26.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasProdutores rurais avançam na certificação sustentável do algodão na Bahia

Produtores rurais avançam na certificação sustentável do algodão na Bahia

Algodão – Crédito: Shutterstock

Os produtores rurais da Bahia dão mais um passo rumo à sustentabilidade da cadeia produtiva do algodão. Reunidos em torno da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), com o trabalho desenvolvido dentro do programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR), eles começaram o processo de certificação sustentável também nas algodoeiras, usinas que beneficiam o algodão, separando o caroço da pluma, logo após a colheita. Os técnicos visitaram, nesta primeira fase, quatro algodoeiras que vão passar por uma avaliação técnica antes da certificação final. Com o trabalho já desenvolvido em fazendas produtoras, a Bahia conta atualmente com 80 propriedades certificadas, que abrangem uma área de 245.219 mil hectares, representando 78,20% da produção de algodão do estado.

A coordenadora do programa de sustentabilidade ABR/Abapa, Bárbara Bonfim, explica que vêm sendo verificados um total de 165 itens com parâmetros internacionais de sustentabilidade. “Por causa da pandemia e das restrições de isolamento, foi realizada uma autoavaliação pelas próprias unidades, e a partir deste retorno, elaboramos um plano de correção para adequação de não conformidades”, afirma. Assim como acontece com a avaliação nas propriedades, as algodoeiras também passam pela avaliação no cumprimento das normas de saúde e segurança dos trabalhadores, infraestrutura e projetos de responsabilidade social e de integração com a comunidade.

ABR sustentabilidade algodoeiras

“A principal diferença está ligada ao ramo de atividade. O ABR nas fazendas aprofunda na Norma Regulamentadora (NR)-31, que estabelece por exemplo, o armazenamento adequado dos defensivos agrícolas e requisitos relacionados a saúde e segurança do trabalhador na área rural. Já nas algodoeiras, a NR-12, especifica sobre a segurança do trabalhador no manuseio de máquinas e  equipamentos ligados à indústria de beneficiamento da pluma”, reforça Bonfim.

Para o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, os produtores de algodão mostram mais uma vez que estão organizados e comprometidos em comprovar, para o mercado consumidor e sociedade, que a cadeia produtiva do algodão da Bahia é sustentável. “Estamos iniciando, com a inauguração de um escritório para promover o algodão na Ásia, uma nova etapa para a fibra brasileira. Queremos demonstrar que, além de qualidade e produtividade, somos campeões em sustentabilidade, e esperamos que este comprometimento traga competitividade e rentabilidade para o algodão brasileiro”, reforça Busato.

Desde quando foi iniciado o programa ABR nas fazendas produtoras de algodão da Bahia, em 2011, a área classificada como sustentável saiu de 21,1% para 78,2% desta safra 2019/2020. Segundo maior polo de algodão do Brasil, a Bahia comercializa 60% da fibra para o mercado interno e 40% para o externo, principalmente para países asiáticos como China, Bangladesh, Turquia e Vietnã.

ARTIGOS RELACIONADOS

Alerta para a mela do algodoeiro

A mela (honeydew) do algodoeiro, que causa a pegajosidade, é gerada principalmente pelas excretas decorrentes da infestação de mosca-branca (Bemisia tabaci) e pulgão (Aphis gossypii) na forma de uma solução contendo açúcares (trehalulose, melezitose, glicose, frutose e sacarose).

Tratamento de sementes com fungicida é estratégia para prevenção e controle de mofo branco

O mofo branco, doença causada pelo fungo Sclerotiniasclerotiorum, está se tornando cada vez mais grave em várias regiões, provocando danos às culturas de soja,...

Manejo eficiente contra a alternária

Dione Eliomar Resende Junior Engenheiro agrônomo da Sekita Agronegócios   Em folhas, os sintomas da alternária se expressam por meio de lesões foliares necróticas, circulares ou não,...

Safrinha de milho deve crescer 13% no Brasil

A safra de soja do Brasil na temporada 2015/16 deverá atingir um recorde de 100,6 milhões de toneladas, ante 96,2 milhões em 2014/15, informou...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!