19.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 20, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasSafra de trigo 24/25: entenda a situação no Brasil e na Argentina

Safra de trigo 24/25: entenda a situação no Brasil e na Argentina

O material foi produzido por Sol Arcidiacono, Chefe de Grãos LATAM, Andrey Cirolini, Gerente de Relacionamento, e Alef Dias, Analista de Inteligência de Mercado da Hedgepoint

Trigo – Crédito: shurtterstock

A safra 24/25 de trigo no Brasil e na Argentina é extremamente importante para ambos os países. Afinal, eles têm uma importante relação comercial: os argentinos são os principais fornecedores de trigo para os brasileiros.

São inúmeras as variáveis que podem afetar o mercado de trigo nessas duas nações. Os desafios climáticos e a própria oferta da Rússia afetam os preços e a tomada de decisões dos agricultores em todo o mundo.

Os especialistas da Hedgepoint Global Markets, Sol Arcidiacono, Chefe de Grãos LATAM, Andrey Cirolini, Gerente de Relacionamento, e Alef Dias, Analista de Inteligência de Mercado, explicam as principais perspectivas para a safra de trigo no Brasil e na Argentina,

Produção russa influencia colheita de trigo no Brasil e na Argentina

Para entender o cenário do mercado de trigo Brasil e na Argentina, é preciso entender a situação da safra na Rússia. A Rússia é o maior exportador dessa commodity no planeta.

As condições para o ciclo de inverno no Hemisfério Norte foram muito positivas nos últimos dois meses. A estimativa é de um bom volume exportado, totalizando cerca de 50 milhões de toneladas, com grande oferta e aumento da área plantada. No entanto, o clima na região vem mudando e há preocupações com a umidade do solo:

“Começou a chover menos na Rússia, com períodos de seca. Em geral, ainda temos indicações de bons insumos para o ciclo 24/25, mas pode haver uma mudança nas próximas semanas e meses”, explica Alef Dias.

Na União Europeia, houve fortes chuvas no final de 2023 e início de 2024. A dinâmica comercial de países como Romênia e Bulgária ficou comprometida, assim como uma redução significativa no plantio de trigo na França.

Brasil: menor área plantada e riscos climáticos

A catástrofe climática no Rio Grande do Sul não deixou nenhuma referência de preço para o trigo brasileiro. No que diz respeito à nova safra, ainda há tempo para que o plantio ocorra após as condições climáticas e logísticas voltarem ao normal.

No entanto, com o fim do fenômeno El Niño no Brasil e a probabilidade de La Niña durante o inverno, a produção caminha para um momento de transição. Nesse contexto, poderia ocorrer a seguinte situação:

“Há risco de mais estiagem durante o período em que a safra estiver estabelecida. No entanto, há menos chance de muita chuva, principalmente na época da colheita. Foi o que vimos no ano passado no Rio Grande do Sul”, explica Cirolini.

Outro destaque é a redução da área plantada com trigo no país. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projeta uma queda média de 4,7% na área semeada em relação à temporada anterior. A queda se deve principalmente ao Rio Grande do Sul e ao Paraná, que reduziram a área em cerca de 100 mil hectares.

“Em 2023, os produtores enfrentaram muita chuva durante a safra, com perda de quantidade e qualidade do trigo. Com um cenário mundial de muita oferta de trigo, não houve compensação nos preços, resultando em menos competitividade”, diz o gerente de Relacionamento da Hedgepoint.

O Rio Grande do Sul vive atualmente sua maior tragédia climática da história. Será essencial monitorar as repercussões dos eventos recentes e como eles afetarão a produção de trigo.

“O período normal de plantio no Sul é em meados de junho. Por isso, esperamos que os produtores não sejam fortemente impactados”, diz Cirolini.

Alef Dias também ressalta a importância de analisar como as enchentes afetarão a área plantada:

“Vamos precisar analisar como as condições climáticas no Rio Grande do Sul vão afetar a área plantada. Inicialmente, esperava-se uma área plantada menor, mas com melhor produtividade, o que gera compensação na produção total”, explica.

Argentina: recuperação da umidade do solo traz boas perspectivas

A Argentina é o principal produtor de trigo da América do Sul. Segundo Sol Arcidiacono, a recuperação da umidade do solo e a redução dos preços dos fertilizantes reforçam as expectativas de uma boa safra:

“Esse é um ótimo começo. Também vimos uma queda no preço da ureia, que é usada para fertilizar o trigo. Esses dois aspectos são fundamentais para o cálculo da margem do produtor, que define as intenções de plantio”, diz.

A ativação tardia do El Niño causou chuvas abundantes durante março e abril em toda a área agrícola do país. Como resultado, espera-se que as reservas do perfil se recuperem drasticamente.

Percentual de água útil no perfil

Mais perto da fase de plantio, apoiada também pela boa recuperação vista nos preços internacionais, a Argentina espera ver algum aumento de área, mais perto de recorde. O último número oficial foi revisto para 6,20 M has (Bolsa de Cereales), a partir da ideia preliminar de 5,9 M tem, já que as condições de mercado e clima têm favorecido os agricultores na decisão de plantio.

Alterações na área semeada para trigo

Os produtores argentinos se preparam para iniciar o plantio em junho. Em seguida, eles estão analisando a umidade, os preços globais do trigo e o preço dos insumos:

“Diante do cenário atual, esperamos cerca de 50% a mais de recuperação da produção argentina em relação ao ano anterior, que foi de 12 milhões de toneladas e isso impulsionaria a participação exportadora, com a necessidade de buscar destinos extras além do Brasil”, disse Arcidiacono.

Além disso, há chance de que a área plantada com milho diminua devido aos possíveis efeitos do La Niña, já que eles podem ser mais intensos nessa cultura. Isso é um incentivo para aumentar o plantio de trigo e o plantio de soja durante o final da primavera/verão.

Nesse sentido, o clima e a rentabilidade econômica criam um panorama complexo para os produtores decidirem se querem plantar trigo.

Qual a relação entre os mercados brasileiro e argentino de trigo?

A evolução da safra brasileira de trigo influencia os agricultores argentinos, pois eles podem estar em desvantagem competitiva se a produção brasileira for substancialmente maior. Outro fator é o crescimento das importações de trigo russo para o Brasil.

Desde que a Argentina apresentou uma queda significativa em sua safra de trigo de 2023, a Rússia se tornou o segundo principal fornecedor da commodity para o Brasil, aumentando a participação.

Se o Brasil comprar menos trigo argentino, os produtores argentinos poderiam expandir as vendas para países como Indonésia, Vietnã e Filipinas. Em outras palavras, eles estarão competindo com a Rússia e outros países da região do Mar Negro com preços historicamente mais baixos:

“Por exemplo, nos últimos dois anos, o Brasil teve uma safra recorde. Então, compensaram a menor oferta da Argentina”, explica o Head de Grãos LATAM da Hedgepoint.

ARTIGOS RELACIONADOS

Manejos do trigo que você ainda não conhece

O desenvolvimento da planta de trigo se dá por cinco fases: germinação da semente; emergência da plântula; perfilhamento; alongamento; espigamento e maturação.

Cenoura: Área maior define queda nos preços

A produção brasileira, em 2019, deve girar em torno de 750 a 780 mil toneladas e a área de produção deve ficar entre 14 a 14,5 mil hectares.

Algas podem melhorar a eficiência dos fungicidas

Luís Antônio Siqueira de Azevedo Professor de Fitopatologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e diretor técnico da LASA Suporte em Proteção de...

Trigo safrinha ganha espaço no Cerrado

Na região chamada de Brasil Central, que engloba os estados de Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!