Redução de estresses aumenta a produtividade

0
27

Adenilson Adão SponchiadoTécnico em Agropecuária e graduando em Agronomia – Centro Universitário da Faculdade Integrada de Ourinhos (Unifio) adenilsonsponchiado08@gmail.com

Ana Caroline ScoparoProdutora rural e graduanda em Agronomia – Unifiokahscoparo@gmail.com

Adilson Pimentel JúniorEngenheiro agrônomo, doutor em Agronomia e professor – Unifioadilson_pimentel@outlook.com

Soja – Créditos: shurtterstock

Mesmo a soja apresentando grande potencial de produção, fatores bióticos e abióticos podem provocar estresses, ocasionando redução consideráveis em sua produtividade. Como base de um sistema “saudável”, recomenda-se manejo adequado do solo, com sistema de plantio direto, rotação de culturas, solo coberto com palhada, manutenção de carbono orgânico, semeadura dentro da janela de plantio e aplicação de fertilizantes para suplementação nutricional.

Os fatores abióticos, como temperatura, fotoperíodo e disponibilidade hídrica, interferem diretamente no desenvolvimento fisiológico da cultura, ocasionando alteração no desenvolvimento do vegetal, afetando o seu ciclo natural.

Interferência direta

A temperatura atua em todos os estádios fisiológicos da soja, desde a germinação, crescimento, floração e frutificação, até no processo de respiração e fotossíntese. Temperatura entre 20 e 30ºC permitem um bom desenvolvimento da cultura, no entanto, recomenda-se não realizar a semeadura em temperatura do solo inferior a 20ºC, tendo em vista que temperaturas amenas podem prejudicar ou atrasar a germinação e emergência.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.