18.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasSeringueira - Versatilidade e lucro na mesma espécie

Seringueira – Versatilidade e lucro na mesma espécie

 

Amauri Antonio de Mendonça

Engenheiro agrônomo da Casa da Agricultura de Álvares Florence/SP

amauri.am@cati.sp.gov.br

Estima-se que no Brasil exista 50 milhões de árvores de seringueira (Hevea brasiliensis) “em produção”, sendo que, destas, 22 milhões estão no Estado de São Paulo. Calcula-se hoje que este Estado possua mais de 50 milhões de pés de seringueira, com uma área plantada em torno de 100 mil ha, respondendo por mais de 50% da produção nacional de borracha natural, seguido por Mato Grosso 25% e Bahia 14%.

 Nova Imagem

Possibilidades de rentabilidade com essa espécie

Partindo do princípio que a borracha é matéria-prima estratégica para mais de 40.000 produtos, incluindo mais de 400 dispositivos médicos (MOOIBROEK & CORNISH, 2000) a seringueira possibilita:

-A produção de látex que transforma-se em borracha;

-Bom retorno econômico por hectare, principalmente para pequenos agricultores;

-Característica típica de floresta tropical, protegendo o meio ambiente;

-Suas sementes produzem óleos vegetais;

-Suas floradas propiciam a apicultura;

-O preço da borracha tende à valorização, pois os plantios não acompanham o aumento do consumo;

-Sua madeira é nobre, podendo ser utilizada na fabricação de móveis;

-Melhora a qualidade do solo, pois as folhas e galhos que caem se transformam em matéria orgânica;

-Valorização da terra que, com o plantio, chega a dobrar de preço;

-As fábricas de pneus vêm substituindo os pneus convencionais pelos radiais, que consomem o dobro de borracha;

-Não há substituto sintético, e nem outras plantas, que possam produzir o látex com a qualidade e o preço que a seringueira produz.

 Seringueira - versatilidade e lucro na mesma espécie - Crédito Miriam Lins

Importância do planejamento na seringueira

A instalação da cultura deve obedecer as exigências agronômicas, como escolha do local e tipo de solo (frequência e velocidade dos ventos, fertilidade, declividade e profundidade do solo), escolha do(s) clone(s), aquisição de mudas de viveiristas idôneos, seleção das mudas para plantio, o plantio e condução devem obedecer as exigências agronômicas, evitando em todas as fases da cultura a competição com ervas daninhas, principalmente braquiárias.

Manejo ideal da floresta

Em primeiro lugar, o heveicultor deve acompanhar as atualizações tecnológicas para evitar ou minimizar erros. Além disso, a cultura deve ser mantida sempre livre de ervas daninhas, devem-se coletar os galhos de desrrama e tirar fora da área de trabalho, realizar adubação orgânica e/ou química, de acordo com a análise de solo, definir a frequência da sangria e acompanhar periodicamente a sangria (consumo de casca, profundidade e inclinação do corte e respeito a geratriz).

Também é preciso obedecer as recomendações técnicas para estimulação química, realizar inspeções de rotina para verificar a sanidade das plantas (folhas e ramos), realizando tratamentos fitossanitários, se necessário, realizar o tratamento fitossanitário no painel de sangria, obedecendo as recomendações técnicas e, de preferência, a alternância dos produtos.

Cultura complementar

Os Sistemas Agroflorestais (SAFs) pressupõem o convívio, numa mesma área, de espécies de valor econômico com espécies da flora nativa. As vantagens para a implantação desses sistemas se resumem no fato de que a área com essa ocupação passa a ter um retorno econômico e possibilita, também, a recuperação florestal de áreas destinadas principalmente à Reserva Legal (RL).

No âmbito do Estado de São Paulo, a Lei n.º 12.927, de 23 de abril de 2008, regulamentada pelo decreto nº 53.939 de 06/01/2009, possibilita a recomposição de reserva legal, com a utilização de espécies arbóreas exóticas intercaladas com espécies arbóreas nativas de ocorrência regional ou pela implantação de Sistemas Agroflorestais (SAFs)(Manual Técnico CATI N.º 72).

Subprodutos da seringueira:

àMadeira (fase final de ciclo da cultura) – utilizado nos diversos segmentos.

à Óleo vegetal (sementes) – substitui o óleo de linhaça na indústria de tintas e na produção de sabão e resinas.

à Torta (após a extração do óleo) – alimentação de bovinos, suínos e aves.

à Mel (aproveitamento da florada).

Infelizmente, esses subprodutos são produzidos em pequenas ou nulas quantidades, ainda sem interesse econômico no Brasil.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de abril/maio da revista Campo & Negócios Floresta. Adquira a sua para leitura integral!

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Qual o manejo adequado para cultivo da pitaia?

A pitaia possui um alto valor no mercado nacional e internacional. No Brasil, o cultivo da iguaria deu início na década de 90, com produção concentrada...

Clones selecionados proporcionam produtividade média acima de 2 mil quilos

Trabalho de mais de 20 anos de melhoramento genético realizado por pesquisadores da Embrapa ...

Fosfito de potássio no controle de míldio da videira

Fabio Rossi Cavalcanti Engenheiro agrônomo, doutor e pesquisador da Embrapa Uva e Vinho fabio.cavalcanti@embrapa.br Vanessa Foresti Pereira Engenheiraagrônoma, doutora e coordenadora de pesquisa da Empresa Agroteste vanessaforesti@yahoo.com.br Pedro Martins Ribeiro...

VI Seminário Nacional de Tomate de Mesa reúne representantes do segmento

  Em sua sexta edição, o Seminário Nacional de Tomate de Mesa (6º SNTM) será realizado no Teatro UNIMEP em Piracicaba (SP) entre os dias...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!