19.6 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 12, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosSilício aumenta os nódulos na soja

Silício aumenta os nódulos na soja

Carla Verônica Corrêa

Doutoranda em Ciências Agronômicas pela UNESP – Botucatu

cvcorrea1509@gmail.com

Luís Paulo Benetti Mantoan

Doutorando em Ciências Biológicas pela UNESP ” Botucatu

 

 Créditos Shutterstock
Créditos Shutterstock

O silício é considerado um elemento benéfico, cujas respostas à sua aplicação são potencializadas em culturas submetidas a alguma forma de estresse. Esse fator torna o silício um elemento de extrema importância para a agricultura, uma vez que as culturas são submetidas às condições estressantes diariamente, seja por alterações de temperaturas, excesso ou falta de água, ataque de pragas e patógenos, desequilíbrio nutricional, condições físicas, químicas e biológicas do solo, aplicação de defensivos e tantas outras formas de estresse.

Diversas pesquisas associam o silício ao aumento no teor de clorofila e manutenção fotossintética, redução na transpiração, aumento na absorção de nutrientes, resistência a insetos, nematoides, fungos e bactérias. Ainda observa-se melhora da arquitetura das plantas, deixando-as mais eretas, o que permite melhor exposição das folhas aos raios solares e, assim, favorece a fotossíntese e a formação de microclima menos favorável (maior aeração) ao desenvolvimento de doenças e maior resistência ao acamamento.

No solo, o silício forma complexos com o alumínio, reduzindo sua toxidade, além da redução do efeito tóxico de B, Mn, Fe e metais pesados. Além disso, o silício desloca o fósforo reduzindo a adsorção desse elemento e aumentando sua disponibilidade para a cultura.

O caso da soja

A soja é considerada uma planta não acumuladora de silício, e assim os efeitos observados na cultura são mais visíveis quando a aplicação é realizada via foliar. Essa forma de aplicação é a mais eficiente para aumentar o teor foliar de silício em plantas eudicotiledôneas, proporcionando assim benefícios como proteção contra penetração de hifas de fungos.

No entanto, a aplicação via solo permite maior disponibilidade de fósforo e redução da toxidade por alumínio e, desta forma, a associação da aplicação via solo e foliar intensificam os benefícios proporcionados pelo silício.

A figura 1 representa os principais efeitos do silício que beneficiam as culturas.

Imagem - Silício aumenta nodulos de soja (apenas para visualização)

Fonte: Guntzeret al., 2012.

Ganho produtivo

No caso da soja, as pesquisas demonstram que a aplicação de silício pode elevar a produtividade em sacas por hectare. O elemento pode influenciar o metabolismo de compostos fenólicos, o que possivelmente traduz o seu envolvimento na síntese ou em processos bioquímicos de isoflavonoides relacionados à expressão dos genes que induzem à formação dos nódulos, aumentando a nodulação, e consequentemente, o crescimento e a produção da soja.

Algumas pesquisas demonstram aumento de até 19,5% na produção de grãos, incremento nos teores foliares de fósforo, potássio, cálcio e enxofre, além do aumento de nodulação com a aplicação de fontes de silício. Além disso, a aplicação de silício via solo aumenta a produtividade da cultura, inclusive influenciando a qualidade fisiológica das sementes, como o peso, podendo incrementar a produtividade.

Em leguminosas, como o feijão e a soja, o silício pode aumentar a biomassa total, o comprimento e a massa de raiz, quando esse elemento é fornecido juntamente às raízes.

Assim, em plantas que possuem o potencial para formação de nódulos, esse aumento no comprimento e na massa de raiz com a adição de silício contribui para o aumento de regiões com potencial para a infecção rizobial, e consequentemente, para o aumento na nodulação e a fixação de N2.

As pesquisas demonstram que a aplicação de silício na soja pode elevar a produtividade - Créditos Shutterstock
As pesquisas demonstram que a aplicação de silício na soja pode elevar a produtividade – Créditos Shutterstock

Manejo

No caso da soja, as aplicações variam conforme o produto a ser utilizado, podendo ser parceladas a cada 20 dias do pré-florescimento até o enchimento das vagens e antes da aplicação de herbicidas pós-emergentes, ou em quatro aplicações realizadas nos estádios V4 (três folhas completas expandidas), R1 (início do florescimento), R3 (início da frutificação) e R5 (início da formação das sementes).

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Soja: como lidar com diferentes condições climáticas?

Especialista explica que o excesso e a falta de água são prejudiciais para o plantio e a germinação, sendo o excesso hídrico mais limitante que o déficit

Adubação foliar é imprescindível no florescimento do algodoeiro

Juliano Gullo de Salvo Engenheiro agrônomo, mestre em Solos e Nutrição de Plantas e coordenador técnico da Green Has do Brasil detec@greenhb.com.br O algodoeiro é uma...

Produção de sorgo é alternativa viável no período de poucas chuvas

  Resistente à seca e às altas temperaturas, multifuncionalidade do sorgo garante renda para o produtor neste cenário de falta de água   Importante fonte nutricional para...

Bejo a Campo agora também é orgânico

A 11ª edição do Bejo a Campo aconteceu de 22 a 24 de agosto, em Bragança Paulista (SP)   Em sua 11ª edição, o Bejo a...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!