29.7 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiResultados dos setores de horticultura e fruticultura

Resultados dos setores de horticultura e fruticultura

Campo Futuro oportunizou levantar custos de produção da área de horticultura (foto Divulgação Banco de Imagens)

Os resultados dos painéis que levantaram os custos de produção da horticultura e fruticultura, no mês de agosto em Santa Catarina, foram recém-divulgados aos produtores do Estado. A iniciativa foi da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Centro de Inteligência de Mercado da Universidade Federal de Lavras (CIM/UFLA), com a parceria do Sistema FAESC/SENAR-SC e dos Sindicatos Rurais das regiões.

A proposta oportunizou calcular os custos de produção nas propriedades e disponibilizar informações sobre o mercado aos produtores. O presidente do Sistema FAESC/SENAR-SC, José Zeferino Pedrozo, destaca que os relatórios representam excelentes fontes de informações que servem como base para o planejamento de políticas adequadas para uma gestão de custos de acordo com a realidade de cada região. “Com os resultados dos painéis nas áreas de horticultura e fruticultura conseguimos avaliar o atual cenário e, com isso, pensar estratégias que possibilitem gerar renda justa aos produtores e, consequentemente, fomentar o desenvolvimento dos setores no Estado”. 

CAMPO FUTURO HORTICULTURA EM ITUPORANGA

O levantamento de custos de produção da cebola na região de Ituporanga foi realizado no dia 3 de agosto.  O painel de Ituporanga (SC) considerou que as propriedades típicas da região que produzem cebola, possuem 15 hectares, dos quais 6 hectares são cultivados com cebola. O sistema de cultivo é irrigado e semimecanizado, o preparo do solo é mecanizado, mas o plantio e a colheita são manuais. O plantio na região há predomínio de materiais de polinização aberta (OP), sendo 95% de materiais precoces vermelhos e 5% de roxo.

O ciclo da cebola gira em torno de seis meses, sendo que, após colhida, a produção é armazenada em galpões e comercializada de acordo com a demanda e o preço de mercado. Em razão a este processo, foi necessário considerar uma perda de 20% sob a produção, resultando na comercialização de 24 ton/ha.

Para análise econômica da cebola na região, foi definido o valor pago de acordo com a classificação da produção, tendo preço médio de R$ 1,39/kg. A produção desta propriedade foi classificada em: Caixa 2 (15%), Caixa 3 (75%) e Caixa 4 (10%).

Segundo os resultados do painel, o Custo Operacional Efetivo (COE) da produção de cebola na região é de R$ 1,07 por quilograma, ou R$ 25.675,16 por hectare cultivado. Vale destacar que o COE corresponde a todos os componentes de custos gerados pela relação entre os coeficientes técnicos ou a quantidade utilizada, e os seus preços, que remetem ao desembolso direto de recursos por parte do produtor. Também se enquadram os gastos administrativos e os custos financeiros para obtenção de capital de giro. Os componentes do COE são renovados em todo ciclo produtivo.

De acordo com o relatório, em termos de resultado e tomando como base a média dos preços pagos pelo quilograma de cebola R$ 1,39 na ocasião da realização do painel, a Margem Bruta (MB), obtida por meio da subtração entre a Receita Bruta (RB) e o COE, foi positiva em R$ 0,32 por quilograma. Já a Margem Líquida (ML), resultado da diferença entre a Receita Bruta e o Custo Operacional Total (COT), foi negativa em R$ 0,12 por quilograma. O resultado de exercício (Lucro/Prejuízo), representado pela diferença entre a Receita Bruta menos o Custo Total indica um prejuízo de R$ 0,41 por quilograma de cebola, resultando em um prejuízo de R$ 9.888,53 por hectare.

A receita do produtor foi de R$ 33.300/ha e está relacionada à produtividade e ao preço de venda do produto. Para esse modal vimos que a Receita (R$ 33.300/ha) foi superior ao COE (R$ 25.675,16/ha), porém inferior ao COT (R$ 36.081,03/ha) e ao CT (R$ 43.188,53/ha), tendo a rentabilidade “com terra” negativa (- 3,14%).

CUSTO DE PRODUÇÃO HORTICULTURA EM CURITIBANOS

No dia 2 de agosto ocorreu o levantamento de custos de produção do alho na região de Curitibanos (SC).  O painel considerou que as propriedades típicas da região que produzem alho, possuem 20 hectares e, destes, 2 hectares são destinados ao cultivo de alho. O sistema de cultivo é irrigado e semimecanizado, o preparo do solo é mecanizado, mas o plantio e a colheita são manuais. As variedades mais plantadas na região são Ito, Chonam e São Valentin.

Para análise econômica do alho na região foi definido o valor pago de acordo com a classificação da produção, tendo preço médio de R$ 8,32/kg. A produção foi classificada em: alho indústria (8%), Classe 2 (2%), Classe 3 (10%), Classe 4 (20%), Classe 5 (30%), Classe 6 (25%) e Classe 7 (5%).

Conforme o relatório com os resultados do painel, o Custo Operacional Efetivo (COE) da produção de alho na região é de R$ 7,38 por quilograma de alho. Os gastos com insumos participaram em 55,93% do COE. Destes, 13,37% corresponderam aos custos com fertilizantes e 7,99% com produtos fitossanitários. Já os custos com mão de obra e mecanização para condução da lavoura foram responsáveis por aproximadamente 10,99% do COE. Foi relatado também que alguns produtores utilizam sementes próprias, provenientes da safra anterior, no entanto, para título de análise, foi considerado o custo de aquisição e vernalização das sementes, que corresponderam a 27,29% do COE.

