26.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosSegunda geração de biopesticidas revoluciona a agricultura

Segunda geração de biopesticidas revoluciona a agricultura

 

Iracema de Oliveira Moraes

Engenheira de Alimentos e presidente da PROBIOM – Tecnologia Pesquisa e Desenvolvimento Experimental em Ciências Físicas e Naturais

iomoraes@hotmail.com

 

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

A segunda geração de biopesticidas, representada pelos inseticidas microbianos, trouxe muitas perspectivas para o controle biológico de pragas, embora esse tipo de inseticida represente ainda uma diminuta fração, em termos de vendas. Os produtores têm muita pressa em acabar com as pragas e os biológicos atuam num ritmo mais lento, porém, seguro.

Culturas favorecidas

Existe um grande leque de biopesticidas e o número de culturas favorecidas é muito diversificado. O maior programa de controle biológico de pragas atinge a cultura canavieira. A cultura da soja, do algodão, de hortaliças, de frutas e flores, a cultura orgânica, etc. são exemplos importantes. Ao Bacillus thuringiensis são suscetíveis mais de 150 pragas da agricultura

Para este fim, especialmente bactérias e fungos têm um grande emprego como bioinseticidas.

Pesquisas

Existe um grande número de instituições desenvolvendo pesquisas nessa área e muitas dissertações de mestrado e teses de doutorado contemplam o tema. As empresas biotecnológicas implantadas no Brasil, nos últimos 20 anos, têm uma grande demanda para o desenvolvimento de soluções de controle biológico. Estas se desenvolvem por processos fermentativos em processos submersos ou em estado sólido.

Tendência

Desafios e oportunidades se apresentarão para o desenvolvimento de alternativas de controle biológico, principalmente com a conscientização do consumidor, relativo ao uso de agrotóxicos indiscriminadamente.

O Brasil tem cerca de 500 pragas de importância econômica, das quais muitas já apresentam resistência aos agrotóxicos, sendo necessária a busca de outros bioprodutos. Um exemplo de praga “nova“ é a Helicoverpa armigera, que vem devastando culturas de soja, milho e algodão nas novas fronteiras agrícolas, em especial na Bahia.

Experimentos com variedades selecionadas de Bacillus thuringiensis vêm mostrando um grande potencial, mostrando que a técnica é promissora e pode ser utilizada sem medo.

Essa matéria você encontra na edição de janeiro 2016 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Matopiba se destaca por sua vocação agrícola

Região responde por 11% da soja, 32% do algodão, 8% do arroz e 5% do milho brasileiros Mais nova fronteira agrícola do país, o Matopiba...

Extratos vegetais – Arma eficiente contra pragas

Carlos Antonio dos Santos Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia - UFRRJ carlosantoniods@ufrrj.br Caio Soares Diniz Graduando em Agronomia - UFRRJ caiosoaresdiniz@gmail.com Margarida Goréte Ferreira do Carmo Engenheira agrônoma, doutora em...

Manejo integrado de solos é a nova revolução verde

AutoresRicardo Bemfica Steffen Doutor em Ciência do Solo e pós-doutor em Manejo Biodinâmico do Solo agronomors@gmail.com Gerusa Pauli Kist Steffen Doutora...

Fundação MT em Campo  – Sempre ao lado do produtor rural

Pelo quarto ano consecutivo, evento da Fundação MT cumpre com a difusão de informações   A Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!