28.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesSilício em pimentão

Silício em pimentão

Controle da murcha de phytophthora

Cristiane de PieriBióloga e pós-doutora em Proteção de Plantas – UNESPpieri_cris@yahoo.com.br

Érika Cristina Souza da Silva CorreiaEngenheira agrônoma e professora – Centro Universitário Sagrado Coração (Unisagrado)erika.correia@unisagrado.edu.br

Pimentão – Crédito: Hidroceres

O pimentão (Capsicum annuum L.) é uma das principais hortaliças cultivadas no Brasil. Entre os Estados produtores, destacam-se Minas Gerais, São Paulo e Bahia.

Fitossanidade

Em campo aberto ou em ambiente protegido, as plantas podem ser afetadas por fatores estressantes, abióticos ou bióticos, isto é, causados por condições climáticas adversas, desbalanços nutricionais, pragas e doenças que resultam em perdas de produção.

A murcha ou requeima do pimentão, causada por Phytophthora capsici, representa uma das doenças mais importantes doenças para a cultura do pimentão em todo o mundo, principalmente quando as plantas são submetidas a altos índices de umidade e temperatura entre 25 e 30ºC. Além dessa solanácea, o patógeno também afeta mais de 40 gêneros de plantas.

Quando as condições ambientais são propícias para o desenvolvimento do patógeno, nota-se um crescimento esbranquiçado de aspecto cotonoso nos tecidos colonizados, que representam as estruturas vegetativas, (esporangióforos) e reprodutivas (esporângios) do patógeno.

Abertura

P. capsici é um patógeno de solo altamente agressivo que afeta o pimentão em qualquer estádio de desenvolvimento e penetra na planta por aberturas naturais ou ferimentos. Nos estádios de pré e pós-emergência, ocasiona sintomas típicos de podridão de raiz e colo, murcha e tombamento de plântulas (damping-off).

Em plantas adultas, pode causar murcha e necrose em folhas, hastes e frutos, levando a planta à morte. Por se tratar de um patógeno polífago, isto é, infecta muitas espécies de plantas, P. capsici se encontra amplamente distribuído nos solos cultivados, o que dificulta seu controle.

Dentre os métodos de manejo empregados em áreas de produção de pimentão infestadas com Phytophthora, destacam-se o tratamento de sementes com fungicidas, evitar plantios adensados e em áreas com histórico da doença, alqueive, adição de matéria orgânica no solo, irrigação por gotejamento, rotação de culturas com espécies de gramíneas e aplicação de silício (Si).

Silício

O silício é o segundo elemento mais abundante da natureza, logo após o oxigênio, porém, não se encontra na forma que as plantas são capazes de absorver. As principais fontes de silício são o silicato de cálcio, o silicato de sódio e o silicato de potássio.

Este elemento vem sendo empregado no manejo de Phytophthora e tem desempenhado diferentes funções no metabolismo vegetal, influenciando tanto no crescimento e na produção, quanto no aumento da resistência ao ataque de enzimas produzidas pelo patógeno.

A resistência da planta à doença está atrelada à formação de barreiras físicas que implicam em mudanças na anatomia, com células epidérmicas mais espessas e com um grau maior de lignificação e/ou silicificação, efeito que ocasiona dificuldade a penetração de microrganismos fitopatogênicos.

Além disso, também ocorrem alterações bioquímicas em resposta ao ataque do patógeno, por meio da formação de compostos fenólicos e aumento na atividade de enzimas que atuam no sistema de proteção da planta, como quitinases, peroxidases, lipoxigenases, polifenoloxidases, β-1,3-glucanases e fenilalanina amônia-liases.

O silício ainda pode atuar a nível molecular por meio da regulação de genes envolvidos no sistema de defesa das plantas. Diversos estudos têm demonstrado os efeitos positivos do silício sob a indução de resistência a doenças, por formar uma barreira mecânica e química contra patógenos, por reduzir a taxa de progresso da doença, por mitigar o tamanho das lesões e por restringir a produção de esporos que podem infectar outras plantas.

