23.3 C
São Paulo
terça-feira, julho 5, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Florestas Respostas florestais à nutrição das árvores

Respostas florestais à nutrição das árvores

José Geraldo Mageste

Engenheiro florestal, mestre em Solos e Nutrição de Plantas, Ph.D e professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

jgmageste@ufu.br

Fernando Simoni Bacileri

fbacilieri@zipmail.com.br

Luara Cristina de Lima

lima_luara@yahoo.com.br

Mestres e doutorandos em Agronomia ” UFU

Renato Azevedo da Silva

Graduando em Engenharia Ambiental ” UFU

renato.azevedo@ufu.br

Plantação de eucalipto em Migi-Guaçu

As espécies florestais respondem facilmente às fertilizações feitas adequadamente. Isto significa que, em se constatando uma deficiência nutricional, não é necessário sair correndo em desespero e jogando fertilizante no solo para se proceder a correção.

Quando os sintomas se tornam visíveis, os prejuízos com crescimento e produtividade já foram iniciados muito anteriormente. De nada adiantará jogar fertilizante no solo sem haver umidade para “distribuição“ do mesmo, por exemplo.

Ainda temos nutrientes móveis e imóveis, tanto no solo quanto nas plantas. Alguns silvicultores inexperientes desejam corrigir deficiência de cálcio com pulverizações aéreas. A molécula de cálcio é suficientemente grande, e não consegue “penetrar“ no xilema (canal condutor). Ele é absorvido somente pelas raízes das árvores.

Aí vem outro complicador – onde estão as raízes que podem absorver este nutriente? Isto dependerá da idade da planta, do manejo dado à cultura e ao solo, da classe de solo, etc.

 

Monitoramento

CréditoShutterstock

O monitoramento e as análises tanto de folhas quanto de solo são ferramentas que permitirão ao silvicultor tomar a decisão certa sobre qual nutriente deverá ser fornecido e como deverá ser feita esta correção. Por melhor que seja a diagnose visual, ela deve sempre vir suportada pelas análises das folhas e do solo.

A análise de solo é um instrumento básico dos padrões físico-químicos do solo, sendo indispensável em qualquer programa de utilização adequada de corretivos e fertilizantes para os povoamentos florestais. Ela propicia informações para tomadas de decisões e adoção de práticas para aumentos da produtividade.

Todo processo deve ser iniciado com a diagnose visual, que fará a constatação de sintomas de deficiência ou toxidez procedendo-se uma comparação do aspecto de uma amostra possivelmente problemática com um padrão, geralmente com referência às folhas das plantas.

Mas, conforme dito anteriormente, alerta-se para o fato de que no momento em que os sintomas se tornam visíveis já houve um comprometimento da produtividade muito anteriormente.

 

Danos à vista

 

As folhas constituem a parte metabolicamente mais ativa das plantas, consequentemente, as alterações que ocorrem ao seu redor e na planta como um todo são rapidamente refletidas neste órgão.

Nesse sentido, o nível de composição nutricional nas folhas representa um ponto de partida para o monitoramento do estado nutricional das plantas e, por conseguinte, relaciona com as recomendações que aumentem a viabilidade e a otimização do cultivo, uma vez que a variação na concentração está interligada com o nível produtivo.

Assim, a análise química de folhas ou análise foliar é, reconhecidamente, uma ferramenta de grande importância no monitoramento do estado nutricional de plantas, pois a planta é o próprio extrator de nutrientes do solo, o que possibilita um diagnóstico nutricional direto.

Com a análise foliar é possível avaliar o estado nutricional, identificar deficiências antes de surgirem os sintomas visuais que podem, em algumas situações, ser confundidos, dificultando a diagnose visual.

A avaliação do estado nutricional de plantas por meio dos métodos de diagnose foliar, os quais relacionam os teores de nutrientes entre si, como no caso do Sistema Integrado de Diagnose e Recomendação (DRIS), vem se destacando dos tradicionais, que consideram os teores dos nutrientes individualmente, como o nível crítico e a faixa de suficiência.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro/dezembro  de 2018 da Revista Campo & Negócios Floresta. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Inicio Revistas Florestas Respostas florestais à nutrição das árvores