25.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosSistemas agroflorestais aumentam matéria orgânica

Sistemas agroflorestais aumentam matéria orgânica

Crédito Depositphotos

Uma pesquisa conduzida pela Embrapa Caprinos e Ovinos (CE) em parceria com a Embrapa Meio-Norte (PI) revelou que sistemas agroflorestais podem aumentar o estoque de carbono orgânico no solo em comparação com áreas de vegetação nativa.

De acordo com o estudo, publicado na Revista Brasileira de Ciências do Solo, os sistemas integrados de produção também são capazes de elevar os níveis de nitrogênio, indicando um potencial para sequestro de carbono e recuperação de perdas por emissões de gases de efeito estufa na agropecuária.

Conforme o divulgado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), os resultados mostraram que os sistemas agroflorestais aumentaram o estoque de carbono orgânico no solo em até 50% em comparação com áreas de vegetação nativa, enquanto o teor de nitrogênio foi 60% superior em sistemas que utilizaram consórcio de milheto ou sorgo com capim Massai.

Esses dados apontam para a viabilidade de adotar um manejo sustentável da Caatinga, conciliando a vegetação nativa com a formação de novas áreas de produção agrícola.

Quem ganha?

Segundo o pesquisador da Embrapa, Rafael Tonucci, os sistemas integrados de produção favorecem a “produção primária líquida”, aumentando a produção de forragem e a decomposição de matéria orgânica no solo.

“Esse carbono vem, basicamente, da decomposição de raízes e das folhas que caem – a chamada serrapilheira, do capim e da cultura agrícola implementados nas faixas do sistema. Uma matéria orgânica de qualidade”, destaca Tonucci. O pesquisador acrescenta que o incremento de nitrogênio se deve, principalmente, ao plantio consorciado com leguminosa e com a adubação utilizada.

Além disso, o estudo ressalta que a conversão da Caatinga em áreas agrícolas e de pastagens geralmente reduz os estoques de carbono e nitrogênio no solo. No entanto, a implementação de culturas com alta produção de biomassa pode compensar essas perdas, criando um ambiente propício ao desenvolvimento de microrganismos no solo.

Os pesquisadores enfatizam que o incremento da matéria orgânica no solo não apenas contribui para mitigar a emissão de gases de efeito estufa, mas também pode reduzir processos de erosão e degradação do solo na Caatinga. Tonucci destaca que a matéria orgânica funciona como um “cimento” para dar coesão às partículas do solo, promovendo sua estabilidade e fertilidade.

Com a possibilidade de práticas de manejo adequadas, os sistemas integrados de produção podem não apenas recuperar a fertilidade dos solos, mas também fornecer mais autonomia para a alimentação dos animais, favorecendo o sequestro de carbono no solo e contribuindo para a sustentabilidade da agropecuária na região da Caatinga.

ARTIGOS RELACIONADOS

A força que vem do campo

Quando a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) divulgou um relatório que ...

Com produção em queda, caju exige incorporação de tecnologia e manejo

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria com a Embrapa Agroindústria ...

Embrapa apresenta tecnologias sobre várias cadeias produtivas na Agrotins

Empresa participa do evento desde a primeira edição

Projeto que avalia o desempenho de novas cultivares de café para MG tem primeiros resultados

Unidades demonstrativas foram implantadas em todas as regiões cafeeiras do Estado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!