23.5 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosQuais os cuidados devem ser tomados com a safrinha de trigo?

Quais os cuidados devem ser tomados com a safrinha de trigo?

Autor

Eduardo Elias Abrahim
Engenheiro agrônomo, consultor de trigo e presidente da Triemg
eeabrahim@gmail.com
Fotos: Eduardo Abrahim

O ano de 2019 vai ficar na memória de muitos produtores do Cerrado, principalmente dos Estados de Goiás e Minas Gerais. As condições climáticas extremamente desfavoráveis, com calor e umidade excessivos nos meses de março, abril e maio, trouxeram prejuízos aos triticultores.

A falta de informação, e até a má informação, fizeram com que muitos, principalmente no Estado de Goiás, plantassem trigo safrinha em fevereiro e até em janeiro. Essas épocas não são recomendadas.

Nesse contexto, houve o aparecimento de um complexo de doenças até então não identificado no Brasil com tal intensidade.

Complexo de doenças

A identificação precoce (lavouras com 30 a 40 dias de plantio) das primeiras lesões foram associadas à mancha marrom (Bipolaris sorokiniana) – (Foto 01), e os produtores iniciaram o controle. Porém, ao contrário do esperado, essas aplicações resultaram numa piora do quadro. Isso ocorreu, provavelmente, pela associação do óleo mineral ao fungicida. Esse óleo facilita a penetração do produto nas folhas.

Uma luz de alerta foi acesa. E como era tudo novo, após várias visitas a campo verificamos a presença cada vez mais severa de Brusone (Pyricularia grisea) na folha do trigo (foto 02). A intensidade desse ataque nunca havia ocorrido.

Verificamos que devia haver um outro componente nesse complexo de doenças, pois as lavouras, mesmo tratadas, em poucos dias secavam totalmente. Após exames laboratoriais realizados com as folhas infectadas, foi detectada a presença de Bipolaris sorokiniana, Pyricularia grisea e da bactéria Xanthomonas translucens (fotos 03 e 04).

Com essa informação, houve uma mudança no manejo. E para alívio dos produtores, os resultados favoráveis começaram aparecer.

Resumo

Depois da identificação dos patógenos, chegamos à conclusão de que a mancha marrom e, principalmente, a brusone na folha, eram a porta de entrada para ação da bactéria. E que o uso de óleo mineral intensificava essas lesões.

Controle

A aplicação preventiva (30 a 40 dias do plantio) ou no aparecimento dos primeiros sintomas mostraram ser necessárias para a proteção das plantas por que, dessa forma, não ocorreriam lesões para a entrada das bactérias. Nas lavouras com essa condução, os danos foram mínimos.

Alerta

É muito importante que os produtores de trigo safrinha fiquem atentos às condições climáticas. Isso pode fazer toda a diferença na lavoura, juntamente com uma orientação técnica adequada (época de semeadura, tipo de produtos ao serem utilizados, etc.).

ARTIGOS RELACIONADOS

Estufas – Cultivo de berinjela é favorecido pela técnica

AutoresRhaiana Oliveira de Aviz rhaianaoliveiradeaviz@gmail.com Luana Keslley Nascimento Casais luana.casais@gmail.com Emanoel dos Santos Vasconcelos manoeldsvogm@gmail.com Graduandos em Agronomia - Universidade Federal Rural da Amazônia...

Alfaces resistentes às variações climáticas ajudam produtores no plantio de verão

Neste período do ano, com calor e chuvas, a cultura da alface sofre um conjunto de problemas devido à instabilidade do clima. Para...

Koppert estreia no Seminário do Café

  Essa foi a estreia da Koppert no Seminário do Café, uma empresa jovem que entrou no mercado brasileiro em 2012, mas já com vasta...

Fortalecimento vegetal no combate a pragas do tomateiro

  Diego Henriques Santos Engenheiro agrônomo da CODASP - Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo dihens@bol.com.br A cultura do tomate destaca-se por sua importância econômica e social,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!