19.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosSoja selvagem pode trazer resistência à seca

Soja selvagem pode trazer resistência à seca

Foto Vladimir Moreira
Foto Vladimir Moreira

Pela primeira vez o Brasil semeou soja selvagem para estudar seu comportamento e identificar suas diferentes características. Ao todo, foram avaliadas 21 espécies, a maioria originária da Austrália. A regeneração e o armazenamento dessas sementes permitem ampliar a variabilidade genética da soja.

As espécies foram armazenadas no Banco Ativo de Germoplasma (BAG), uma coleção de sementes mantida pela Embrapa Soja em Londrina (PR), considerado o terceiro maior banco da leguminosa no mundo, com cerca de 35 mil acessos.

O trabalho de regeneração e catalogação dessas espécies começou a ser feito nas casas de vegetação da Embrapa Soja no início de 2016 e está praticamente concluído. “É a primeira vez que essas sementes são catalogadas no Brasil dentro de casas de vegetação“, conta o pesquisador Marcelo Fernandes de Oliveira, curador do BAG da Embrapa Soja.

“Ao contrário da soja semeada atualmente, que é originária da China (Glycine max), a soja selvagem ainda é pouco conhecida, mas traz embutidas características que poderão influenciar o futuro dos programas de melhoramento genético”, avalia Fernandes. “Apesar de a soja selvagem ser pouco estudada, sabemos que seu genoma é diferente do genoma da soja cultivada e que tem fontes de resistência a várias doenças e pragas“, avalia.

Parceria

A Embrapa recebeu as sementes selvagens por meio de uma parceria com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e com a Universidade de Sydney, na Austrália. De acordo com o pesquisador, muitas das sementes selvagens são similares a grãos de mostarda. As plantas são trepadeiras como o feijão e têm folhas redondas e estreitas, ou seja, muito diferentes da soja cultivada no Brasil.

“Todo plantio, colheita e debulha das plantas vêm sendo feitos à mão. Esse trabalho é muito minucioso e exige concentração e cuidado de empregados dedicados apenas a essa atividade, para evitar mistura e não haver contaminação entre as sementes”, diz o curador do BAG.

Aplicação prática da soja selvagem

Além do curador do BAG, dois técnicos e um operário de campo administram o Banco. A equipe realiza um trabalho sistemático de catalogação e multiplicação dessas sementes, identificando suas diferentes características, como produtividade, porte de planta, ciclo, resistência a doenças, sabor, tolerância à seca, entre outros.

Depois de catalogadas, essas plantas ficam disponíveis para serem cruzadas com outras plantas, passando a fazer parte do programa de melhoramento genético.  “Temos que catalogar e conhecer essas fontes genéticas porque, caso contrário, não teremos como utilizar toda essa riqueza”, explica Fernandes.

De acordo com o pesquisador, primeiramente serão identificadas fontes de resistência para três doenças severas para o grão: ferrugem-da-soja, cancro-da-haste, e cercóspora. “Queremos avaliar esses acessos para cancro-da-haste e cercóspora, porque são doenças que já causaram grandes prejuízos no passado e hoje são usadas apenas uma ou duas fontes de resistência em todo Brasil”, diz.

Essa matéria você encontra na edição de janeiro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Potencial da silvicultura para o Brasil

O Brasil possui 5.102.030 de hectares plantados com eucalipto para energia e siderurgia (18%), celulose e papel (71%), madeira industrializada (7%) e usos diversos...

Secagem estática do café – Tecnologia sem movimentação dos grãos

  Carlos Henrique Cardeal Guiraldeli Engenheiro agrônomo cguiraldeli@gmail.com   O mercado altamente competitivo da cafeicultura contemporânea tem forçado os cafeicultores a buscar uma produção cada vez mais sustentável. O...

Manejo da pinta preta do tomate

Giovani de Oliveira Arieira Professor de Fitopatoligia -  Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) giovaniarieira@yahoo.com.br Elisamara Caldeira do Nascimento Talita de Santana Matos Doutoras em Agronomia " Universidade Federal...

Cebola precoce traz mais rentabilidade para os produtores

  Marcos Vinícius de Freitas Silva Assistente técnico de campo no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba marcos_freitassilva@yahoo.com.br   Os plantios normais de cebola começam em março e seguem até...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!