascar local, que atua vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) do Governo do Estado.

Agroclima PRO

Como planejar uma safra e monitorar sua fazenda?

Otimizar o plantio, ficar de olho no Clima para avançar com os trabalhos no campo e observar o desenvolvimento da cultura para evitar perdas são algumas das decisões que você produtor rural precisa tomar durante a safra.

O Agroclima Pro é um serviço de tecnologia da Climatempo que utiliza o conhecimento meteorológico. Com ele você pode acessar o histórico de dados de Clima para sua fazenda e pode detectar áreas com menor vigor vegetativo. Além disso, você fica sabendo como será a demanda hídrica da sua lavoura nos próximos 15 dias e ainda consegue identificar os melhores dias e horários para realizar as pulverizações.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

Inicio Notícias Produtores investem no cultivo da pera no Vale do Taquari