21 C
Uberlândia
sábado, julho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiSobrevivência de esporos da ferrugem na ausência de alho

Sobrevivência de esporos da ferrugem na ausência de alho

Leandro Luiz MarcuzzoProfessor e pesquisador – Instituto Federal Catarinense – IFC/Campus Rio do Sulleandro.marcuzzo@ifc.edu.br

Gilmara Elisa dos SantosGraduanda em Agronomia – IFC/Campus Rio do Sul

No Brasil, a cultura do alho (Allium sativum L.) ocupou, em 2018, uma área de 10.657 hectares, com uma produção de 118.837 toneladas e um rendimento médio de 14.257 kg/ha. A cultura tem destaque entre as hortaliças de maior expressão econômica do País e constitui atividade socioeconômica de grande relevância para os Estados da região sul e sudeste.

O Estado de Santa Catarina compreende a 4ª maior área de cultivo e na safra 2018 a produção atingiu 16.250 toneladas, numa área plantada de 1.771 hectares, com um rendimento médio de 9.176 kg/ha (IBGE, 2018).

Fitossanidade

A ferrugem do alho, causada por Puccinia porri (Sowerby) G. Winter (sin. Puccinia allii), é uma das principais doenças da cultura e comumente encontrada em todas as regiões produtoras, mas com mais intensidade no Sul e Sudeste do Brasil, onde a doença promove a destruição da parte aérea da cultura.

Os sintomas apresentam pústulas amarelas devido à produção de uredósporos. Sob condições favoráveis ao desenvolvimento da doença, as pústulas podem ocupar a lâmina foliar, fazendo com que a folha seque (Figura 1).

Em um estágio mais avançado da doença, a formação de uredósporos (esporos infectivos) é menor e a produção de teliósporos ocorre, o que confere às pústulas uma cor marrom escura ou preta.

Folhas com alto índice de severidade podem se tornar amareladas e morrer , causando depauperamento das plantas, com formação de bulbos de tamanho reduzido (Becker 2004; Massola Jr. 2011; Pavan et al. 2017).

Condições para a doença

Temperaturas entre 10 e 24ºC e períodos prolongados de molhamento foliar favorecem o desenvolvimento da doença, sendo que o ideal é de 16 a 21°C e acima de quatro horas de molhamento foliar.

Temperaturas abaixo de 10ºC e acima de 24ºC desfavorecem o desenvolvimento da doença, que tem maior intensidade quando o índice pluviométrico é menor (Massola Jr. et al., 2011; Napier, 2012; Pavan et al. 2017). O vento é o principal disseminador dos esporos, enquanto que a chuva contribui para fazer a deposição dos esporos suspensos no ar (Becker, 2004).

Experimentos

[rml_read_more]

Em relação à epidemiologia, foi realizado um trabalho no IFC/Campus Rio do Sul para avaliar a viabilidade de sobrevivência dos uredósporos ao longo do tempo. Uredósporos foram removidos das folhas de alho com auxílio de um pincel (n°8) em placas de Petri estéril e deixadas armazenadas com tampa aberta nas condições laboratoriais com presença luz natural. 

Foi avaliado o percentual germinativo no dia da coleta e o período de sobrevivência ao 0, 1, 2, 3, 7, 15, 30, 45 e 60 dias da coleta. Em cada período uma suspensão de 100 µl de suspensão de uredósporos contendo a concentração de 1×105 uredósporos/mL foi espalhada com uma alça de Drigalski em placas de Petri contendo meio agar-água 1%.

Em seguida, as placas foram incubadas por 24 horas em câmaras de germinação do tipo D.B.O (Demanda Biológica de Oxigênio) a temperaturas de 17ºC e 12 horas luz. A germinação foi quantificada sob microscópio óptico com a objetiva de quatro vezes, visualizando-se 100 uredósporos aleatórios na placa. Foi considerado germinado o que tivesse o tubo germinativo maior que o tamanho do esporo.

Com base nos resultados obtidos, constatou-se que os uredósporos de P. porri perdem sua viabilidade ao longo do tempo (Figura 5). Observa-se que a maior percentagem de germinação ocorreu no segundo dia, com 35,6%, mas semelhante ao 7º dia, com 33,8% (Figura 5).

A germinação dos uredósporos de P. porri é bruscamente reduzida a partir dos 15 dias, que passou para 2,4% e depois aos 30 e 60 dias, com apenas 0,2% (Figura 5).

Em relação a germinação de uredósporos ao longo do tempo observou-se uma resposta polinomial de 2º (Figura 5), que através da equação y = 0,0089×2 – 1,0083x + 27,645 (R² = 0,7225) verificou-se que aos três primeiros dias o percentual permanece inalterado em torno de 96% do total germinado em relação ao coletado e reduz drasticamente para 85, 69, 37 e 5% aos 7, 15, 30 e 45 dias, respectivamente, após a coleta, zerando a germinação após os 45 dias.

Essa é uma informação importante no manejo da ferrugem do alho com fungicidas protetores, pois se a planta não ficar constantemente protegida, pode haver geminação dos esporos presentes na superfície foliar e pode iniciar o processo infeccioso e gerar uma nova epidemia de doença, havendo dessa maneira a necessidade de usar fungicidas sistêmicos ou translaminares para controlar a doença.

Carência

A maioria dos fungicidas protetores registrados para a ferrugem na cultura do alho possuem sete dias de carência, ou seja, mantém sua efetividade de proteção na superfície foliar durante esse período, evitando a infecção do patógeno.

Mas, se nesse período houver acúmulo de chuva igual ou superior a 20 mm (Becker, 1988), a eficiência do fungicida é comprometida, já que a chuva promove a retirada do fungicida na superfície foliar, havendo necessidade de realizar novamente a aplicação deste na cultura para manter a parte área do alho protegida.

ARTIGOS RELACIONADOS

Confirmado: Primeiro caso de nova doença da mandioca

Doença deixa a planta com aspecto de queimado e provoca perdas de produção Análises moleculares e biológicas identificaram o fungo Rhizoctonia solani AG-1 IA e confirmaram o...

Bioinseticida controla lagartas

Um pesticida composto por uma mistura inédita de dois isolados da bactéria Bacillus thuringiensis ...

Mercado de fungicidas protetores volta a crescer na safra 2019/20 e movimenta US$ 450 milhões

Segundo estudo da Spark, a adoção desses produtos no manejo da oleaginosa chegou a 70% da área cultivada e registrou elevação de 40% em faturamento

Tecnologias para aumentar a produção de trigo no Cerrado

Uma vitrine para o cultivo de trigo no Cerrado. Tecnologias adaptadas ao clima e com alto potencial de produtividade foram apresentadas em Uberaba (MG) A área disponível...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!