22 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosSecagem requer critérios para não perder a qualidade dos grãos

Secagem requer critérios para não perder a qualidade dos grãos

Wolmer Brod Peres

wolmerbp@gmail.com

Maria Laura Gomes Silva da Luz

Carlos Alberto Silveira da Luz

Gizele Ingrid Gadotti

Professores do Curso de Engenharia Agrícola e Pós-graduação em Engenharia de Biossistemas, Centro de Engenharias ” UFPel, membros da área de Engenharia de Processamento de Produtos Agrícolas

 

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

A secagem tem a finalidade de reduzir o conteúdo de umidade dos grãos e sementes a um nível adequado para que sejam executadas as operações de beneficiamento e para manter o produto em armazenamento seguro até sua comercialização, permitindo, com isso, que o produtor negocie seu produto em um melhor momento, que é fora do período de safra.

A secagem, por diminuir a atividade metabólica do produto e de seu ecossistema, garante uma armazenagem segura e prolongada. Também pode contribuir para a diminuição do ecossistema patógeno, diminuindo riscos de formação de micotoxinas, que são, na maioria, substâncias cancerígenas para humanos e animais, garantindo que os alimentos produzidos com esses grãos sejam mais seguros.

Menos umidade

A redução da umidade faz diminuir a água disponível no produto que, de outro modo, seria aproveitada por microrganismos, como fungos, que podem ser toxigênicos, além de diminuir o metabolismo da massa armazenada, retardando todas as reações bioquímicas dos grãos e sementes que levam à perda de qualidade, podendo atingir, inclusive, a deterioração do produto.

A velocidade de secagem é de fundamental importância quando se consideram tempo e deterioração do produto. A secagem natural, ainda na lavoura, não permite obter um produto de qualidade devido à desuniformidade da maturação dos grãos, dentro da planta e entre plantas, além das condições climáticas adversas.

A secagem com ar forçado é uma operação essencial para se obter um produto de alta qualidade, e para tal são utilizados secadores com desenhos modernos, que conservam as características do produto e com bom aproveitamento energético. A qualidade diz respeito à manutenção da aparência e das propriedades nutricionais dos grãos e da viabilidade, no caso de sementes.

Wolmer Peres, Maria Laura, Carlos Alberto e Gizele Gadotti, da UFPel - Crédito Arquivo pessoal
Wolmer Peres, Maria Laura, Carlos Alberto e Gizele Gadotti, da UFPel – Crédito Arquivo pessoal

Qualidade em risco

A perda de qualidade é devida, principalmente: aos danos mecânicos; à descoloração; ao ataque de insetos e à ocorrência de micotoxinas; e nas sementes à diminuição de germinação e de vigor. Estas perdas são ocasionadas: por problemas na lavoura, na colheita, por ataque de insetos, por contaminação com fungos e bactérias, infestação de ácaros ou roedores e por teores de água elevados, ocasionando aumento de metabolismo.

Para evitar estes problemas devem ser utilizadas técnicas adequadas de pré e pós-colheita, de modo a manter a boa qualidade do produto. Uma das técnicas mais importantes é a secagem de grãos e sementes.

A secagem

O processo de secagem envolve transferência de calor e massa entre o produto e o ar secante, de modo que o ar e o produto fiquem em equilíbrio térmico e higroscópico. A água do produto é removida na forma de vapor e é absorvida pelo ar circundante. Portanto, o produto tem que estar envolto por uma massa de ar seco capaz de absorver a água removida dos grãos e retirá-la da massa de grãos por uma corrente de ar forçada, em geral, por um ventilador.

O processo

Logo após a maturidade fisiológica, as sementes ainda unidas à planta-mãe iniciam o processo de perda de água ou secagem natural. Esse processo ocorre na natureza para que as sementes sejam dispersas mais facilmente por seus vetores, como os pássaros ou o vento, e para que mantenha sua viabilidade até encontrar um local ideal para se propagar.

Nas espécies cultivadas para fins comerciais, bem como para a alimentação humana, entre o ponto de maturidade fisiológica e o momento da colheita, os grãos, ainda na lavoura, deverão perder água até atingirem o ponto de fácil colheita mecânica. Neste intervalo de tempo pode ocorrer diminuição da qualidade.

O teor de água

É fundamental o conhecimento dos conceitos de teor de água (ou grau de umidade) antes mesmo de se conhecerem os conceitos de secagem.

A água é classificada em quatro tipos, conforme se fixa nas células que compõem grãos e sementes. O primeiro tipo, ou água monomolecular, possui teor entre 0 a 5%, sendo fortemente absorvida e ligada intimamente às moléculas, por meio das Forças de Van der Waals.

Essa matéria completa você encontra na edição de dezembro 2015  da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Gesso enriquece as camadas subsuperficiais do solo

  Ernani Lopes Possato Engenheiro florestal e doutor da Universidade Federal de Uberlândia " Campus de Monte Carmelo epossato@yahoo.com.br O gesso contém sulfato em sua composição, e por...

Portfólio de soluções da AgroFresh na Fruit Logistica

Os especialistas pós-colheita da AgroFresh estarão na Fruit Logistica, disponíveis no pavilhão 21, estande D-20 da AgroFresh, para falar sobre tecnologias inovadoras que ajudam a reduzir o desperdício de alimentos e a prolongar a qualidade da fruta.

Floral Atlanta – 30 anos de mercado

A Floral Atlanta teve suas expectativas atendidas durante a Hortitec, com o movimento equilibrado de pessoas e alta qualidade de público. “Nossa proposta de...

Brasil é o terceiro maior produtor de banana

  Com produção de sete milhões de toneladas, o Brasil pretende liderar a produção de bananas, com crescimento previsto para os próximos anos   Luiz Marcelino Vieira Economista...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!