Atuação

A suplementação do solo com diferentes doses de silício elevou os teores de proteínas, peroxidases e quitinases em plantas de pimentão infestadas com P. capsici, além de propiciar incrementos na biomassa vegetal.

Dessa forma, o silicato pode ser utilizado como indutor de resistência, garantindo a produção agrícola sob condições de estresse. Em outras solanáceas, o efeito do silício sob o controle de Phytophthora também tem sido relatado.

Em tomateiro, a aplicação foliar de diferentes doses de silicato de potássio retardou o aparecimento da requeima e as plantas infectadas tiveram a severidade reduzida em 20%. Além da diminuição nos aspectos epidemiológicos, o estudo também apontou respostas de defesa aumentada pelo incremento da polifenoloxidase.

Em batata, a aplicação foliar semanal de silício reduziu em até 50% a severidade da requeima em relação às plantas que não receberam o elemento. Além disso, a aplicação foliar de silício aumentou a produção da cultura.

Portanto, há uma relação direta entre o silício e a resistência da planta à Phytophthora. Em grandes culturas, como a soja, a aplicação de silicato de potássio foi capaz de reduzir a severidade da ferrugem asiática, agente causal Phakopsora pachyrhizi. O elemento também influenciou de forma positiva no aumento de lignina nas folhas, que constitui uma barreira física levando à supressão deste patógeno.

Manejo

O fornecimento de silício pode ser realizado via solo ou mediante pulverização nas folhas com fontes solúveis. Contudo, como o silício não é considerado parte do grupo de nutrientes essenciais ou funcionais do ponto de vista fisiológico para o crescimento e desenvolvimento das plantas, não há recomendações precisas para a aplicação junto ao manejo de adubação convencional via solo.

O que se observa é que a adubação silicatada ainda não é amplamente utilizada na agricultura brasileira, diferente de outros países, como o Japão, Estados Unidos e África do Sul. Isso possivelmente deve-se aos poucos dados experimentais obtidos no Brasil, em comparação aos países anteriormente citados.

O incremento de silício pode ser obtido pela aplicação em sulco de plantio de 100 a 300 kg/ha e em área total entre 1,0 a 3,0 t/ha. A adubação silicatada deve ser conduzida no mês que antecede o plantio e com umidade, para incorporação do elemento no solo.

Adicionalmente, o produto também pode ser misturado com micronutrientes, fungicidas e outros produtos fitossanitários no processo de aplicação foliar.

Custo

Quanto ao custo do silício, a média é de R$ 80,00/ha, mas este valor é variável e dependente da fonte e da forma que a aplicação será realizada, se em sulco de plantio ou em área total, por exemplo.

Diante do contexto, o silício representa um papel importante nas relações Phytophthora-pimentão por proporcionar à planta condições favoráveis para superar o ciclo de parasitismo. Além disso, representa uma tecnologia promissora para reduzir o uso de defensivos em sistemas de produção, e ao mesmo tempo aumentar a produtividade da cultura.

ARTIGOS RELACIONADOS

Severidade da ferrugem do alho

A severidade da ferrugem no alho demanda estratégias eficazes para preservar a saúde das plantas e garantir uma colheita robusta.

Silício também controla nematoides de solo

Os nematoides parasitas de plantas podem ser encontrados em diversas culturas agrícolas de valor comercial, como: soja, milho, feijão, cana-de-açúcar, café, eucalipto, olerícolas e frutíferas. Em função disso, podem restringir as opções do produtor rural nas culturas de rotação e nos manejos empregados para reduzir a população de nematoides em determinada área.

Sakata lança pimentões que reduzem uso de defensivos na produção

  As novas variedades são mais saudáveis para os consumidores e mais lucrativas para os produtores Mais uma importante revolução acaba de se consagrar no...

Algas marinhas auxiliam na redução de fungos

O manejo de doenças em plantas ainda representa um desafio quando se almeja ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!