25.6 C
Uberlândia
quarta-feira, junho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesSegundo dia do X Fórum da Abisolo aborda evolução tecnológica e inteligência...

Segundo dia do X Fórum da Abisolo aborda evolução tecnológica e inteligência de mercado

Divulgação

A 10ª edição do Abisolo – Fórum e Exposição, promovido pela Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo), foi realizada nos dias 05 e 06 de junho, no Expo Dom Pedro, em Campinas (SP), reunindo muito conteúdo com diversos especialistas da indústria de fertilizantes especiais, além de expositores do setor. Nesta quinta-feira, segundo e último dia do fórum, mais dois painéis trouxeram para debate os temas “Evolução Tecnológica do Setor” e “Inteligência de Mercado – Fertilizantes Especiais”. Nos dois dias de evento, mais de mil congressistas acompanharam os conteúdos de fertilizantes minerais, organominerais, orgânicos, biofertilizantes, condicionadores de solo e substratos para plantas.

O terceiro painel contou com o professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Átila Mógor, que apresentou os “Aspectos Fisiológicos da Absorção Foliar de Nutrientes”. Mógor abordou o processo de absorção de nutrientes aplicados nas folhas, um tema de vital importância para a agricultura.

O professor mostrou que a absorção vai além das cutículas das folhas. “A disponibilização dos nutrientes ocorre no interior do tecido foliar até a metabolização pelas células, em uma complexa dinâmica do apoplasto e sua interferência na disponibilidade dos nutrientes’”, explicou o professor.

Mógor detalhou como diferentes formulações influenciam a velocidade da disponibilização dos nutrientes, com ênfase nos processos fisiológicos que promovem ou limitam a disponibilização. “Fatores ambientais, como os estresses abióticos, também podem afetar a absorção e disponibilidade de nutrientes aplicados nas folhas, motivo pelo qual a utilização das formulações de fertilizantes especiais é fundamental para uma nutrição eficaz”, destacou Mógor.

A segunda palestra foi apresentada pelo engenheiro agrônomo e professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Fabrício Ávila Rodrigues, que abordou o tema “Interação Nutrição Mineral e Doença de Planta”. O conteúdo da palestra foi baseado na segunda edição atualizada do livro acadêmico “Nutrição Mineral e Doença de Plantas”, de Lawrence E. Datnoff e Wade H. Elmer, traduzido e editado pelo professor, com apoio da Abisolo.

Rodrigues destacou o papel da nutrição no combate de doenças das plantas. “A planta deve estar num estado nutricional adequado para suportar as alterações que ocorrem em sua fisiologia devido à doença”, disse o palestrante. Ele destacou que as consequências vão além da plantação. “As doenças afetam a quantidade e a qualidade dos produtos agrícolas, acordos comerciais, a saúde humana e a segurança alimentar, além da economia regional, nacional e mundial”, alertou o professor durante a palestra.

Ele ainda reforçou que os nutrientes oriundos de fertilizantes precisam ser aplicados de forma, na quantidade e hora corretas. “Esses nutrientes precisam estar dosados, porque em quantidades inadequadas também são maléficos”, alertou o professor ao mencionar que o papel cada nutriente no processo da doença deve ser visto no contexto holístico, considerando as inúmeras interações desses elementos nos tecidos da planta, a planta hospedeira, o sistema radicular e os micro-organismos benéficos.

Divulgação

Em seguida, o professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Sérgio Mazaro, foi o responsável pela apresentação do tema “Avanços e desafios no uso de agentes biológicos” e falou sobre os desafios no uso efetivo de insumos biológicos, apresentando os sete pilares para o sucesso com o uso desses insumos, com casos de aplicações em diferentes culturas e localidades.

De acordo com o professor, o uso dos biológicos deve ser orientado por sete pilares: produtos de boa qualidade, especificidade da cepa do isolado em função do uso que se quer dele, forma de aplicação para atingir o alvo pelo biológico, condições de aplicação, compatibilidade de acordo com outros produtos utilizados no manejo de pragas e doenças, tecnologias envolvidas e manejo do sistema.

Mazaro também abordou os avanços na indústria de formulação dos insumos biológicos e destacou os problemas que muitas vezes levam ao uso ineficiente desses microrganismos pelos produtores. Na lista de avanços citados pelo palestrante estão a ampliação do mercado, novos produtos e cepas, melhoria da qualidade e formulações mais efetivas.

Entre os desafios, ele listou a capacitação, melhoria da performance, a exploração do potencial metabólico, manejo de sistema e legislação específica do setor. “O mercado biológico ainda tem muita condição de crescer. Quem defende só o químico e quem defende só o biológico não tem sucesso. Tem que haver uma sinergia entre os dois”, orientou o palestrante.

Na última palestra do período da manhã, “Fertilizantes e Mitigação de Estresses Abióticos”, o professor da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Paulo Marchiori, abordou a importância da nutrição para a defesa da planta. “Quem quer produzir tem que permitir que a planta transpire e esse é o elemento mais importante para o crescimento e desenvolvimento dela, já que o principal agente estressor é a falta de água”, afirmou.

Em sua palestra, Marchiori apresentou uma conceituação teórica do que é este estresse e como os nutrientes minerais podem ajudar, além de alguns estudos de casos. “Manter uma planta bem nutrida, com o manejo dos nutrientes, é o primeiro passo para evitar situações de estresse e isso é feito por meio de alimentos minerais, olhando todo o sistema de forma holística.

