Inicio Revistas Grãos Secagem estática do café – Tecnologia sem movimentação dos grãos

Secagem estática do café – Tecnologia sem movimentação dos grãos

0
284

 

Carlos Henrique Cardeal Guiraldeli

Engenheiro agrônomo

cguiraldeli@gmail.com

 

Crédito O'Coffee
Crédito O’Coffee

O mercado altamente competitivo da cafeicultura contemporânea tem forçado os cafeicultores a buscar uma produção cada vez mais sustentável. O custo de produção aliado à qualidade física e sensorial dos grãos tem se destacado dentre os pontos mais relevantes para o sucesso da atividade.

Diante deste cenário, tecnologias que permitam a redução de custos, principalmente na colheita e pós-colheita, e a produção de cafés com qualidade mínima padrão, tipo 6 bebida dura (Instrução Normativa N°08, MAPA, de 11 de junho de 2003), se fazem altamente viáveis.

Neste contexto, os secadores estáticos vêm despertando a curiosidade e o interesse dos cafeicultores. Porém, o que poucos sabem é que não se trata de uma tecnologia nova – relatos já eram citados em trabalhos técnicos e científicos na década de 1960. Mas, a tecnologia recentemente reapresentada, segundo os fabricantes, quebra paradigmas técnicos de dinâmica de secagem, gerando polêmica entre os especialistas da área.

Vantagens do secador de café estático

Dentre as vantagens do sistema de secagem estática, pode-se citar o menor investimento inicial na aquisição e instalação do equipamento, baixo consumo de energia devido à dispensabilidade de revolvimentos dos grãos, menor investimento na construção de pavimentos para secagem ao sol e baixa necessidade de mão de obra.

Os secadores estáticos utilizam o sistema de secagem em camada fixa, ou seja, a massa de frutos uniformemente distribuída na câmara de secagem permanece em repouso, enquanto o fluxo ascendente de ar aquecido e seco percola os poros de toda a massa e, uma vez em contato com os frutos, promove a secagem.

Trata-se de uma estrutura em aço, podendo ou não ser parcialmente construída em alvenaria, a qual pode comportar os mais variados volumes de café. O interior da câmara de secagem é composto por chapa de aço perfurada, responsável por realizar a distribuição do ar aquecido pela massa de frutos. Uma tubulação acoplada à turbina e à fornalha, ou similar, promove o aquecimento e condução do ar aquecido até a câmara de secagem.

Vantagem de eliminar a seca no terreiro

Nos últimos anos, chuvas durante o período de safra, principalmente da região Sul de Minas, maior produtora de café do mundo, vêm causado dificuldades no sistema de secagem do café em terreiro a pleno sol. Tal fato, aliado à escassez e alto custo de mão deobra, promove a alta busca por alternativas de secagem do café que dispensem o uso de terreiros.

É importante ressaltar que os secadores estáticos se caracterizam como equipamentos extremamente técnicos no manejo de secagem. No processo de aquisição do produto, deve-se solicitar ao fabricante informações e treinamento adequado, a fim de produzir cafés sem defeito.

 

Secagem de café em terreiro - Crédito Marcelo André
Secagem de café em terreiro – Crédito Marcelo André

Tempo de secagem

Segundo diversos fabricantes de secadores estáticos, o tempo médio de secagem do café recém-colhido até o teor de água de 11,5% (b.u) pode variar entre 80 e 120 horas para cafés naturais e 60 a 80 horas para cafés cereja descascados sem mucilagem.

Em secadores convencionais, como o secador rotativo ou pré-secador, o tempo médio de secagem do café natural para a região Sul de Minas pode variar entre quatro a cinco dias de terreiro, seguido de aproximadamente 60 horas de secagem mecânica.

Para cafés cereja descascados, nas mesmas condições, o tempo de secagem pode variar de dois a três dias de secagem em terreiro, seguido de aproximadamente 50 horas de secagem mecânica.

Custo

O custo de implantação dos secadores estáticos varia de acordo com o modelo, capacidade e fabricante, podendo ficar entre R$ 23 mil e R$ 120 mil. Neste modelo de secador, o custo de implantação está associado, em grande maioria, à aquisição do equipamento, uma vez que os custos com estrutura para instalação são inferiores, quando comparados aos dos secadores convencionais.

Para a produção de cafés commodities, o custo de secagem por medida de 60 litros de café pode reduzir até 40%. Com base nesta informação, para uma fazenda de 100 hectares que empregar 100% do sistema de secagem estática, o investimento se paga em uma safra.

Economia

Dentre as economias obtidas pelo cafeicultor com a adesão ao sistema de secagem estática, podemos citar a redução significativa no custo de produção na fase de pós-colheita, aumento significativo no fluxo de café na pós-colheita devido à rápida secagem e diminuição de riscos devido às intempéries climáticas durante a secagem a pleno sol em terreiros.

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

SEM COMENTÁRIO