22.8 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosSilício também controla nematoides de solo

Silício também controla nematoides de solo

Autores

Adilson Pimentel Junior Engenheiro agrônomo, doutorando na Unesp/Botucatu e docente – Unifio/Ourinhosadilson_pimentel@outlook.com

Maria Eduarda Viganó Engenheira agrônoma e mestranda – Unesp/Botucatu duddavigano@gmail.com

Lavoura de milho atacada por nematoides  –  Crédito: Claudia Arieira

Os nematoides parasitas de plantas podem ser encontrados em diversas culturas agrícolas de valor comercial, como: soja, milho, feijão, cana-de-açúcar, café, eucalipto, olerícolas e frutíferas. Em função disso, podem restringir as opções do produtor rural nas culturas de rotação e nos manejos empregados para reduzir a população de nematoides em determinada área.

Sintomas e prejuízos

Os sintomas de infestação de nematoides podem ser observados acima e abaixo do solo. Os sintomas observados na parte aérea podem ser divididos em duas categorias: danos provocados por nematoides que parasitam folhas, caule e flores e os danos reflexo dos nematoides que atacam o sistema radicular.

Os sintomas ocasionados por nematoides de parte aérea podem ser específicos, como: folhas estriadas, amareladas e descoloração das folhas; necrose interna do caule, adquirindo forma de anel-vermelho, necrose nas inflorescências; engrossamento, enrugamento e crescimento desorganizado dos tecidos.

Os sintomas reflexos dos nematoides parasitas das raízes podem ser confundidos com a falta de água e nutrientes. Os danos observados incluem clorose e má formação das folhas; crescimento irregular e reduzido; redução da área da folhagem; murcha prolongada durante os períodos mais quentes do dia; definhamento de plantas perenes; redução do tamanho de frutos e sementes e baixa produção.

Os sintomas observados no sistema radicular incluem: formação de galhas nas raízes; raízes reduzidas e grossas; lesões; necrose e apodrecimento das raízes ou tubérculos; fendas nas raízes; deformação e alteração na arquitetura das raízes.

Ação do silício

A utilização do silício vem despertando interesse dos pesquisadores devido aos inúmeros benefícios que contribuem para o bom desenvolvimento da planta, incluindo aumento na produtividade e a resistência a estresses bióticos e abióticos, como pragas e doenças.

Na planta, o silício atua no mecanismo de defesa, auxiliando no acúmulo de compostos fenólicos, lignina e proporciona a ativação de enzimas responsáveis pela resistência e fitoalexinas.

Estudos apontam o silício como propulsor na indução de resistência, aumentando o acúmulo de derivados de lignina-ácido tioglicólico e das enzimas fenilalanina-amônia-liase, peroxidase e polifenoloxidase. Com isso tornando a parede das células mais lignificadas e dificultando a penetração dos patógenos e a formação do sítio de alimentação, devido a produção de fitoalexinas e a síntese de proteínas relacionadas com a quitinase.

[rml_read_more]

Em campo

Trabalhos na literatura científica mostram que a aplicação de 4,0 g de silicato de cálcio por dm3 de solo em feijão ocasionou a redução na reprodução dos nematoides das galhas, o Meloidogyne javanica e Meloidogyne incognita. Quando aplicado 1,6 mL de silicato de potássio por dm3 de solo, ocorreu a redução de 75% no fator de reprodução de Heterodera glycines.

O controle de nematoides utilizando o silício pode ser observado também em hortaliças. Na cultura do pepino, por exemplo, foi observada diminuição no número de ovos de Meloidogyne javanica e Meloidogyne incognita, quando aplicado silicato de cálcio ou de potássio. Nas culturas do tomate e alface o fator de reprodução dos nematoides foi reduzido em 50% e 80%, devido à aplicação de silicatos.

A cultura da cana-de-açúcar, quando tratada com silicato de potássio e metil jasmonato, apresentou menor população de M. incognita por grama de raiz, quando comparada às plantas que não foram tratadas, e foi possível observar que o parasitismo promoveu o aumento nas atividades enzimáticas na planta. O silicato de potássio teve impacto positivo sobre a atividade da peroxidase das plantas parasitadas aos 14 e 21 dias.

