R$ 100 milhões são investidos no Brasil para solução em soja

0
225

Syngenta investe R$ 100 milhões para produzir no Brasil solução inovadora para a soja

Unidade de Paulínia (SP) será a primeira do país a fabricar defensivo
agrícola com nova tecnologia de granulação

 

Pulverização em soja - Crédito Homero Fuzaro
Pulverização em soja – Crédito Homero Fuzaro

A Syngenta investirá R$ 100 milhões na expansão da fábrica de defensivos agrícolas em Paulínia (São Paulo) para a produção local do fungicida ELATUSTM. O defensivo é fabricado por meio de uma tecnologia denominada Pepite, cuja estrutura industrial é inédita no país. Ao invés da forma líquida, o produto é composto por grânulos de alta dissolução, o que traz mais segurança e comodidade durante sua aplicação na lavoura. Lançado no Brasil em março deste ano, ELATUSTM foi desenvolvido para o combate à ferrugem asiática da soja e é considerado o principal lançamento da empresa nos últimos dez anos.

“Esse investimento reforça a confiança da empresa no sucesso dessa tecnologia e na consolidação de nossa fábrica em Paulínia, que é considerada um modelo de qualidade e segurança de operação em todo mundo“, explica David Gomes, diretor de produção para América Latina da Syngenta.

Para o início da produção local do fungicida, que hoje é importado da Europa, a empresa construirá uma estrutura fabril 100% integrada para toda a cadeia do produto, da formulação até a embalagem final. Cerca de 200 pessoas trabalharão nas obras de construção da planta e 40 novos empregos diretos e indiretos permanentes serão gerados.

Outra vantagem da forma sólida do defensivo é que a ação de bloqueio e eliminação do fungo que provoca as doenças da soja se dê em apenas 48 segundos após a aplicação. “Essa tecnologia facilitará a vida do agricultor pois proporciona uma eficiência no controle da ferrugem sem paralelos no mercado“, conta Laércio Giampani, Diretor Geral da Syngenta no Brasil.

A previsão é que a expansão da fábrica de Paulínia entre em funcionamento ainda em 2015 e as primeiras entregas de produção aconteçam no início de 2016.