Ráfia de solo – proteção sob medida

0
96

Rafael Rosa Rocharafaelrochaagro@outlook.com

Rayla Nemis de Souzarayla.ns@outlook.com

Engenheiros agrônomos e mestrandos em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola – Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat)

Ráfia de solo – Crédito: Agrocultivo

Independente dos níveis de conhecimentos tecnológicos, as doenças das culturas em ambiente protegido têm sido motivo de preocupação para os plasticultores, seja pelos danos causados, muitas vezes inviabilizando a atividade, seja pela necessidade de tomar medidas de controle para reduzir ou evitar esses danos.

Porém, o uso de filmes agrícolas no cultivo em ambiente protegido tem se mostrado uma excelente estratégia no controle das viroses, uma vez que o filmes agrícolas atuam como barreira para os insetos vetores e controle de plantas hospedeiras. Ademais, a utilização dos filmes facilita o monitoramento das pragas dentro do ambiente protegido e o emprego de outras técnicas de controle.

Consequências dos erros

E o manejo inadequado dos fatores do ambiente aéreo e do solo pode criar condições muito favoráveis para determinada doença biótica, tornando qualquer medida de controle inócua. Outro aspecto do manejo inadequado do ambiente pode ter como consequência o estressamento das plantas e o aparecimento de doenças abióticas ou predisposição às doenças bióticas, com o comprometimento da produção.

Muitas doenças em cultivos protegidos tendem a se tornar mais severas, quando comparadas ao cultivo convencional, pois além dos fatores ambientais mais favoráveis, também deve-se considerar o estado nutricional das plantas, as condições de irrigação, a maior densidade de plantas e o monocultivo, que propiciam condições mais favoráveis aos patógenos.

Desta maneira, as viroses podem ser disseminadas por diferentes organismos, dentre os quais os insetos formam o principal grupo. Os principais insetos-praga transmissores de viroses são pulgões, cigarrinhas, tripes, mosca-branca e cochonilhas. 

Além deles, ácaros, nematoides, fungos e protozoários apresentam a capacidade de transmitir vírus para as plantas. No campo, após a infecção de uma planta não existe método de controle economicamente viável para eliminar o vírus. Dessa forma, a melhor estratégia para controle deve ser a preventiva, impedindo ou dificultando a chegada e a disseminação dos vírus na plantação.

Alternativas

Existem alguns métodos alternativos de controle de pragas e doenças em estufas. A ráfia de solo é um deles, pois geralmente, em estufas, se usam materiais orgânicos, mas também é possível utilizar materiais inorgânicos para cobertura do solo. Um dos mais comuns são os filmes plásticos, como mulching. Contudo, eles possuem uma pequena duração e não permitem a passagem de água.

Outro material bastante usado com plantas ornamentais e crescente no Brasil em cultivos em estufas em HF’s é a rafia de solo, que tem a vantagem de ser durável e prover uma barreira ao crescimento de daninhas. Além disso, têm durabilidade de 8 – 12 anos, com a vantagem de permitir a passagem de ar e água.

Com isso, tem-se observado um controle em plantas daninhas e uma redução na população e na atividade de insetos em ambientes que utilizam o emprego dessa tecnologia no solo, assim podendo auxiliar no controle de diversas doenças causadas por vírus, como: vira-cabeça ou tospoviroses causadas por vírus do grupo Tospovirus, transmitidos por tripes; geminiviroses causadas por vírus do grupo geminivírus, transmitidos por mosca-branca e os potyvirus, transmitidos por pulgões e por doenças fúngicas.

Composição

De forma geral, as ráfias de solo são confeccionadas com material em polipropileno, utilizado tanto em cobertura de solo em cultivo protegido, em estufas e viveiros, como em produção em campo aberto. Essa ráfia de solo possui um tratamento com UV para sol e chuva, que é o que degrada o material, fazendo com que ele seja mais resistente.

Tem como principal função e benefício evitar o crescimento de ervas daninhas, sem a necessidade de produtos químicos, pois elas criam uma barreira no solo da estufa, impedindo tanto o crescimento de plantas daninhas que podem disseminar doenças como também a passagem de insetos pelo solo, agindo como uma medida e/ou ferramenta de controle de doenças na estufa.

