16.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesSafra de tomate industrial 2024 retrocede e deve voltar ao patamar de...

Safra de tomate industrial 2024 retrocede e deve voltar ao patamar de 2022

Análise da Tomate BR considerou o cenário vivenciado pelas lavouras de todo o país, que tem enfrentado desafios como as condições climáticas e a presença de pragas, como a mosca branca

Divulgação

Os produtores do tomate industrial brasileiro vivem mais um ano desafiador. É o que aponta o recente levantamento feito pela Tomate BR, associação brasileira dos processadores e utilizadores de tomate industrial. De acordo com o órgão, as condições climáticas adversas, devido a presença do evento El Niño, e a alta proliferação de pragas, como a mosca branca, devem afetar consideravelmente a produtividade das lavouras, com expectativa de retorno ao patamar de 2022.

Segundo Vlamir Breternitz, diretor da Tomate BR, a área de cultivo deve ultrapassar 19 mil hectares, uma revisão das projeções divulgadas pela associação no início deste ano, quando se esperava um aumento de 7% do espaço ocupado pelas plantações. A produção deve alcançar em torno de 1,7 milhão de toneladas e os números das colheitas devem ficar bem próximos dos registrados em 2022, conforme mostra a projeção mais recente da entidade.

“O ano de 2023 foi um dos mais rigorosos da última década com o tomate e este ano as projeções eram mais otimistas, porém estamos enfrentando diversas dificuldades. As altas temperaturas nos meses de janeiro, fevereiro e março contribuíram para a ponte migratória de agentes transmissores de viroses, a exemplo da mosca branca, vindos de culturas como a soja. Com isso, as primeiras lavouras sofreram sérios danos e algumas tiveram até mesmo que ser erradicadas”, explica Breternitz. 

Ainda sobre as adversidades climáticas, de acordo com o diretor da Tomate BR, as chuvas intensas, registradas no mês de março, dificultaram também o transplante das mudas, atrasando o cronograma e reduzindo a área de algumas lavouras.

“Os produtores perderam muitas mudas ainda em viveiro, devido a este atraso no transplante. E alguns reduziram o espaço do plantio justamente para não adentrarem suas colheitas em meses de maiores riscos climáticos, levando em conta que a partir do segundo semestre teremos a presença de outro evento climático, a La Niña, caracterizada por fortes chuvas a partir do mês de setembro, nas regiões onde se concentram as principais lavouras do país”, conclui o executivo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Tecnologia ajuda ter maior rentabilidade

Nas últimas semanas a rotina do produtor rural e engenheiro agrônomo, Thomás Traldi Chiari, tem sido agitada, devido principalmente a finalização da compra dos insumos para o próximo plantio de soja, em meados de setembro.

Cultivo protegido – Técnicas para inibir doenças

Rafael Campagnol Doutor e professor de Fitotecnia - Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá rafcampagnol@hotmail.com Giovani de Oliveira Arieira Professor de Fitopatologia -  Universidade Federal de...

IHARA lança PRIVILEGE, primeiro inseticida que combate todas as fases da mosca-branca

    Produto elimina desde ovos até a mosca-branca adulta nas culturas de soja, feijão, algodão e tomate   Especializada em tecnologia para proteção de cultivos, a IHARA apresenta...

Vantagens do plantio de morangos em slabs

Heini Cesar Holler Engenheiro agrônomo da Bella Horta Estufas Agrícolas bellahorta@viavale.com.br Os slabs, que são sacos de polietileno preto e branco para serem preenchidos com substratos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!