20.6 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 22, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesRedução de estresses aumenta a produtividade

Redução de estresses aumenta a produtividade

Adenilson Adão SponchiadoTécnico em Agropecuária e graduando em Agronomia – Centro Universitário da Faculdade Integrada de Ourinhos (Unifio) adenilsonsponchiado08@gmail.com

Ana Caroline ScoparoProdutora rural e graduanda em Agronomia – Unifiokahscoparo@gmail.com

Adilson Pimentel JúniorEngenheiro agrônomo, doutor em Agronomia e professor – Unifioadilson_pimentel@outlook.com

Soja – Créditos: shurtterstock

Mesmo a soja apresentando grande potencial de produção, fatores bióticos e abióticos podem provocar estresses, ocasionando redução consideráveis em sua produtividade. Como base de um sistema “saudável”, recomenda-se manejo adequado do solo, com sistema de plantio direto, rotação de culturas, solo coberto com palhada, manutenção de carbono orgânico, semeadura dentro da janela de plantio e aplicação de fertilizantes para suplementação nutricional.

Os fatores abióticos, como temperatura, fotoperíodo e disponibilidade hídrica, interferem diretamente no desenvolvimento fisiológico da cultura, ocasionando alteração no desenvolvimento do vegetal, afetando o seu ciclo natural.

Interferência direta

A temperatura atua em todos os estádios fisiológicos da soja, desde a germinação, crescimento, floração e frutificação, até no processo de respiração e fotossíntese. Temperatura entre 20 e 30ºC permitem um bom desenvolvimento da cultura, no entanto, recomenda-se não realizar a semeadura em temperatura do solo inferior a 20ºC, tendo em vista que temperaturas amenas podem prejudicar ou atrasar a germinação e emergência.

[rml_read_more]

Vale ressaltar que temperaturas inferiores a 10ºC podem anular o desenvolvimento germinativo da soja e, quando já estabelecida, trava seu desenvolvimento. Em outra extremidade, temperatura superior a 40ºC pode provocar abortamento dos botões florais e diminuir a capacidade de retenção de vagens.

A indução floral da soja é provocada por temperaturas superiores a 13ºC e inferiores a 24ºC, contudo, temperatura elevada provoca precocidade na floração pela influência direta no desenvolvimento vegetativo. Quando aliado à temperatura ocorrer uma deficiência hídrica ou fotoperiódica, a alteração fisiológica do vegetal é potencializada.

Colheita exige atenção

Outro momento importante de estresse seria na colheita. Isso porque a alta umidade e as baixas temperaturas fazem com que as plantas mantenham as hastes verdes e apresentem retenção foliar, e temperaturas elevadas e alta umidade poderão deteriorar os grãos.

Para evitar os fatores mencionados, as plantas apresentam um complexo grupo de mecanismo de defesa, por exemplo, a resistência natural metabólica (física e química) pré-existente ou consecutiva, em que produz substâncias naturais que atuam na defesa, geralmente são controladas por característica genética.

Atualmente, os melhoristas focam em selecionar as variedades que apresentam facilidade e plasticidade em superar determinados tipos de estresse para a obtenção de maiores rendimentos. Outro fator é a seleção de plantas que produzem tais substâncias precocemente para se defender o quanto antes.

Estádios fenológicos

Dois dos fatores mais importantes indutores de estresse são o déficit hídrico e a temperatura, que interferem no rendimento das plantas. No fator água, a cultura da soja tem uma exigência mínima conforme descrito: semeadura à emergência 2,2 mm; emergência à floração 5,1 mm; floração (R1) à formação de vagens (R3) 7,4 mm; formação de vagens à maturação fisiológica (R7) 6,6 mm; e maturação até senescência (R8) 3,7 mm.

Dentre os diferentes estádios fenológicos, o índice pluviométrico totaliza de 550 a 650 mm durante todo seu ciclo. Dentre os estudos, maior atenção à falta hídrica se dá entre as fases R3 a R4 (formação de vagens). Caso falte água, o estresse pode ser irreversível quanto ao fator produção. 

Dicas importantes

Como dica para o produtor se assegurar quanto aos fatores bióticos que possam provocar estresses na soja, podemos citar:

Ü Nutrição: adicionando nutrientes no solo e deixando os mesmos disponíveis à planta desde a implantação da cultura até o estádio de enchimento dos grãos (R5 a R6). Com isso, a cultura estará bem nutrida, resultando em uma planta vigora, que ajuda na tolerância ao ataque de pragas e doenças.

Ü Pragas e doenças: o controle químico, físico e biológico de pragas e doenças, no momento correto, antes que tenham ocorrido danos à cultura e posteriores danos econômicos. Ter um bom procedimento de monitoramento e manejo de pragas, em que o produtor deverá saber o momento ideal para intervir na aplicação de defensivos a fim de neutralizar ou minimizar os ataques de pragas, antes que a mesma cause danos econômicos. Também é importante ressaltar que o uso de defensivos só deverá ser utilizado quando a praga realmente apresentar risco de danos econômicos.

Ü Melhoramento genético: escolha de variedades adaptadas ao microclima da região, favorecendo uma melhor germinação e vigor. Existem, no mercado, diversas cultivares transgênicas e melhoradas afim de induzir características antiestresse.

Ü Plantabilidade: é necessário garantir uniformidade de plantio, respeitando a profundidade, espaçamento e distribuição de sementes, sendo que a profundidade será indicada conforme estrutura do solo e umidade de campo.