A utilização de silicato de cálcio e potássio em mudas de bananeiras reduziu o fator de reprodução da espécie de M. javanica em aproximadamente 64%, quando aplicado via solo 1,28 g de silicato por kg de solo.

Produtividade

A aplicação de silício deve ser feita após a realização da análise de solo e as recomendações das quantidades aplicadas devem seguir as orientações de um agrônomo, para que esse nutriente não seja fornecido em excesso ou falte para planta.

As principais fontes de silício para aplicação em plantas podem ser encontradas nos silicatos de cálcio (CaSiO3) e magnésio (MgSiO3), oriundos das escórias de indústrias siderúrgicas sem contaminação por metais pesados, fornecendo assim grande quantidade de silício-solúvel necessário ao solo, juntamente com cálcio e magnésio.

Os benefícios de CaSiO3 e MgSiO3 estão relacionados ao aumento na disponibilidade de silício para as plantas, elevação do pH do solo e maior disponibilidade de cálcio e magnésio. A aplicação realizada em sulco de plantio e em área total proporcionam o aumento na produtividade de grãos de sorgo, no teor de silício nos grãos, nos colmos e nas folhas e eleva o pH do solo.

Na cultura da cana-de-açúcar, quando aplicadas três toneladas de silicato de cálcio, houve um aumento na produtividade de colmos no primeiro corte e no segundo corte de 6,4% e 16%, respectivamente.

A aplicação de silício proporcionou maior índice de folhas eretas, aumentando a interceptação de raios solares e melhorando a taxa fotossintética, o que auxiliou no ganho de produção em biomassa.

Erros mais frequentes

Aplicações em excesso dos silicatos pode atrapalhar o desenvolvimento das plantas e a estrutura do solo, causando a fitotoxicidade. Para evitar erros de aplicação, obrigatoriamente deve ser realizada a análise de solo, para utilizar a quantidade adequada sem que ocorra o mau uso deste insumo.

Custo envolvido

O valor médio da tonelada dos fertilizantes silicatos é de R$ 100,00, sem o custo do frete. Lembrando que a dose de aplicação é definida de acordo com análise de solo e o poder de reação do silicato, podendo variar de acordo com a necessidade do solo e da cultura implantada.

Tem como benefícios, além de corrigir a acidez de solo, fornecer cálcio, magnésio e o próprio silício, nutrientes que beneficiam a resistência dos tecidos das plantas, inclusive as raízes, local onde o ataque de nematoides é mais efetivo, reduzindo significativamente o uso de nematicidas.

Diante do novo cenário da agricultura, que busca a preservação da saúde do homem e do meio ambiente, a utilização de silicatos nas lavouras é uma alternativa rentável ao produtor, atuando no desempenho nutricional das plantas e auxiliando nos mecanismos de defesa, pois uma área bem nutrida os problemas nos ataques de fitopatógenos são menores.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cálcio e suas funções

O cálcio (Ca) é um macronutriente secundário que está presente em aproximadamente 3,6% ...

Cafeeiros – Mesmo fechados, podem ser podados mais altos

AutoresDaniela Andrade Mestre em Fitotecnia e supervisora de Planejamento e Controle Agrícola daniela.agronomia@hotmail.com Gustavo Henrique Cafisso Santos Engenheiro agrônomo - Centro Integrado de Campo...

Produção de grãos crescerá 27%

A produção de grãos deverá atingir 333,1 milhões de toneladas nos próximos dez anos.

Fitorreguladores – Mais germinação e emergência das plantas

Autora Janaina Marek Engenheira agrônoma, doutora em Agronomia/Produção Vegetal e pesquisadora janainamarek@yahoo.com.br Os fitorreguladores, também conhecidos como bioestimulantes, biorreguladores ou reguladores vegetais, são compostos orgânicos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!