Quebra de dormência em frutíferas

0
24

Renata Elisa Viol – Doutoranda em Fitotecnia/ Fruticultura – Universidade Federal de Lavras (UFLA) – renataviol@live.com
Carlos Henrique Milagres Ribeiro – Mestrando em Fitotecnia/Fruticultura – UFLA – caarlos_henriquee_8@hotmail.com

Mangas – Crédito: Paulo Dantas

As frutíferas de clima temperado, como a macieira, pessegueiro e videira são originárias de locais com temperaturas baixas durante o inverno. Ainda no outono, ocorre a queda natural das folhas estimulada pela diminuição do comprimento do dia e da redução acentuada da temperatura, estimulando a entrada do período conhecido como dormência.
Durante o período de dormência ocorre a suspensão temporária de crescimento e desenvolvimento das plantas e o acúmulo de horas de frio, considerando temperaturas iguais ou inferiores a 7,2°C.
Porém, na ausência da satisfação necessária de frio durante o inverno, típico de regiões tropicais e subtropicais, ocorre a brotação deficiente e desuniforme, redução e irregularidade na abertura das gemas florais e vegetativas. Nesse caso, torna-se necessária a utilização de produtos químicos que estimulem a emissão de brotação e do florescimento.
Em substituição à falta de horas de frio, o indutor químico mais utilizado na quebra de dormência é a cianamida hidrogenada + óleo mineral. Estas substâncias são eficientes na quebra de dormência das frutíferas, mas a cianamida possui elevada toxicidade ao ser humano e ao ambiente.
Frente a essa questão, e a busca de produtos alternativos, o nitrato de potássio tem se mostrado uma alternativa eficiente para quebra de dormência de frutíferas em regiões de clima quente.

Como funciona

O nitrato de potássio atua nas gemas floríferas estimulando a iniciação do crescimento. Ele é aplicado por meio de pulverização e a dosagem vai variar de acordo com a cultura, estádio fenológico da planta e condições ambientais.
Para macieira são recomendadas dosagens entre 7,0 a 10% e para pessegueiro dosagens entre 2,0 a 5%. A videira, em contrapartida, não responde bem ao indutor, sendo recomendados para quebra de dormência apenas compostos que contenham cianamida.

Manejo

A aplicação deve ser feita de maneira localizada, de modo a atingir todas as gemas. Para isso, a pulverização é feita até ponto de gotejamento. É ideal, também, que as temperaturas estejam acima de 20°C no momento da aplicação e se ocorrer chuva no mínimo de uma hora, deve ser reaplicado.
Contudo, esse produto só tem efeito sobre as gemas se as necessidades de frio já tiverem sido satisfeitas em pelo menos 50%. Normalmente é aplicado 20 dias antes do florescimento quando as gemas estão inchadas, mas não brotadas.
Sua utilização também vem sendo bastante empregada na cultura da mangueira. Os produtos contendo nitrato têm sido significativos na iniciação floral na região nordeste, com intervalos de aplicação que variam de cinco a 10 dias.
A utilização do nitrato de potássio na quebra de dormência tem diversas vantagens, como a menor toxidade, menores investimentos, menos nocivo ao meio ambiente e mais eficiente quando manejado de forma correta.
Sendo assim, quando aliado a outras técnicas de manejo, possibilita a produção de frutas em diversas regiões e épocas do ano, gerando diversas vantagens para o agronegócio da fruticultura.