Ü Manejo de invasoras: manter a cultura de interesse econômico livre de plantas invasoras, impedindo a competição por nutrientes, umidade e luminosidade.

Um fator determinante que também favorecerá a minimização dos estresses é o conhecimento científico de medições e interpretações, em que o profissional saberá tomar as decisões no momento adequado e assim evitar condições desfavoráveis ao desenvolvimento da cultura.

Benefícios proporcionados

Em condições naturais e agricultáveis, as plantas são expostas a estresses ambientais. O estresse tem papel importante na determinação de como o solo e o clima limitam a distribuição das espécies, seu desenvolvimento e chance de sobrevivência.

É importante propiciar um solo estruturado, com condições favoráveis ao bom desenvolvimento da cultura, uso de variedades com genéticas apuradas, fornecimento equilibrado de nutrientes e hormônios, boas condições fitossanitárias e, consequentemente, uma maior produção de alta rentabilidade.

Outras recomendações envolvem realizar a amostragem de solo para equilibrar o pH nas condições exigidas pela cultura (5,5 a 6,0), a fim de equalizar os nutrientes nos coloides do solo, deixando-os disponíveis à planta. Realizar, quando necessário, a conservação do solo, com implementação de curvas de nível e sistematização a fim de corrigir alguma imperfeição do terreno em relação ao deslocamento de coloides.

Sistema de plantio direto, com rotação de cultura para quebrar o ciclo de pragas e doenças, reciclagem de nutrientes e fazer a construção da estrutura do solo. Escolha do material genético adaptado às condições do microclima, ou seja, escolha de variedades conforme disponibilidade hídrica e fotoperíodo.

É importante ressaltar o tratamento das sementes com inoculantes para a simbiose, que disponibiliza de maneira natural o nitrogênio para a cultura da soja.

Plantabilidade

O plantio com equipamentos adequados é ideal para uma boa plantabilidade. Estes deverão estar bem regulados, propiciando uma distribuição uniforme das sementes e fertilizantes. Uma boa estratégia de monitoramento fornecerá dados para tomada de decisões, visando o melhor momento de intervenção da praga ou doença, antes mesmo que causem danos econômicos, evitando tratamentos desnecessários.

Atentar ao momento ideal para iniciar a colheita, quando a cultura deverá apresentar senescência e frutos com umidade próxima a 13%, lembrando da importância de um ajuste adequado dos equipamentos utilizados na colheita, a fim de evitar perdas na operação.

No campo

Segundo estudos na cultura da soja, o potencial genético alcançado hoje em dia é de 30 a 40%, ou seja, o restante provavelmente estará seno prejudicado devido aos fatores de estresse. Se o produtor rural aplicar os cuidados básicos, fazer “bem-feito”, consequentemente, terá uma maior rentabilidade, envolvendo vários fatores, como, análise e correção do solo, manejo e conservação do solo, nutrientes e hormônios balanceados, rotação de culturas, dentre outras.

Vale ressaltar que se o solo estiver estruturado, consequentemente a cultura terá uma redução de estresses e um incremento na produção.

Erros mais frequentes

Não realizar análise de solo proporcionará às plantas um desbalanço nutricional e metabólico, assim como o manejo do solo inadequado, não realizar rotação de cultura, pois não haverá um controle eficiente entre as pragas e doenças, escolha de cultivar inadequada para o microclima de região, dentre elas precoce, semi-precoce e tardia, plantio fora da janela e em condições inadequadas do solo, plantabilidade ruim, máquinas mal reguladas para cada serviço realizado e falta de conhecimento técnico no campo.

Recomenda-se realizar análise de solo, pois haverá nutrientes balanceados no solo. Também se indica o balanço hormonal, manejo e conservação do solo adequados, realizar rotação de culturas para ciclagem de nutrientes e controle de pragas e doenças, escolher as cultivares adequadas para o tipo de solo e microclima, plantar dentro da janela de plantio, em um solo de estado friável, plantabilidade com um ótimo desempenho, máquinas bem reguladas e com resultados satisfatórios. Por fim, ter uma equipe treinada e capacitada para altas rentabilidade. 

Investimento x retorno

Atualmente, os produtores rurais estão se adaptando às novas ferramentas de tecnologia em sua propriedade. A agricultura de precisão é um sistema integrado de tecnologias e informações, que levam dados coletados do campo para o escritório, estabelecendo a melhor forma de realizar as tarefas, tanto do campo como da gestão, e economizar custo e tempo, proporcionando uma melhor distribuição de fertilizantes em geral no solo.

É possível concluir que, por certo período, as plantas conseguem se recuperar sozinhas dos estresses, mas quando há prolongamento, é necessária uma ação rápida para evitar danos na lavoura e consequentes perdas na produtividade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Como o azospirillum pode ajudar na produção de cana

O Azospirillum: um aliado poderoso para impulsionar a produção de cana-de-açúcar.

Máximas produtividades marcam solo mineiro

A Família A. Guimarães, em Serra do Salitre, ganhou o prêmio do CESB A Família A. Guimarães produz soja, milho, feijão, trigo, sorgo, algodão e...

Safra de soja supera as expectativas

Lavouras avaliadas na BA e no RS pelas últimas equipes do Rally da Safra surpreendem ...

Corteva Agriscience promove “A Hora da Batata”

A Corteva Agriscience, por meio de sua Linha de Hortifruti, irá promover uma série especial de webinares chamada “A Hora da Batata”, uma jornada de encontros semanais para tratar dos principais temas de importância da bataticultura no país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!