22.6 C
Uberlândia
segunda-feira, maio 20, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosSilvicultura com garantia de origem

Silvicultura com garantia de origem

A certificação é uma garantia de origem que serve também para orientar o comprador atacadista ou varejista a escolher um produto diferenciado e com valor agregado, capaz de conquistar um público mais exigente e, assim, abrir novos mercados.

Crédito Depositphotos

Pedro Guilherme Lemes
Engenheiro florestal e professor – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
pedroglemes@ufmg.br

A certificação florestal é um processo voluntário que atesta que a madeira e/ou produtos florestais provêm de manejo florestal sustentável. Por meio desse processo, uma empresa ou órgão independente autorizado avalia se uma organização ou produto atende a uma série de padrões pré-estabelecidos de sustentabilidade.

Caso aprovados em auditoria, recebem um selo para usar em seus produtos, garantindo ao consumidor sua origem sustentável. O selo certifica o cumprimento das normas que asseguram boas práticas ambientais, sociais e econômicas na produção florestal.

Sustentabilidade ambiental

Os principais objetivos da certificação florestal são definir padrões e normas para promover o manejo florestal sustentável e rastrear a origem da madeira e seus produtos. No entanto, os objetivos específicos irão depender do selo de certificação.

Hoje temos dois principais selos de certificação do manejo florestal no Brasil: o Forest Stewardship Council (FSC), com um viés mais ambiental, e o Cerflor, que atua sob a tutela do PEFC (Programme for the Endorsement of Forest Certification), com um viés mais econômico.

Apesar das diferenças, ambos os sistemas de certificação contribuem para a preservação ambiental, bem-estar social e avanço econômico.

O FSC foi criado com o objetivo de reduzir o desmatamento e degradação de florestas tropicais, mudando as práticas de manejo florestal. Mesmo em plantações, o FSC promove a conservação de áreas nativas ao exigir o cumprimento das leis ambientais, restringir a conversão de novas áreas, limitar o uso de agrotóxicos e monitorar os impactos do manejo florestal.

Em florestas nativas, promove a conservação da biodiversidade e dos recursos hídricos, reduz o desmatamento ilegal, protege ecossistemas frágeis e promove a colheita controlada para garantir a regeneração natural da floresta.

Valor agregado

Os selos de certificação, como o do FSC, garantem práticas responsáveis e sustentáveis muito além do que é legalmente exigido no país, agregando valor à reputação e diferenciação dos produtos certificados.

A certificação também proporciona rastreamento e transparência por meio de auditorias. Assim, os compradores não correm risco de comprar madeira ilegal ou de empresas com más condições de trabalho, por exemplo.

Benefícios percebidos

A certificação beneficia os produtores ao aprimorar o manejo florestal, exigindo avaliações, planos de manejo e monitoramento de impactos, melhorando a qualidade das operações florestais.

A certificação também agrega valor de marketing, possibilitando a venda da madeira e produtos certificados a preços premium, atraindo compradores e investidores ambientalmente responsáveis.

Porém, o maior benefício percebido pelos produtores brasileiros é que a certificação permite o acesso a mercados mais exigentes quanto à sustentabilidade, como Europa e América do Norte. Ao demonstrar práticas responsáveis, a certificação abre oportunidades de negócios e fortalece a imagem dos produtores brasileiros.

Novos mercados

A certificação florestal atrai consumidores exigentes e dá acesso a novos mercados ao conferir credibilidade à sustentabilidade. As auditorias independentes garantem a autenticidade das práticas sustentáveis, tranquilizando compradores.

Além disso, selos como o FSC e o Cerflor conscientizam os consumidores, aumentando a demanda por produtos de origem responsável. Por isso, produtos certificados têm um diferencial de marketing, permitindo acesso a nichos de mercado como o de “consumidores verdes”.

Desenvolvimento social e econômico

A certificação encoraja a participação ativa dessas comunidades, com consultas frequentes e comunicação transparente sobre atividades florestais como colheita, transporte e aplicação de agrotóxicos. Isso promove o entendimento mútuo e ajuda a evitar conflitos.

Empreendimentos certificados também contribuem para o desenvolvimento das comunidades, podendo empregar trabalhadores locais e criando programas comunitários. A certificação também promove práticas de trabalho justas e seguras para os trabalhadores florestais.

Além disso, alguns requisitos para proteger o patrimônio cultural e os direitos dos povos indígenas ajudam a preservar valores sociais importantes. A certificação florestal gera benefícios econômicos e fortalece os laços sociais nas comunidades florestais.

Desafios específicos

Sem dúvida, existem muitos desafios no processo de certificação florestal. O maior deles é o alto custo com auditorias, documentação, atualizações de sistemas e cadeia de custódia.

Esses custos, muitas vezes, são proibitivos, especialmente para pequenos produtores. Para mitigar isso, o FSC criou a certificação “SLIMF” (floresta pequena ou de baixa intensidade de manejo) para pequenos produtores, permitindo o compartilhamento de custos e certificação em grupo.

Além do mais, o grande número e a alta complexidade das normas e regras, principalmente no FSC, relacionadas a questões ecológicas, trabalhistas e comunitárias podem ser difíceis de implementar.

Treinamentos e a introdução gradual das mudanças necessárias ajudam a superar essa barreira. Manter a conformidade por meio de monitoramento, documentação e auditorias frequentes também exige muito esforço (e custos), embora se torne mais fácil com o tempo.

Um exemplo de desafio é a “política de pesticidas” do FSC, que proíbe produtos permitidos no Brasil e restringe tecnologias promissoras, como organismos geneticamente modificados, encarecendo e dificultando o manejo de pragas.

Os incentivos também nem sempre são claros, já que os preços premium de madeira e/ou produtos certificados dependem do contexto e não são garantidos. O maior incentivo à certificação ainda é o acesso a novos mercados.

A certificação florestal exige regras e burocracia, mas seus benefícios ambientais, sociais e financeiros podem compensar, com as ferramentas e paciência necessárias.

ARTIGOS RELACIONADOS

Espécies de eucalipto mais plantadas no Brasil

Paula Almeida Nascimento Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia/Produção Vegetal – Universidade Federal de Lavras (UFLA) paula.alna@yahoo.com.br As espécies mais utilizadas de eucalipto plantadas no...

Drones agrícolas: O futuro da agricultura está nas alturas

Entendendo a Aerofotogrametria Um método eficaz de obtenção de dados topográficos por meio de fotografias aéreas, a aerofotogrametria, palavra de origem grega, traz para o...

Os caminhos da evolução da mecanização florestal

A crescente demanda mundial por madeira, juntamente com os aspectos de clima e solo favoráveis, contribuem para que o Brasil tenha papel de destaque no cenário florestal mundial (Silva et al., 2014)

Seringueira – A união faz a força

  Rodrigo Lima Doutor em Engenharia Florestal, coordenador de Pesquisa e Extensão e professor II na Faculdade de Tecnologia da Indústria "SENAI rodrigo.lima@fiepr.org.br A árvore da seringueira possui...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!