27.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosSilício evita entrada de diversos patógenos na couve-flor

Silício evita entrada de diversos patógenos na couve-flor

Crédito: Shutterstock

Liliane Marques de Sousa
Engenheira agrônoma e mestranda em Fitotecnia – Universidade Federal de Viçosa (UFV)
liliane.engenheira007@gmail.com
Walleska Silva Torsian
Engenheira agrônoma e doutoranda em Fitotecnia – ESALQ/USP
walleskatorsian@usp.br

As hortaliças têm alto valor nutricional e são bastante expressivas em todo o País, principalmente no Estado de São Paulo, considerado um dos principais produtores e consumidores.

A couve-flor está entre as 15 hortaliças mais consumidas no Brasil. Possui cerca de 93% de água, sais minerais e vitaminas de extrema importância para o corpo humano, além de ser uma excelente fonte de potássio e possuir poucas calorias.

Em 2020, foram comercializadas pouco mais de 80 mil toneladas de couve-flor, destacando-se os Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com 86% da produção. Foram movimentados cerca de R$ 272 milhões para os quase três mil hectares de couve-flor no Brasil. 

Vista de perto

A couve-flor pertence ao grupo das Brassicaceae, mesmo do repolho e da couve-manteiga. A hortaliça em questão possui folhas alongadas, raízes com até 20 cm de profundidade e uma inflorescência imatura que está localizada sobre um curto caule, com coloração branca, amarela, creme e com o melhoramento genético, verde e roxa.

É considerada uma hortaliça de clima frio, exigindo baixas temperaturas entre as fases vegetativa e reprodutiva. A couve-flor é uma planta alógama, ou seja, a polinização depende de insetos.

Condições para o plantio

Para o cultivo de couve-flor são necessárias temperaturas entre 14 e 20°C. O cultivo acima de 25°C ocasiona a má formação da inflorescência, e temperaturas perto ou abaixo de 0°C causam injúrias, devido ao congelamento.

A couve-flor necessita de solos mais argilosos, com alto teor de matéria orgânica e bem drenados, é pouco tolerante à acidez e exige um pH entre 6 e 6,8. A calagem e a adubação são essenciais, mas, para isso, é necessário realizar a análise de solo, sempre com a presença de um engenheiro agrônomo.

O ideal é elevar a saturação por bases a 80%. Deve-se aplicar o calcário durante o preparo do solo.

Adubação

O nitrogênio e o potássio são os mais consumidos pela cultura e influenciam diretamente a produtividade. O enxofre e o cálcio também são importantes para o crescimento da inflorescência.

O nitrogênio está ligado ao desenvolvimento vegetativo rápido, influenciando o crescimento da inflorescência.

TRANI et al. (1996) relata que a couve-flor é bastante exigente em micronutrientes como o boro, cobre, ferro, molibdênio, manganês e zinco, destacando principalmente o boro e o molibdênio. A deficiência em micronutrientes inviabiliza a produção devido à má formação da inflorescência.

Silício

Crédito: Sipcam Nichino

O silício é o segundo elemento mais abundante, por ser o principal constituinte do solo mas, isso não garante que a planta o absorva diretamente. Mesmo não sendo um elemento essencial às plantas, se mostra bastante importante devido ao fato de auxiliar no crescimento e produção de diversas culturas.

É benéfico para as plantas, melhorando a morfologia e a estrutura. A aplicação do silício em diversas culturas demonstra resultados positivos, como aumento de resistência ao acamamento, diminuição de pragas e doenças devido à formação da parede celular mais grossa e maior resistência às condições climáticas.

Estudos nas culturas do arroz, cana-de-açúcar, feijão, milho, soja e trigo demonstram que o uso do silício é um elemento importante para melhores resultados de produtividade. A utilização do silício na agricultura é considerada como um antiestressante natural, pois o uso do mesmo pode reverter estresses causados por altas temperaturas e alta pluviosidade.

A acumulação do silício na planta favorece a penetração da luz solar, mantendo as folhas mais fotossinteticamente ativas. O uso do silício aumenta a assimilação de nitrogênio, fornecendo rigidez à parede celular e à atividade radicular, evitando a entrada de diversos patógenos.

Benefícios

O silício é absorvido pelas plantas na forma de ácido monossilícico (H4SiO4). Os vasos do xilema realizam o transporte do silício na planta e sua distribuição depende da transpiração da mesma.

Altas concentrações de silício estão presentes no caule e nas folhas. A adubação com silício fortalece a parede celular das folhas, devido à formação da camada sílica-cutícula. O silício junto aos estômatos pode reduzir a taxa de transpiração da planta, fazendo diminuir o consumo de água.

A adubação com silício contribui para o controle de pragas e aumento da produtividade das plantas, e quando presente em maior volume nas células atua como agente, evitando a escassez de água na planta.

Também é responsável por aumentar a resistência das culturas, diminuindo a infecção por fitopatógenos e tornando a planta mais tolerante a diversos estresses. O silício é móvel nas plantas e pode ser aplicado por adubação foliar e também em fertirrigação na couve-flor.

Ação fitossanitária

O primeiro relato da redução de doenças utilizando o silício foi em 1940, mostrando resultados positivos na redução de míldio em pepino, devido à formação de barreira física e o acúmulo de compostos fenólicos.

O silício é depositado na parede celular da epiderme. Após a planta absorver o silício, o mesmo é depositado na forma de sílica, ficando imóvel. Logo, a formação da barreira de resistência dificulta o crescimento e penetração do fungo nos tecidos das plantas.

O silício também estimula a defesa natural da planta, com a produção de compostos fenólicos e acúmulo de lignina, que são acumulados na parede celular, também impedindo a colonização dos fungos.

Essa proteção das plantas com base no silício foi comprovada para evitar o oídio e podridão da raiz em pepino e abóbora e requeima em batata. De acordo com pesquisadores, a aplicação do silício em hortaliças é mais eficaz, mas tem muito a ser estudado ainda.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cultivo de beterraba – Por onde começar?

Caroline Reyes Engenheira agrônoma da Embrapa Hortaliças caroline.reyes@embrapa.br A beterraba pode ser cultivada o ano todo, porém,seu desenvolvimento pode ser mais ou menos demorado, dependendo da região...

1ª etapa de um canavial com longevidade e altas produtividades

Autores Renato Passos Brandão Gerente do Deptº Agronômico Rafael Bianco Roxo Gerente Técnico Regional – São Paulo e Sul de Minas José Renato Otávio...

Influência dos organominerais no algodão

Letícia de Abreu Faria Doutora e professora da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) " Paragominas (PA) leticia.faria@ufra.edu.br BrennaThayane dos Santos Aguiar  Graduanda em Engenharia Agronômica "...

Mangas adensadas rendem mais

  O adensamento, não há dúvida, é o novo fator de competitividade da cultura   A área plantada com mangas no Brasil se encontra em torno de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!