Solo ideal para altas produtividades agrícolas

0
198

Autores

Antonio Santana Batista de Oliveira Filho Mestrando em Agronomia/Produção Vegetal – FCAV/UNESPa15santanafilho@gmail.com 

Myrelly Nazaré Costa NoletoGraduanda em Engenharia Agronômica – Universidade Estadual do Maranhão (UEMA/CESBA)myrellynoleto11@gmail.com

Adriana Araujo Diniz Professora adjunta II – UEMA/CESBAadrisolos2016@gmail.com

Milho – Fotos: Shutterstock

Do ponto de vista agronômico, solo é uma cobertura da crosta terrestre, constituído em sua fase sólida por matéria orgânica e minerais, que possui capacidade de armazenar água, ar, servindo então de suporte para o desenvolvimento de plantas. Ou seja, é um espaço físico e químico, onde há elementos essenciais para o crescimento das plantas e microrganismos fundamentais para a agricultura e o ambiente. 

O conceito de solo ideal é amplo, mas ao mesmo tempo, fácil de ser entendido. Devem ser considerados diversos parâmetros quando se trata do conceito prático de solo ideal para se obter uma elevada produtividade, pois não somente a presença de nutrientes deve ser levada em consideração, mas sim todo um apanhado de características que podem favorecer de forma significativa o desenvolvimento de diversas culturas.

Portanto, um solo ideal para obter uma boa produtividade seria aquele que apresentasse profundidade adequada para que haja o armazenamento de água e para que as raízes possam crescer e se expandir; ser composto de uma boa parte mineral, orgânica gasosa e líquida (de modo a suprir a necessidade da planta), sem que haja o excesso de elementos que possam causar toxicidade, estrutura que facilite o movimento de ar, água e raízes, com uma boa drenagem e atividade microbiana, obtendo nutrientes essenciais para o desenvolvimento da cultura (Giongo; Cunha, 2010).

Como deve ser

Um solo ideal, que apresente as características de modo a contribuir para aumento da produção, beneficia todas as culturas, independente da espécie, apesar de algumas delas terem maior resistência à falta de elementos essenciais, ou seja, conseguem se desenvolver mesmo em algumas condições desfavoráveis.

Culturas anuais, como soja e milho, são bastante responsivas ao manejo do solo, principalmente com a descompactação para o maior crescimento das raízes e a adubação com nutrientes essenciais ao desenvolvimento das culturas.

Olerícolas, em geral, também respondem bastante ao manejo adequado do solo, sendo a adubação orgânica altamente utilizada nessas culturas afim de disponibilizar nutrientes adequados às culturas.  

Técnicas

Há diferentes técnicas a fim de tornar o solo mais produtivo, porém, deve ser levado sempre em consideração a questão da preservação ambiental, buscando um manejo que agrida menos o meio ambiente. Antes de tudo, deve-se obter conhecimento das condições físicas e químicas do solo, por meio de análise de solo, para somente assim tomar atitudes relacionadas ao seu manejo.

Algumas destas são: aplicação de adubo mineral ou orgânico de modo a obter o equilíbrio entre os elementos com a necessidade das culturas, isso se o solo tiver baixo teor nutricional. Utilização de “adubos verdes”, capazes de melhorar significativamente a estrutura, contribuir para o aumento nos níveis de nitrogênio e potencializar a produção de matéria orgânica.

Aplicação de calagem, a fim de diminuir a acidez do solo, principalmente naqueles onde há o excesso de alumínio tóxico. Utilização de técnicas de curvas de nível, terraceamento e de palhada, como “mulching orgânico”, protegendo o solo da erosão. Técnicas de rotação de culturas devem ser adotadas e, por fim, técnicas conservacionistas de solo.

Retorno garantido

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.