Inteligência de Mercado

O quarto e último painel do X Abisolo – Fórum e Exposição foi dedicado à inteligência de mercado e ao uso de fertilizantes especiais em diferentes culturas. A primeira palestra ficou a cargo do diretor executivo LATAM da Kynetec, André Malzoni Dias, que apresentou o tema “Adoção e Potencial de Adoção dos Fertilizantes Especiais na Cultura da Soja”.

Dias compartilhou o painel de nutrição vegetal utilizado pela Kynetec, com dados quantitativos obtidos por três meses de entrevistas em mais de 675 cidades e explicou que o valor de mercado é calculado por meio do PAT (área potencial tratada). “Multiplicamos a área que o trator passou com o produto pelo número de aplicações e então pela quantidade de produto dentro do tanque. É o melhor indicador de adoção de tecnologia’, explicou Dias.

O palestrante também afirmou que o uso de fertilizantes para aplicação via folha tem avançado ao longo dos últimos anos. “Ainda há dispersões importantes quanto à adoção/intensidade nas regiões. O subsegmento de fertilizantes foliares possui maior adoção, chegando a quase 80%, seguido por tratamento de sementes, com 60%, e biofertilizantes, com 39%”, listou Dias.

Os biofertilizantes seguem com grande potencial de expansão, tanto em adoção como em número de tratamentos realizados por safra. De acordo com ele, a mudança da faixa etária dos decisores também influencia esse crescimento e as estratégias de marketing das empresas. O palestrante explicou que os novos decisores comparam preços e querem ver a aplicação: metade das vendas são baseadas em fornecimento nutricional, crescimento e desenvolvimento da planta, formação e enchimento dos grãos e 50% das compras são feitas por essas razões

O tema seguinte, “Adoção e Potencial dos Fertilizantes Especiais na Cultura do Milho”, foi apresentado pelo coordenador de projetos agronômicos da Céleres, Erickson Oliveira, que pautou sua apresentação em três pontos principais: cenário atual, visão de mercado do futuro e como participar desse mercado em crescimento?

A perspectiva de crescimento da cultura é de 12% a.a. pelos próximos anos e, na opinião do palestrante, é uma boa perspectiva. “É um crescimento arrojado, pautado também pela utilização de fertilizantes especiais na cultura do milho. Isso permite arrumar a casa, pensar em novas estratégias, novas eficiências”, disse Oliveira.

Divulgação

Quanto ao futuro, uma grande variável que traz otimismo em relação ao crescimento do mercado de fertilizantes especiais na cultura do milho é a área semeada. O Brasil exporta 50 milhões de toneladas ao ano. Para atender a demanda até 2033/34 será necessário exportar o dobro, 100 milhões de toneladas. “Isso será viável por meio da dobradinha soja e milho, que aumenta a margem da operação em 70%. Mas aumentar só a área não é suficiente. Precisa aumentar a produtividade em pelo menos 15%”, delineou o palestrante.

Para participar desse crescimento, Oliveira destaca a necessidade de mudar as estratégias. “Um líder de mercado precisa focar em inovação, direcionar a atenção do cliente, educá-lo a usar os produtos. Entregar não somente produto, mas conhecimento”, afirmou o palestrante ao comentar que um novo player precisa entender as dores que ainda não são atendidas e investir em pós-vendas, comunicação e treinamentos, portfólio variado e serviços.

A última palestra do X Fórum Abisolo ficou a cargo do engenheiro agrônomo e professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (ESALQ), Rafael Otto, que apresentou a “Adoção e Potencial de Adoção dos Fertilizantes Especiais na Cultura da Cana-de-Açúcar”. Otto abordou o que está acontecendo na cultura da cana em termos de novos produtos, com destaque aqueles que trazem maiores resultados e que possuem potencial para serem adotados.

Segundo Otto, o grupo de fertilizantes especiais, os estabilizados (ureia + NBPT) e os fertilizantes de liberação lenta ou controlada tendem a ter uma diminuição na demanda. Já na lista dos produtos que possuem alta de crescimento, ele listou biofertilizantes no sulco de plantio ou corte de soqueira, adubos organominerais (plantio e soqueira). adubo foliar e extrato de algas ou aminoácidos no manejo pré-seca. 

O quarto e último painel do X Fórum da Abisolo foi encerrado por uma mesa-redonda com os palestrantes do quarto painel, aberta às perguntas dos participantes, e mediada pelo vice-presidente do Conselho Deliberativo da Abisolo, Gustavo Branco.

ARTIGOS RELACIONADOS

Por que o ESG sem o G não funciona?

Para se ter uma ideia da importância da tecnologia nesse processo, a automatização do processo de cálculos da remuneração variável se tornou um dos requisitos, os chamados SOXs, para todas as empresas listadas nas bolsas de valores dos EUA.

Nova geração do agro impulsiona o processo de digitalização do setor

A evolução do agronegócio passa pela transformação digital do setor, realizada por meio ...

Automação eleva a produtividade final na lavoura

Com a tecnologia de acionamento elétrico para taxa fixa, através de dispositivos móveis, a dosagem e deposição no solo é mais precisa e há real controle do que acontece com o implemento durante a atividade,

Biotecnologia é aliada na alta produtividade

Visando proporcionar à classe produtora biosoluções eficientes para uma agricultura cada vez mais sustentável e rentável, a Superbac investe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!