O relatório também aponta que os custos com as atividades de colheita e pós-colheita, que representam 18,07% do COE, compreendem aos custos com mão-de-obra (9 % do COE) composta pela contratação de pessoas eventuais responsáveis pela colheita e beneficiamento (limpeza, classificação e “amarrio”) do alho em galpão. Outros custos (9,07% do COE) são da aquisição de utensílios e caixaria utilizadas no beneficiamento.

O Custo Operacional Total (COT) resulta da soma entre o COE, as depreciações e o pró-labore, e indica a possibilidade de reposição da capacidade produtiva do negócio, além da remuneração do responsável pelo gerenciamento da atividade, que pode ser o próprio produtor. O COT da propriedade modal de alho em Curitibanos é de R$ 10,46 por quilograma do produto, dos quais as depreciações de maquinários, implementos, benfeitorias e lavouras representam 17,64% e o pró-labore 11,79%.

Em termos de resultado e tomando como base a média dos preços pagos pelo quilograma de alho R$ 8,32 na ocasião do painel, a Margem Bruta (MB), obtida por meio da subtração entre a Receita Bruta (RB) e o COE, foi positiva em R$ 0,94 por quilograma. Já a Margem Líquida (ML), resultado da diferença entre a Receita Bruta e o COT, foi negativa – R$ 2,12 por quilograma. O resultado de exercício (Lucro/Prejuízo), representado pela diferença entre a Receita Bruta menos o Custo Total indica um prejuízo de R$ 3,45 por quilograma de alho, resultando em um prejuízo de R$ 34.481,28 por hectare.

A receita do produtor foi de R$ 83.200/ha e está relacionada à produtividade e ao preço de venda do produto. Para esse modal vimos que a Receita (R$ 83.200/ha) foi superior ao COE (R$ 73.811/ha), porém inferior ao COT (R$ 104.585,08/ha) e ao CT (R$ 117.681,28/ha), tendo a rentabilidade “com terra” negativa – 12,26%.

CUSTO DE PRODUÇÃO DA MAÇÃ EM SÃO JOAQUIM

Os produtores de São Joaquim (SC) participaram do levantamento de custos de produção da maçã no dia 5 de agosto.  O painel de São Joaquim (SC) considerou propriedades típicas da região que produzem maçã, com sistema de cultivo não irrigado e manejo semimecanizado. As variedades mais plantadas na região são a Fuji, ocupando 60% do pomar, e a Gala, ocupando 40%.

O levantamento apontou que o modelo de financiamento adotado pelos produtores na região é dependente dos recursos de terceiros, sendo responsáveis por aproximadamente 60% dos recursos financeiros necessários para arcar com as despesas referentes ao custeio das propriedades típicas. Esses recursos são provenientes do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF).

Analisando o cenário de custo de produção, o Custo Operacional Efetivo (COE) da produção de maçã na região é de R$ 1.146,36 por tonelada. De forma pontual os gastos com insumos ocuparam 24,78% do COE, sendo que 18,15% corresponderam apenas aos custos com produtos fitossanitários e 6,63% aos fertilizantes. Já os custos com mão de obra para condução da lavoura foram responsáveis por aproximadamente 25,93% do COE.

Em termos de manejo da lavoura, a colheita é realizada manualmente. Outra informação levantada indicou que há a necessidade de contratação de “safristas” para a colheita e pós-colheita. Nesse sentido, os custos com a mão de obra para a colheita representam 9,45% do COE enquanto a atividade em si, considerando a mão de obra e outros fatores, representa aproximadamente 28,04%.

Outros itens de custos, definidos como Gastos Gerais representaram 8,86% do COE. Sendo que as operações de manutenção de máquinas, implementos e benfeitorias corresponderam a 4,11% dos custos de desembolso na atividade.

Segundo o relatório, em termos de resultado e tomando como base a média das cotações da maçã em R$ 1.525,00 por tonelada no mercado físico da região na ocasião da realização do painel, a Margem Bruta, obtida por meio da subtração entre a Receita Bruta e o COE, foi positiva em R$ 378,64/tonelada. A Margem Líquida (RB – COT) também foi positiva em R$ 93,71/tonelada. Já o resultado de exercício (Lucro/Prejuízo), representado pela diferença entre a Receita Total menos o Custo Total (CT) indica um prejuízo de R$ 127,11 por tonelada.

A receita do produtor é de R$ 68.625,00/ha e está relacionada a produtividade e ao preço de venda do produto. Para esse modal observa-se que a receita foi superior ao COE que apresentou o valor de R$ 51.586,40/ha, ao COT que foi orçado em R$ 64.408,24/ha e inferior ao CT que foi de R$ 74.344,80/ha.

ARTIGOS RELACIONADOS

EPAMIG e UFV distribuem mudas de plantas medicinais para agricultoras da Zona da Mata de MG

Objetivo do projeto é incentivar o cultivo para geração de renda de agricultoras familiares do município de Diogo de Vasconcelos (MG)

Produtos biológicos para soja movimentaram US$ 200 milhões

Crescimento das vendas no ciclo 2019-20 foi de 30%, conforme o BIP da Spark Inteligência Estratégica

Como viabilizar o manejo sustentável da terra e da natureza?

Assista ao vídeo apresentado por Fabiana Trebilcock, Gerente de Comunicação Externa da Syngenta Proteção de Cultivos, e descubra o que as pessoas pensam e entendem sobre essa abordagem.

Dicas para evitar perdas na reta final da safra

Na maior parte das áreas, os agricultores preparam-se para colher os grãos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!