21.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioMercadoReforma tributária e seus impactos para o Brasil

Reforma tributária e seus impactos para o Brasil

O resultado da Reforma pode passar pelo aumento da competitividade do ambiente de negócios brasileiro, atraindo investimentos estrangeiros, criando empregos e impulsionando o crescimento econômico de longo prazo.

Divulgação

A aprovação da Reforma Tributária na Câmara Federa divide opiniões do setor empresarial brasileiro, especialmente o de consumo. Considerado um momento histórico – a última mudança no sistema tributário tem mais de 75 anos e o debate acerca da necessidade de reforma vem há mais de três décadas -, a aprovação do projeto da Reforma Tributária vem repercutindo também no setor contábil.
 

O CEO da Tax Strategy, startup que criou uma plataforma digital para apuração de tributos e vem ganhando destaque no mercado nacional, Hélder Santos, comenta que a medida, que ainda vai passar pelo Senado Federal e sanção presidencial, deve auxiliar as empresas. “Não enxergamos uma redução de carga tributária nesse primeiro momento, mas somente a desburocratização do sistema já é uma vitória para o setor empresarial. Hoje, empresas chegam a gastar 5% do faturamento somente para apuração de tributos”, avalia. Segundo ele, ao reduzir a quantidade de tributos, a reforma pode simplificar o sistema tributário, tornando-o mais fácil de entender e administrar tanto para as empresas como para os indivíduos. “Menos tributos significam menos regras e regulamentações complexas, resultando em um ambiente mais propício para a atividade econômica”.
 

Para o consultor tributário, o resultado da Reforma pode passar pelo aumento da competitividade do ambiente de negócios brasileiro, atraindo investimentos estrangeiros, criando empregos e impulsionando o crescimento econômico de longo prazo. “Um sistema tributário complexo e oneroso muitas vezes cria incentivos para a informalidade econômica. No entanto, é importante ressaltar que uma reforma tributária deve ser cuidadosamente planejada e considerar os impactos sobre a distribuição de renda e a justiça fiscal. É fundamental equilibrar a redução dos tributos e do custo de conformidade com a necessidade de financiamento do Estado para prover serviços públicos essenciais, como saúde, educação e infraestrutura”, comenta Hélder, ressaltando que a medida deve vir acompanhada por mecanismos eficientes de fiscalização e combate à sonegação fiscal.


Minirreforma
Mais adiantada do que a Reforma Tributária está a chamada “minirreforma” tributária, referente ao PLP 178/2021, que tem o objetivo específico de facilitar o cumprimento das obrigações tributárias. A proposta de autoria do senador Efraim Filho recebeu o apoio de 13 entidades ligadas ao setor produtivo e institui o Estatuto Nacional de Simplificação de Obrigações Tributárias Acessórias, a Nota Fiscal Brasil Eletrônica (NFB-e) e a Declaração Fiscal Digital (DFD). Um dos principais objetivos do projeto é unificar as regras relacionadas à emissão de notas fiscais e a criação de um cadastro nacional para que a União, os estados e os municípios compartilhem informações e documentos de arrecadação. O projeto possibilita ainda a integração dos fiscos – federal, estaduais e municipais – e contribuintes por meio da unificação do documento de declaração e criação do Registro Cadastral Unificado (RCU). “Quer dizer, em vez de emitir quase dez formulários por Nota Fiscal, a empresa poderá emitir apenas um, a NF-e”, conta Hélder. Aprovado no Senado Federal na última quarta-feira (5), o PL segue para a sanção presidencial.


Competitividade
Hélder ressalta que a medida, combinada à Reforma Tributária, é um incentivo à competitividade empresarial brasileira. “Hoje não existe uma regra nacional sobre emissão de notas fiscais eletrônicas. Com a minirreforma, teremos um padrão nacional. É um passo importante para a desburocratização e também, quem sabe, no futuro possa abrir espaço para uma redução tributária”, avalia o consultor, acrescentando que dados da Associação Brasileira de Tecnologia para o Comércio e Serviços (Afrac) apontam que os gastos com as obrigações acessórias chegam a R$ 152 bilhões por ano no Brasil.

ARTIGOS RELACIONADOS

Como intensificar e produzir de forma sustentável na pecuária de corte?

Artigo discute estratégias para intensificar e produzir de forma sustentável na pecuária de corte.

Gestão da água no setor de florestas

O consumo e disponibilidade de água no planeta é do interesse de todos nós.

Panorama nacional da produção de graviola

O agronegócio é um dos principais pilares da economia brasileira. Em 2019, o setor movimentou R$ 1,55 trilhão, na qual representa 21,4% do total do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), da Esalq/USP, realizada em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA, 2020)

AMVAC do Brasil promove evento gratuito

Convenção AMVAC do Brasil Open acontece nesta quinta-feira (1/9), a partir das 15h, com ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!