21 C
Uberlândia
sábado, julho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasPrograma ABR tem primeiras fazendas certificadas na safra 20212022

Programa ABR tem primeiras fazendas certificadas na safra 2021\2022

Trinta e duas fazendas localizadas na Bahia e oito em Goiás estão entre as primeiras propriedades certificadas na safra 2021\2022. As unidades participam do programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR), gerido pela Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa). O ABR atesta as boas práticas nas fazendas, considerando os pilares social, ambiental e econômico.

Crédito: Miriam Lins

Para garantir a certificação, foram estabelecidos oito critérios: contrato de trabalho, proibição de trabalho infantil, proibição de trabalho análogo ao escravo, liberdade de associação sindical, proibição de discriminação de pessoas, meio ambiente, segurança do trabalho e saúde ocupacional, desempenho ambiental e boas práticas. Sendo que os itens referentes ao trabalho infantil e ao trabalho escravo, além de liberdade de associação sindical e proibição de discriminação de pessoas devem ter total conformidade. A auditagem, na safra 2021\2022, é feita por três empresas certificadoras – ABNT, Genesis Certificações e Bureau Veritas, que trabalham na conferência das conformidades requeridas. Ao todo, são 183 itens de verificação e certificação, desde segurança e bem-estar do trabalhador até boas práticas agrícolas. A constatação, durante a auditoria, de qualquer prática em desacordo com os 51 Critérios Mínimos de Produção (CMP’s) de aprovação obrigatória, conforme acordado com a BCI, elimina a fazenda do processo de certificação. As fazendas participantes do programa ABR trabalham com evolução contínua: 1ª safra – 85% de aprovação dos critérios da Verificação para Certificação da Propriedade (VCP); na 2ª safra – 87% de aprovação dos critérios da VCP; na 3ª safra – 89% e a partir da 4ª safra em diante – 90% de aprovação dos critérios da VCP.

As unidades na Bahia foram auditadas pela empresa Genesis.  Segundo a auditora Luana Bonfim, até o momento, foi possível verificar que as unidades mantêm a porcentagem de conformidade alcançada em safras anteriores.  A exceção é a utilização do Sistema de Proteção contra Descargas. O requisito foi o que menos contemplou os níveis de conformidade exigidos, ficando em 6.87. É importante observar que caso a fazenda não seja aprovada pelo auditor, por apresentar inconformidades leves e passíveis de correção, é concedido um prazo para a adaptação às regras e uma nova visita da certificadora poderá ser agendada.

 De acordo com os dados da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), até junho, quando termina a etapa de certificação, espera-se que sejam atingidos 87,5% da área. Se confirmado, o percentual será 5% maior do que o registrado na safra anterior. “Ficamos muito satisfeitos com os resultados alcançados até agora”, revela a coordenadora de Sustentabilidade da Abapa, Bárbara Bonfim. Segundo ela, mesmo com algumas mudanças implantadas no programa, no ano passado, sobretudo, no que diz respeito à NR31, norma que regulamenta a Segurança e Saúde do Trabalho no campo, os índices de conformidade foram considerados “muito bons”.

Nas demais fazendas produtoras, o processo de adesão está em curso. No Mato Grosso do Sul (MS), por exemplo, o trabalho de campo encerrou em 12 unidades e até o final do mês de maio as informações estarão compiladas. O dado positivo é que, em relação à safra de 2020\2021, ocorreu um acréscimo de propriedades participantes do processo. Dois auditores por fazenda realizaram a conferência dos quesitos para a obtenção do certificado. MS planeja contar com área total de 23.048,6 hectares certificados, representando 89% da produção de algodão do estado.

Atualização do ABR

A NR 31 estabelecida pela Portaria SEPRT 22.677, de 22/10/2020, que entrou em vigor no dia 27 de outubro de 2021 – exigiu a revisão dos itens de Segurança, Saúde Ocupacional e Meio Ambiente do Trabalho, previstos no Critério 6 do protocolo ABR.  Entre as novidades, está a possibilidade de realização de treinamentos e capacitações à distância e a criação do Programa de Gerenciamento de Risco no Trabalho Rural (PGRTR), incluindo os requisitos legais de prevenção de acidentes do trabalho e a Gestão de Saúde Ocupacional previstos no Inventário de Riscos do PGRTR.  

 A nova redação também amplia a responsabilidade sobre gestão de máquinas, equipamentos e implementos – os itens relacionados ao uso foram adequados e passíveis de serem geridos no PGRTR. Estabelece, ainda, novos requisitos legais específicos com relação às áreas de vivência, instalações sanitárias, local para refeição, alojamento, lavanderia e área de lazer, entre outros.

Confira mais documentos recomendados para a consulta:

•Material ABR disponível online em www.abrapa.com.br que consiste no Termo de Adesão, Regulamento ABR, lista de Verificação para Diagnóstico da Propriedade (VDP), Plano de Correção de Não Conformidades (PCNC) e lista de Verificação para Certificação da Propriedade (VCP).

ARTIGOS RELACIONADOS

Stoller lança aplicativo com soluções essenciais para diversas culturas

  Objetivo é contribuir para que produtor explore o máximo do potencial genético das plantas   O app Soluções Essenciais Stoller, é o mais novo lançamento da...

Vazio sanitário do algodão encerra neste sábado

Encerra neste sábado, dia 30, o período do vazio sanitário do algodão para uma das áreas produtoras de Mato Grosso, a região 1, localizada na porção...

Baixa umidade do solo se mantém em parte da zona do milho segunda safra

Parte da zona do milho safrinha - Goiás, Minas Gerais e São Paulo - deverá continuar com ...

Alerta geral para a mosca-branca

Edison Ryoiti Sujii Engenheiro agrônomo, doutor em Ecologia, PhD e pesquisador na área de Controle Biológico da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen) edison.sujii@embrapa.br Pedro H. B....

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!