Opções

Hoje, no mercado, existem diferentes ráfias resistentes, que suportam até mesmo trabalhos pesados, pois são feitas com fibras de poliéster ou polipropileno, as quais passam por criterioso processo de agulhagem, que confere ao material resistência e excelente durabilidade, devido à qualidade de seus componentes e da tecnologia aplicada na sua fabricação, extremamente reforçadas, permeáveis e perfeitas para drenagem.

Em relação à ótima drenagem, essa cobertura de solo torna o ambiente seco e mais higiênico, mostrando-se uma barreira física contra doenças, pois a elevada umidade relativa do ar e do solo, associada às altas temperaturas, propiciam condições para algumas doenças da parte aérea tornarem-se muito mais severas nos cultivos em estufa que nos convencionais.

Como exemplo, pode-se citar o míldio (Pseudoperonospora cubensis) e a mancha de corinespora (Corynespora cassiicola) em pepino “japonês”; a pinta-preta (Alternaria solani) em tomateiro e a podridão gomosa (Didymella bryoniae) em melão rendilhado, dentre diversos outros patógenos radiculares.

Agregando eficiência

Outra forma de agregar ao uso de ráfia de solo é associá-la com telas que possuam os aditivos fotosseletivos nas extremidades laterais das estufas, que  funcionam como repelente de insetos-praga. Essas são medidas comumente utilizadas para o controle de vírus, cujos principais agentes disseminadores são insetos, podendo ter as plantas daninhas como fonte de inóculo, trazendo otimização em termos de controle de doenças em estufas.

A ráfia de solo é amplamente usada como chão de estufas e em projetos paisagísticos de jardinagem.  Atualmente, existem diversas larguras padrões, como (0,68 – 1,70 – 3,40 – 5,10 – 6,80 m), ou então personalizar de acordo com a necessidade.

Há, também, diversas gramaturas, como 90, 114, 130 GR, entre outras. Algumas empresas oferecem serviços exclusivos de corte, costura, colocação de ilhós, bainhas e/ou solda deste tipo de material.


Não se engane

Dentre os erros mais comuns na utilização da ráfia de solo está a má manutenção de limpeza após o fim do ciclo de cultivo, pois em relação à ráfia de solo utilizada, a mesma é bastante eficiente. Contudo, devido à longa duração da ráfia, acaba acumulando material orgânico em sua superfície.

Esse material orgânico torna-se o meio em que muitas plantas daninhas acabam se desenvolvendo. Por isso, deve-se retirar restos vegetais e de substrato acumulados cada vez que um determinado lote é retirado do local, para que a ráfia não perca sua função.

Então, cuidados na limpeza correta após os cultivos são fundamentais.


Por que investir na ráfia de solo

As principais vantagens e a viabilidade de utilização das ráfias de solo estão em reduzir o crescimento de ervas daninhas; além de permitir a passagem de água, ar e nutrientes para as raízes; estabiliza o solo, evitando erosão e mantendo a limpeza e boa aparência; evita o uso de químicos que podem causar danos ao meio ambiente e é ideal para cultivos orgânicos.

Com relação aos custos da técnica, produzir em ambiente protegido demanda uma maior alocação de recursos pelo produtor, especialmente para implantação da estrutura. Entretanto, o cultivo protegido torna a atividade de produzir hortaliças muito mais segura, reduzindo a incidência de pragas e doenças e ampliando as possibilidades de épocas de produção e a junção de proteção do solo com o uso da ráfia, sendo uma combinação que tende a oferecer ótimos resultados em rentabilidade de produção.

A potencial redução na utilização de insumos e incremento de produtividade e a qualidade do produto, associados à possibilidade de expandir o período de oferta, são pontos a favor dessa tecnologia. Ou seja, embora o produtor que inicialmente precisa investir um valor considerável na instalação da ráfia de solo, em poucas safras paga esse investimento, visto que diminui custos com mão de obra para limpeza da estufa e diminui o uso de químicos (herbicidas), tem a possibilidade de produção de mais ciclos por ano, maiores produtividades  e maior qualidade da produção, a qual  garante melhores preços para o produtor rural e demais benefícios já citados.

Cuidados

Sempre é bom lembrar que, além dos controles na estufa, deve-se sempre cuidar das áreas próximas da estufa, que sempre devem permanecer limpas, livres de qualquer planta, pois mesmo não sendo hospedeira de vírus, poderá ser hospedeira de insetos-vetores.